Pular para o conteúdo principal

Melzinho na chupeta

A maioria dos servidores públicos recebeu com um pé atrás a proposta de privatização (na cara dura) do plano de saúde da categoria. A Capsema gastava em torno de R$ 11 milhões por ano para garantir um atendimento de qualidade aos servidores e dependentes. Mesmo assim, havia muita negociação com os prestadores, que operavam no limite permitido pelo atendimento exigido. Agora, o prefeito anuncia que este gasto será reduzido para R$ 6 milhões no máximo. O atendiumento será feito por um único prestador, que deverá receber o bolo definido no contrato, atendendo o máximo ou atendendo o mínimo de pacientes. A qualidade começa a ficar comprometida na falta de opção do servidor, que antes poderia escolher o médico, o hospital e o laboratório da sua confiança.
Num primeiro momento, parece um benefício que a Administração está dando ao servidor, principalmente porque os 3% que vinha descontado em folha não viria mais. O que vai acontecer? O montante do dinheiro que era gasto com assistência médica via Capsema deixa de sair da folha de pagamento do funcionalismo e passa a ser tirado do orçamento geral do município. Alguém se lembra o que foi que o prefeito disse quando começou a operação desmonte na Capsema? Ele disse exatamente isto:"A Prefeitura não pode pagar plano de saúde para o funcionalismo, porque senão a população como um todo, teria o direito tamém a um plano de saúde pago pelos cofres municipais". Na prática , agora é a Prefeitura que vai pagar o plano de saúde dos funcionários. E os funcionários, que podem imaginar estarem sendo beneficiado, verão mais adiante que o molho sairá bem mais caro do que o peixe.
Fico me perguntando: será que os vereadores vão se dar conta disso? Vão se dar conta de que, no fundo, o que vai acontecer é uma privatização, escancarada e descarada?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…