28 de fevereiro de 2011

Coisa do nosso "Midas trapalhão"

Cerca de 8 mil pessoas estiveram no último final de semana no Parque de Exposições de Maringá na esperança de conseguir uma moradia, dentro do programa "Minha Casa, Minha Vida". Foi um Deus nos acuda, teve gente que saiu frustrada e esbrvejando por ter se sentido enganada.
Para que fazer um negócio desse com a população? Se o número de casas e apartamentos é limitado, seria de bom alvitre selecionar os contemplados e chamá-los para sortear a localização do imóvel de cada um. Era isso que se fazia no passado, no tempo do glorioso BNH.
Chamar todo mundo inscrito para dizer que só tem casa para meia dúzia é brincar com o sonho alheio.O problema é fazer marketing? Se foi este o propósito, sairam pelo cano, porque o marketing teve efeito contrário. Tal qual um rei midas às avessas, tudo o que o prefeito SB II põe a mão, vira confusão.

Convite irrecusável

"A prefeitura municipal está licitando Concessão do serviço de Transporte Coletivo. Todavia o contrato de 40 anos inviabiliza qualquer projeto coletivo de mobilidade em Maringá. Para que tal Edital seja suspenso e substituído por outro que garanta verdadeiramente o atendimento às necessidades dos usuários, inclusive com barateamento das tarifas, O Fórum Maringaense pelo Direito às Cidades (FMDC) e um conjunto de entidades convida para um Ato Público, no dia 2/mar, 4a. feira, às 17:00 hs em frente ao Terminal Urbano".

PS: A manifestação deverá ocorrer no "asfaltão" da rodoviária velha. Pode ser apenas coincidência, mas convenhamos, aquele espaço é, metaforicamente, a síntese de uma administração predadora.

Ednelson sobre a sucessão de SB II

As pedras começam a ser colocadas no tabuleiro da política para a eleição municipal de 2012. Já há pretensos candidatos e também Partidos se movimentando para conseguir mexer as pedras e melhorar a posição no tabuleiro. Ainda há muita especulação, mas o jogo promete. O PT terá candidato próprio a Prefeito e é o único Partido a se declarar de oposição ao atual Governo, “dobrando com o PMDB”. O PSB também acena com a possibilidade de candidato próprio e na mesma linha surge o PV. Com isto fica enfraquecida a estratégia dos Barros que perde importantes apoios, além de já estar tremendamente desgastado pelos erros políticos e administrativos cometidos ao longo deste mandato.

. Ednelson Cardoso

Ênio e as agulhas do ti--ti-ti , porque 2012 já está aí



As articulações para a sucessão municipal em Maringá já estão em andamento. Em política quem sai na frente pode tomar a dianteira e só perder se tiver vocação para cavalo paraguaio. O deputado Ênio Verri saiu na frente nas costuras partidárias para 2012. Costura desde já as alianças com agulhar de ti-ti-ti. Por mais que receba influência do imponderável, política também é lógica; nela está contida a matemática do voto, onde 2 + 2 é 4, mas pode ser 5.
Não por acaso, Verri começa o processo de soma, sabendo que mais adiante pode não só somar, mas também multiplicar. Soma de partidos em uma coligação significa, invariavelmente, multiplicação de votos se o candidato tiver intimidade com as urnas.
Depois de conversar com o deputado Edmar Arruda (PSC), Verri está agora inclinado a formar um palanque com PT, PMDB, PSC e PC do B. Se conseguir esses ingredientes a sua massa de bolo só tende acrescer. E claro, poucos que entendem minimamente de política deixarão de reconhecer que Ênio Verri já é um pre-candidato a prefeito fortíssimo. Imbatível não, porque isso não existe, mas certamente, difícil de ser batido.

