26 de julho de 2011

NÃO a essa campanha ridícula



A discussão estéril e sem sentido sobre o número de vereadores de Maringá continua
a todo vapor. Enquanto isso, as denúncias de improbidade administrativa contra a "administração ciadã" pipocam a cada dia, ao mesmo tempo em que a sociedade assiste pasma, a falta de uma atuação firme da Câmara Municipal, cujo plenário é controlado pela maioria, de conformidade com os parâmetros democráticos, mas uma maioria comprometida com o silêncio.
É contra isso que a sociedade organizada deve se rebelar. É contra isso que a Igreja Católica precisa se posicionar. Que importância tem o número de vereadores para a cidade? O que está em questão é a qualidade. Já disse e volto a reafirmar: mesmo que seja por questão de economia, melhor uma câmara de qualidade com 23 do que uma sem qualidade com 15. Sai bem mais caro um poder legislativo que não fiscaliza e não legisla para a sociedade do que um que cumpra fielmente suas atribuições constitucionais, independente de quantos membros possua.
Mas para quem não abre mão dos 23 (ou dos 15), vai aqui minha concordância dos que defendem os 23, por ser mais representativo de um município do porte de Maringá. Se vivemos um regime democrático e se devemos nos ater aos primados da democracia representativa, 23 é o número e ponto final.

Nenhum comentário: