Pular para o conteúdo principal

O quintal do vizinho não é monturo. Pára, ô!!!

" O prefeito de Sarandi, Carlos de Paula, acabou de afirmar na Banda 1, a respeito do lixo que Paiçandu começa a enviar hoje para o lixão de sua cidade:

- Eu avisei o Vladão (prefeito de Paiçandu). O lixo não pode vir, não virá, não admito que venha.

Ele já mandou um fiscal pra entrada da empresa, que não pode receber mais que uma certa quantidade de lixo por dia".

. Do site do Rigon

Meu comentário: o prefeito de Sarandi está certo. Cuidar do lixo é responsabilidade de cada administração municipal. A cidade que pariu Mateus que o embale. Isso vale para todas, inclusive nossa Maringá, que produz 300 toneladas de lixo urbano por dia e queria enfiar tudo isso num aterro sanitário da cidade administrada por De Paula.
A destinação do lixo é um problema sério, que só vai ser solucionado no dia em que os prefeitos sentarem e tratarem do problema regionalmente. E claro, com responsabilidade e sem essa de achar o quintal do vizinho é monturo.

Comentários

Uai, fico aqui pensando: ¿e se meus vizinhos aqui do lado resolverem depositar o lixo diário deles no meu quintal, ainda terei de dizer-lhes que não aceito?

Tem graça mesmo; o cara limpa os fundilhos e vem dar o papel pr'eu cuidar?

Ara, tenha a santa paciência, sô!

Fosse eu o Carlos de Paula, fazia uso da rima de Paiçadu com o prefeito de lá...

Mamar no bode ele num qué, não?

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…