Letal contra a Democracia





Não sei a quantas anda a discussão sobre pistolas que dão choque e sua utilização pela Guarda Municipal de Maringá. Mas me ocorreu comentar o assunto ao ver imagens de uma manifestação de estudantes contra o preço da passagem de ônibus em São Paulo. A polícia investiu contra os manifestantes com as tais "armas não letais". O resultado não foi trágico, porque ninguém morreu de tiro. Mas foi desastroso, com demonstração explícita de intolerância por parte do Estado que, ao repelir com violência manifestações de descontentamento da sociedade, agride de maneira irremediável a democracia e o estado de direito. Me bateu uma paúra, só de pensar que nossos guardas municipais seriam imediatamente chamados e intervir em uma manifestaçao contra eventuais desmandos da "administração cidadã".
Já imaginou o povo nas ruas exigindo apuraçãpo rigorosa no caso dos desvios do dinheiro da saúde? Pensou num dos guardas atirando com suas pistolas elétricas contra a multidão?
Acho até que a sociedade organizada de Maringá precisa retomar o debate e passar a questionar duramente o entusiasmo do prefeito com relação a essas pistolas.Os choques provocados pelas chamadas armas não letais até nem produziriam efeitos catastróficos, de tragédia. Mas não há como aceitar repressão às massas, como forma de calar a boca dos que ousam desafinar o coro dos contentes.
O argumento da utilização das pistolas para inibir o crime não convence, porque bandido não se contém com descarga elétrica, mas com ação repressiva e inteligente das forças regulares de segurança. Até as pombinhas amargosas da Praça Raposo Tavares haverão de deduzir que "sua excelência" não resistiria a tentação, por exemplo, de mandar ver em descargas elétricas contra, por exemplo, servidores públicos em greve. Pensem comigo: o que teria acontecido na greve de 2006, caso houvesse uma Guarda Municipal armada com as tais pistolas?
Já que querem dar choque no povo, então que dêem choque de gestão e choque de ética na comuplsão pela improbidade, que parece andar em alta por aqui.

25 de fevereiro de 2011

Maringá e Pintadas. Porque meu coração cabe as duas



fotos: Valdir Carniel e site da Prefeitura de Pintadas

Depois que voltei há uma semana, pouco falei de Pintadas , minha cidade natal, no sertão da Bahia.Pelos relatos que ouvi, pelas fotos que vi, pelos informes que li e pelos CDs de música regional que curti, com apenas 11 mil habitantes Pintadas tem uma vida cultural intensa. Lá existe semana de artes, quando os sambadores da terra dão verdadeiro show de afinação em abôios e toadas que nos fazem arrepiar; tem vaquejada, que mobiliza toda a Bacia do Jacuípe e leva pra lá, cantores de renome nacional como Chico Cesar e Belchior. Ganhei alguns alguns CDs de música da terra, de muita qualidade. Caso dos Sambatores de Pintadas, Sambadores de Capela, Vozes da Mussuca (Dança de São Gonçalo), Bando Padim Vô e Afro Minha Cor. Festas populares nas datas características são grande sucesso, como São João e São Pedro.Tem ainda a Jegada, que mobiliza jegueiros de vários municipios da região, inclusive Ipirá e Mairi, município onde fui registrado , pois na época Pintadas não passava de um povoado.
Sempre que posso volto lá para rever o torrão e a parentaia, que é 70% da cidade. Já me perguntaram porque não volto pra lá.Isso seria impossível, porque estando em Maringá há mais de 40 anos, aqui também finquei raízes, constituí família. Sou maringaense de coração, mais até do que certas pessoas que se gabam de terem aqui nascido. Mas sou pintadense de origem e amo minha terra natal, porque como bem disse o velho Lua em seu último pau de arara, "quem renega a terra natá em outro canto não pára". Não renego Pintadas, por isso paro em Maringá, onde pretendo viver até meus últimos dias.Mas sempre voltando em Pintadas para matar saudades.
Tenho dito.

Humberto, Vicente e o embalo do Sitio do PIca- Pau Amarelo


Ouvi hoje cedo na Rádio CBN o vereador Humberto Henrique, do PT, dizer que o requerimento da CPI da saúde vai continuar em aberto a espera de mais uma assinatura, se não me engano, a quinta. Mas enquanto isso, está tentando convencer os vereadores que não compõem o Amém F.C. a fazerrem representações no Ministério Público Estadual, no Ministério Público Federal e até na Controladoria Geral da República, por tratar-se de dinheiro de Brasília.
Sinceridade, Humberto, não acredito que a Câmara vá levar isso adiante. A menos que lá existisse pelo menos mais um Humberto.
Enquanto isso, insista na tecla de levar o caso adiante, para que ele chegue até a esfera judicial e encontre um juiz como este aí, que chame os envolvidos às falas e os caneteiem.
Aliás, Humberto, aceite minha sugestão: tente dar um susto no menino Flávio Vicente, dizendo a ele que se ele não assinar, a cuca vai pegar.

