Pular para o conteúdo principal

De carter a Obama, mas como Tio San poderia se livrar da fama?



"Em 1973, durante a guerra do Vietnam, os Estados Unidos despejaram sobre aquele país do sudeste asiático quase todo o seu arsenal de bombas de destruição em massa.

O cardápio da morte privilegiava armas químicas e bacteriológicas contemplando uma variedade que ia do napalm ao desfolhante agente laranja e urânio empobrecido. A idéia era não poupar nenhum ser humano e muito menos a natureza. O desequilíbrio ecológico alcançou a China que foi invadida por nuvens de insetos".

. Do blog do Bourdoukan

Reproduzo esse texto para que nunca esqueçamos que Tio San, que vive falando em paz no mundo, foi e continua sendo o grande incentivador da guerra. Levou algumas invertidas no Oriente Médio, ao criar monstros como o próprio Sadan Roussein, que depois lutou desesperadamente para destruir e por conta disso semeou o caos no Iraque; é o responsável direto pelo surgimento de Bin Laden, que os americanos fabricaram para fazerem dele um antídoto contra Sadan e, quem sabe, contra o regime dos aiatolás, no Irã. Deu no que deu.
Voltando mais lá atrás, que tal lembrar a tirania que os Estados Unidos alimentavam no Irã do Chá Reza Pahlevi, acabando por provocar a revolta dos aiatolás. Aqui na América do Sul, patrocinou golpes de estado e regimes militares sangrentos,como os da Argentina, do Chile e do Brasil, legando ao nosso país um monstro da comunicação em nós inoculado pelo grupo Time Life. E que tal lembrarmos do nefasto acordo MEC/USAID que trouxe para cá um modelo americano de educação?
Quando tem eleição de presidente nos Estados Unidos, ficamos com os democratas, sempre na lógica "dos males, o menor". Eu por exemplo, me tornei fã do Jymme Carter, porque o plantador de amendoim do Alabama desenvolveu ações no sentido de forçar a redemocratização do continente sulamericano. E até ensaiou costuras da paz no Oriente Médio, colocando na mesma mesa Anuar Sadah e Menahim Beguin. Sem contar que abriu frente de batalha (diplomática) para o fim da guerra fria, afagando a União Soviética, que os cucarachas americanistas tinham como o diabo vermelho.
Bem, quanto a Obama, espero poder guardar dele a mesma impressão que guardei de Carter. Está difícil, mas prefiro continuar acreditando. Ou seria me iludindo?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…