Parreiras disse:

"Messias: Na sua louvação à sua Pintadas, mais um costume que admiro naquele nosso valente, poético e persistente povo: Lá, eles se identificam por parentesco possessivo. Explico: Raimundo do Zé Bigode, Pedrim de Barroza. Como nos quartéis, o costume é pela identificação: Num quartel, você seria Maringá, eu Sanzabel, por ai.
Legal prá carai...

PS: O Parreiras Rodrigues, assessor parlamentar na Assembléia Legislativa do Paraná, onde trabalha de fato, sabe das coisas. Lá em Pintadas tem Liete de Daniel, Maninha de Vajim, Sô de Gueço, Faezim de compadre Lurinho, Duzinha de Leôncio, Zeca de Arquimino e por aí vai.
Sobre o Parreiras, lembro a propósito que ele é um baita jornalista, um dos fundadores do O Diário de Maringá e pioneiro na plantação de côco da Bahia no Arenito Caiuá. Seria ,não apenas o Parreiras de Santa Izabel do Ivaí, mas o Parreira do côco. E viva a cocoicultura!

24 de fevereiro de 2011

Brasil, nunca mais!


“Eu tinha apenas 23 anos, recém-parida e fui espancada de muitas formas, fiquei com o corpo todo marcado, destruída por dentro. Meu torturador era tarado, me judiava e humilhava muito… Passei mais de um mês sem tomar banho, fedia por causa do sangramento comum após o parto e também devido ao leite, que cheirava azedo. Por causa disso, me deram uma injeção para secar meu leite. Não tive o direito de amamentar meu filho… Pior do que isso, eles usaram um bebê para me coagir. Por duas vezes, levaram meu filho ao DOPs e ameaçaram queimá-lo vivo caso não os ajudasse a localizar meus companheiros, mas eu não sabia onde eles estavam…”
Ao buscar, agora, nos arquivos da Folha de S. Paulo a minha ficha funcional, descubro que, em 9 de dezembro de 1969, quando estava presa no DEOPS, incomunicável, “abandonei” meu emprego de repórter do jornal. Escrito à mão, no alto: ABANDONO. E uma observação oficial: Dispensada de acordo com o artigo 482 – letra ‘i’ da CLT – abandono de emprego”. Por que essa data, 9 de dezembro? Ela coincide exatamente com esse período mais negro, já que eles me “esqueceram” por um mês na cela.

Como é que eu poderia abandonar o emprego, mesmo que quisesse? Todos sabiam que eu estava lá, a alguns quarteirões, no prédio vermelho da praça General Osório. Isso era e continua sendo ilegal em relação às leis trabalhistas e a qualquer outra lei, mesmo na ditadura dos decretos secretos. Além do mais, nesse período, caso estivesse trabalhando, eu estaria em licença-maternidade.

Guarde agora essa outra informação: o Grupo Folha a demitiu por “abandono de emprego”. Junte-a às outras duas: ela trabalhava no grupo Folha e pertencia à ALN.

. Depoimento da jornalista Rose Nogueira a uma novela do SBT, que ainda vai ao ar. Rose foi colega de cela da hoje presidente da república Dilma Roussef, que também foi torturada pela ditadura, a "ditabranda" que o jornal Folha de São Paulo tanto defendia.
Fonte: Blog do Mello

Na terra dos exterminadores do passado, do presente e do futuro


Vejo agora no site do Rigon uma foto do Horto Florestal, fechado. Aliás, a cidde do verde, que tem o privilégio de ostentar três grandes pedaços da Mata Tropical, vê essas reservas totalmente abandonadas. O Parque do Ingá, interessante ponto de parada dos turistas, há mais de dois anos que está fechado para o público. O Horto,então, nem se fala. O Bosque 2,que um dia começou a ser destruído com uma pista de motocross em seu interior, é uma incógnita. O que tem lá dentro, como está seu interior ninguém sabe. O que essa "administraçao cidadã" faz da nossa linda Maringá é um absurdo. Os bosques são apenas um exemplo, talvez o mais visível. Mas o que falar dos monumentos históricos? Quem passa pela Rua Joubert Carvalho leva um susto ao ver em que se transformou o prédio da antiga rodoviária. Que gentinha, ehim Tio Arquimino!!

23 de fevereiro de 2011

O castigo pode vir a cavalo

O Ministério Público quer cassar o mandato do prefeito de Paiçandu, o Vladão (PMDB). Motivo: ele não cumpriu sentenças judiciais anteriores, que pediam pela regularização do lixão, das redes de água e esgoto e do gerenciamento das bacias hidrográficas.
Por muito menos, quase nada se comparado a isso, a Câmara de Paiçandu cassou o mandato do prefeito Moacir de Oliveira. Aliás, Moacir move ação contra a Câmara e ganhando, o que é muito provável, vai provocar ranger de dentes na cidade. Vale a lembrança de que Vladão era vereador e, mesmo sendo do partido do prefeito,ajudou a fritá-lo em fogo nada brando.

Deu no Paçoca

"Lesados pela campanha de Osmar Dias querem saber quando irão receber a grana ou irão ter que amargar o prejuízo?

Foram feitas compras em vários lugares. Um deles, um restaurante muito conhecido na zona Norte de Londrina, no Patrimônio Heimtal, ficou com uma pindura de quase R$ 12 mil pelo fornecimento de marmitex. Já uma empresa de segurança amargou um preju de R$ 16 mil.

Isso sem contar vários funcionários de comitês eleitorais na cidade que aguardam há quase quatro meses uma luz da campanha de Osmar Dias.

Os coordenadores locais, entre eles algumas figuraças com mandato eletivo, que contrataram os serviços, tiram da reta jogando a peteca para o comando estadual do PDT".

. Do blog Paçoca com Cebola, do Cláudio Osti

Meu comentário: Será que em Maringá foi diferente? É por essa e outras que a credibilidade dos partidos e dos políticos está no nível do roda-pé. Cabe a pergunta: para onde vai a dinheirama arrecadada nas campanhas junto a doadores, que quando o candidato ganha sempre cobra a fatura, de uma forma ou de outra?
Acho que já passou da hora do Congresso votar a reforma política, priorizando entre outras coisas, o financiamento público de campanha, com o devido monitoramento do Ministério Público e da Justiça.
Se bem gerenciado, com participação ativa dos promotores e da sociedade, através de conselhor, o financiamento público pode colocar um ponto final na promiscuidade que toma conta do processo eleitoral, nas majoritárias e nas proporcionais, nos tres níveis de poder - municipal, estadual e federal.

22 de fevereiro de 2011

Dilma na casa da "ditabranda"

A presidente Dilma Roussef, em demonstração de grandeza, foi prestigiar os 90 anos da Folha de São Paulo, a mesma Folha que, segundo o articulista Leandro Fortes (Carta Capital):" estampou uma ficha falsa da atual presidenta em sua primeira página, dando início a uma campanha oficial que pretendia estigmatizá-la, às vésperas da campanha eleitoral de 2010, como terrorista, assaltante de banco e assassina. A ela e a seus companheiros de luta, alguns mortos no combate à ditadura.

Ditadura, aliás, chamada de “ditabranda”, pela mesma Folha.

Esta mesma Folha que, ainda na campanha de 2010, escalou um colunista para, imbuído de sutileza cavalar, chamá-la, e à atual senadora Marta Suplicy, de vadia e vagabunda".

Essa mesma Folha, ora homenageada com a presença de Dilma Rousseff.

O trote, segundo Elias

"Passávamos pela Avenida João Paulino Vieira Filho esquina com Herval quando fomos interceptados por calouros da UEM, todos caras pintadas: "Moço, dá uma moeda? Passamos no vestibular para Engenharia e os veteranos estão acabando com a gente para pegar dinheiro para eles". Como sempre fiz, neguei, sobretudo porque não concordo com trote. Há outras formas educativas para recepcionar os calouros. Trote é uma forma de violência moral e psicológica e os veteranos podem ser processados pelo ato forçado e ameaçador. Os calouros não participam porque querem. Pelo contrário, torcem para não sofrer trote. A forma como o calouro se expressou deixou claro: "...os veteranos estão acabando com a gente...".
. Do blog do Elias Canuto Brandão

PS: cena mais degradante presenciei na esquina da Avenida Colombo com Duque de Caxias. Um veterano gritava em um megafone: "eles poderiam estar matando e roubando, mas não: passaram no vestibular de Educação Física, num dos melhores cursos da nossa universidade". Enquanto o veterano dava vasão ao seu recalque, os calouros, rapazes e moças, se humilhavam pedindo dinheiro no sinaleiro. A cena era degradante, revoltante. Como o Elias, me recusei a dar as moedinhas solicitadas. Uma estudante alí pelos seus 18, 20 anos , reagiu assim à minha negativa:"Vá a merda!". Confesso que não fiquei nem um pouco com raiva dela, mas indignado com o marmanjo do megafone e sua tchurma.
Acho que se calouros e seus pais acionassem os organizadores do trote na justiça,requerendo indenização por danos morais, essa palhaçada acabaria de vez. Já não é sem tempo.

Vale como exemplo

"A Faculdade Maringá realiza hoje, das 18h30 às 21h30, seu tradicional Trote Solidário. O ônibus do Hemocentro estará no local para os acadêmicos que quiserem doar sangue e fazer o cadastro como doador de medula óssea. Os participantes também poderão doar agasalhos e alimentos não-perecíveis, que serão repassados a famílias carentes de Maringá e região. Os alunos que colaborarem com todas as ações do Trote Solidário receberão seis horas/atividade. Aqueles que puderem colaborar apenas com um dos itens receberão duas horas. O posto de coleta estará funcionando na Rua Visconde de Nassau, entre a avenida João Paulino e a Prudente de Morais, sendo aberto a toda a comunidade".
. Site do Rigon

Minha opinião: Essse sim é um trote politicamente correto. Aquele absurdo promovido pelos veterenos da UEM, com apoio do DCE , chega a ser criminoso. Aprovados no vestibular da instituição e que estavam iniciando suas aulas anteontem, passaram o dia nas esquinas pedindo ajuda (não se sabe pra que, possivelmente para custear as bebidas). Hoje, o jornal O Diário estampou em suas páginas, fotos de estudantes sendo obrigados a tomar cachaça. Um verdadeiro espetáculo de horror.

21 de fevereiro de 2011

CPI e a sociedade do espetáculo

"Diante das evidências de que os desvios de recursos da saúde são grandes, após a decisão de W. Andrade de assinar o requerimento para instalação da CPI, outros vereadores do amém estariam propensos a seguir o mesmo caminho. Dos 11, apenas Heine Macieira e o presidente Mário Hossokawa não assinariam. Os demais não estariam dispostos a passarem para história como omissos e coniventes com o crime que é desviar recursos de uma área tão sensível, como a saúde, o que na prática significa responsabilidade por muitas mortes. São informações de bastidores. Resta aguardarmos a confirmação".

.Akino Maringá, colaborador do site do Rigon

Meu comentário: Uma CPI só pode servir de insrumento de correção de rumos e punição de improbos, se conduzida com isenção e muita seriedade. Normalmente, serve de palco para batalhas politico-partidárias e se presta ao papel de promotora de pseudos defensores da moralidade pública. De qualquer forma, é sempre um instrumento de apuração que pode fugir do controle de seus proponentes e aí, sim, ter consequências benéficas para a sociedade. Melhor é tê-la, ainda mais diante de fatos escandalosos como parece ser este da saúde.Abstraído o lado do espetáculo, a Comissão Parlamentar de Inquérito pode, por exemplo, levar a uma cassação de mandato do gestor envolvido.
A rigor, a Câmara de Maringá nunca se empenhou verdadeiramente numa investigação profunda contra a administração municipal. Ququer administração. Nem na gestão Jairo, quando o Poder Legislativo se omitiu totalmente. Deu no que deu graças a atuação do Ministério Público, principalmente do promotor Cruz.No caso em questão, quero morder a língua, mas acho difícil isso acontecer. O time do Amém F.C. pode até morder e assoprar, mas conhecendo esse pessoal como conheço, acho que se sair a CPI, a turma do Amém será mesmo a turma do assopro. É esperar pra ver.

19 de fevereiro de 2011

Desviar dinheiro da saúde faz mal à saúde

" As informações que nós temos é que a coisa na saúde é monstruosa. A CGU, o TCU, o MPF já estão sendo acionados e poderemos ter uma operação. Maringá vai ser notícia nacional. A Polícia Federal deve entrar no caso. Pessoas serão presas. O esquema será desvendado".
. De Aquino Maringá, sobre o escândalo da Saúde e a CPI que patina na Câmara Municipal.

Minha percepção: por muito menos Jairo Gianoto caiu em desgraça. Se a coisa for como informa o colaborador-mor do site do Rigon, não demora e teremos ranger de dentes em Maringá.

18 de fevereiro de 2011

Tal e qual...

Retomando contato com as coisas da cidade, após dez dias de ausência, vejo no O Diário a notícia da CPI para investigar, em princípio, o sumiço de R$ 1 milhão do SUS. Aí, logo lembrei do fato que deu causa às investigações do esquema "Jairo Paolichi". A primeira denúncia teve origem na Secretaria de Saúde, devido ao desaparecimento de R$ 1 milhão, constatado pelo Conselho Municipal de Saúde.Qualquer semelhança é mera coincidência.

13 de fevereiro de 2011

Um paraíso chamado Pintadas

Estou numa Lan House de Pintadas, onde o sol arde feito pimenta malagueta e os termômetros beiram os 40 graus. Mas a noite refresca,a brisa sopra as orelhas do tempo e a cerveja gelada deixa no ar (e na garganta) a sensação térmica de um verdaeiro paraíso tropical. Ontem tivemos noite de gala por aqui, com o casamento de Salminha, minha afilhada. Tinha gente que não acabava mais, na igreja e no Cactus Club.
A cada passada que dou nas ruas, junto com meu irmão Daniel, encontro um um tio, um primo, uma prima. O curioso é que as pessoas, mesmo tendo me visto há 20 anos (última vez que estive por aqui) me identificam logo:"Olha alí, é Missia, a cara de Domingo de Necreto!!". Domingo era meu pai, que conhecia até as muriçócas da redondeza e Anacleto, meu avô paterno. Somado a isso, os parentes por parte de mãe. Não há um só cristão do Vale do Jacuípe que não conheça tia Kezinha e tio Daniel.
Tive uma conversa muito agradável com Valcir, primo de segundo grau, prefeito de Pintadas em segundo mandato. É pedra 90, político inteligente, de grande astúcia. Tem futuro, mas não sei como vai ser se cruzar na mesma disputa com Neusa Cadore, a ex-prefeita que já é deputada estadual desde 2006.Os dois são do PT e na hora H vão ter juízo suficiente para não se trombarem e prejudicarem Pintadas, que não pode mais ficar sem um representante na Assembléia Legislativa da Bahia. Mas quem sabe em 2014 as circunstâncias levem um para Salvador e outro para Brasília.

Bem, com a Graça de Deus e de meu padim Ciço, estarei de volta à lida quarta-feira, quando retorno a Maringá, pela Azul.

11 de fevereiro de 2011

Em Pintadas

Estou em Pintadas, minha cidade natal. Volto aqui depois de 20 anos da última visita. Tudo mudou. A cidade cresceu, experimenta um índice de crescimento como nunca visto por essa redondeza. O progresso vem junto com o asfalto, que liga Pintadas a Ipirá. Dos 38 faltam 8 quilômetros para o governo Jacques Wagner concluir a obra prometida em campanha.Amanhã estarei presente à cerimônia de casamento de Salma, que há 25 anos batizei na mesma igreja aonde fui batizado há mais de meio século.Trouxe comigo meu irmão Daniel, que saiu daqui com 3 anos de idade, hoje tem 53 e revê seu torrão pela primeira vez.Ontem, passamos o dia com tio Daniel, irmão mais novo de mãe, visitando as pequenas fazendas do Canto, inclusive a que era de meu pai Domingos e onde está enterrado meu umbigo. Como diria Roberto Carlos: "São muiiiiiitas emoções!!!".

5 de fevereiro de 2011

Por que? Ora, porque!

"Por que o prefeito, quando tem algum projeto de obra grande para a cidade, como este do corredor de onibus na Avenida Brasil, que com certeza vai afetar a vida de todo mundo, sem falar no rio de dinheiro que será gasto, gosta de ir primeiro na ACIM, ao invés da Câmara, que é a legítima e verdadeira representante da vontade do povo?".

. Do blog doLauro Barbosa

PS: Por que? Elementar ,meu caro Lauro: a ACIM, representante maior do BIP de Maringá, CODEM a tira-colo, é um poder paralelo de peso na cidade. Não é o que ocorre hoje com a Câmara de Vereadores, dominada por uma maioria singelamente chamada de Amém F.C.

4 de fevereiro de 2011

A revolução que inquieta Israel

Observa o especialista em Oriente Médio Jorge Bourdoukan que um milhão de pessoas nas ruas enfrentando as tropas do governo não é mais manifestação, é revolução. Por isso, Israel põe as barbas de molho e os Estados Unidos aumentam a porção de molho para que o belicoso estado sionista não seque a barba.Na verdade, Israel continua cobrando dos Estados Unidos que não permitam a queda de Mubarak, seu aliado incondicional.
O problema é que se o atual governo egipcio cair, o substituto, seja quem for, reforçará a corrente pró-criação do Estado Palestino. Que Alá diga amém!

Na tribuna do Senado ele é o bicho


Roberto Requião voltou hoje à tribuna do Senado depois de 8 anos. E reestreou com um discurso denso, recheado de críticas ao neoliberalismo, sem poupar o governo Lula no que ele tinha de mais parecido com FHC: a manutenção da espinha dorsal da política econômica entreguista, simbolizada pelo Banco Central, que acende uma vela pra Deus e outra pro diabo:"“Hoje, todo o edifício institucional em que se suporta a política econômica tem como base a autonomia do Banco Central,que age como um Estado dentro do Estado, subordinando e condicionando as ações do Governo e do setor produtivo aos mandos e desmandos do capital financeiro”.
Foi um discurso rico em contextualizações ,muito consistente no contraponto. O conhecimento que o ex-governador do Paraná tem de economia não é pequeno. Tudo isso recheado com o seu elevado nível cultural e político, mostra porque foi um ganho extraordinário para o país os paranaenses elegerem Requião para uma das duas cadeiras do Estado no Senado da República.
Como administrador, Roberto Requião é cheio de senões, senões que viram arma nas mãos dos seus adversários devido principalmente à sua falta de modéstia, truculência verbal (só verbal,felizmente)e cumpulsão pelo nepotismo.
Mas vamos e venhamos: no Parlamento, o homem é o bicho

2 de fevereiro de 2011

É pagar pra ver

Imagine só o que espera a administração Valdir Rossoni,novo presidente da Assembléia Legislativa do Paraná. O homem que promete moralisar a desmoralisada casa de leis começou sua gestão com muito tumulto e tendo que chamar a PM para garfantir a segurança da mesa diretiva. Rossoni nomeou para diretor financeiro da AL ninguém menos que Sergio Brun , um viciado jogador de poker. Segundo o Blog do Esmael, Bruz "perdeudeu num desafio 119 mil dólares jogando 2811 mesas". É este homem que vai controlar um orçamento anual de R$ 1,5 bilhão.

Marta disse:

"No Governo do PT em Sarandi não era diferente, pois o Senhor Feudal Cido Spada não tinha conversa com seus CCS e nem com servidor, contestou também estava fora... Isso você não publica não Messias, você sabe que é verdade, pois, já trabalhou no governo de Senhor Cido Spada. Sou servidora, fui perceguida, isso ninguem viu, faça tornar publico minha reclamação, pois se de fato esse senhor voltar a ser Prefeito novamente serei perseguida".

Meu comentário: Trabalhei uns meses sim lá na assessoria de imprensa do prefeito Cido Spada e nunca tive conhecimento disso. Mas se a servidora está falando, acrtedito que tenha lá suas razões.
Que fique bem claro: não compactuo com nenhum tipo de injustiça. Perseguição de servidores então, piorou. Ainda mais se a perseguição tiver cunho político-partidário, como parece ser o caso do Paulo Vidigal.

1 de fevereiro de 2011

Contestou, tá fora!

A "administração cidadã" não consegue conviver com o contraponto, não aceita contestação ou questionamento de nenhuma espécie por parte dos servidores. Quem ousou desafinar o coro dos contentes, foi para o olho da rua, como oocorreu com o agente de saúde Paulo Vidigal, servidor de carreira, mandado embora pelo prefeito Silvio Barros II. Vale a lembrança que Vidigal participou da greve de 2006 e tem denunciado frequentemente em seu blog, as péssimas condições de atendimento da saúde pública, setor em em trabalhava. O servidor entrou com recurso, para tentar reverter sua demissão, mas não teve êxito. Ele escreve:

“Ontem saiu a resposta da administração municipal que indeferiu meu recurso administrativo e negou minha reintegração. Começa agora uma nova fase dessa luta. A partir de agora vou dedicar meus esforços para ser reintegrado ao cargo que exerci por dez anos e foi retirado de mim injustamente. Afinal, fui aprovado em concurso público. Nos próximos dias estarei recorrendo à justiça e minha defesa jurídica está à cargo do advogado Avanilson Araújo, da CSP Conlutas. Mas não vou apenas esperar pela justiça. Vou me dedicar também em visitar os setores e denunciar as possíveis perseguições que servidores seriam submetidos nessa administração, suas condições de trabalho, etc. Vou conversar também com a população. Gente que sente na pele a longa fila por consultas especializadas, a fila de espera por cirurgias, a falta de vagas em creches etc. Tudo isso enquanto a administração gasta milhões em propaganda. Vamos a luta. Só estou começando…”

Que Lampedusa não nos leia


Sarney foi eleito presidente do Senado agora há pouco, pela quarta vez. Venceu Randolfe Rodrigues, do Psol por 70 a 11. Lendo a notícia me ocorreu as seguintes questões:
Qual será, no Congresso Nacional, o índice de leitura do livro "Honoráveis Bandidos", do Palmério Dória? E em quem teria votado o nosso indignado senador Requião?Meu Deus, nem a lógica de Lampedusa (muda para ficar tudo como está)vale para a nossa Câmara Alta? Que país é este, gente?

Entre a falácia e a piada

Vamos perceber logo alí adiante que a retomada do serviço de água e esgoto de Maringá pela prefeitura foi uma grande falácia, uma jogada de marketing de pouca eficácia e inteligência zero. Da mesma forma, a quebra do monopólio do transporte coletivo urbano. Esta, cá entre nós, entrará para a história da cidade como a piada da década.

Neto do Dr Adriano na chefia de gabinete

O prefeito Silvio Barros confirmou ao portal O Diário Online que seu novo chefe de gabinete será Rodrigo Valente. Rodrigo vem a ser neto do Dr. Adriano, adversário de Silvio Barros pai no passado. Dr. Adriano , falecido recentemente, foi um dos melhores prefeitos que Maringá teve e, sem dúvida nenhuma, uma referência de ética e honestidade na política local.Que o jovem Rodrigo desempenhe o seu papel tendo o avô como espelho, mas sem nunca esquecer a enxurrada de ações judiciais por improbidade, que povoa as varas cíveis da Comarca de Maringá contra a "administração cidadã".

Periodismo de mierda!


O El País, principal jornal espanhol deu essa manchete aí, sustentando que a presidente do Brasil rompeu relações com o Irã. Claro, o governo brasileiro desmente peremptoriamente.Conclusão subimpa do blog do Cloaca News: "Eis aí um periodismo de mierda".