30 de julho de 2011

Seria ele porta-voz do golpismo?


Um golpe estava em andamento no Senado, que começaria por travar a pauta e impedir a aprovação de projetos vitais para a administração Dilma Roussef. O passo seguinte seria o impeachment, segundo Paulo Henrique Amorim (Conversa Afiada).Mas Lula entrou em campo e desarmou a bomba, costurando a eleição de Sarney para presidente e evitando Marconde Pirilo, o homem que assumiria o comando do Senado, do Congresso e quiçá, do país.

Mas a fonte ininterrupta de instabilidade estaria ainda em franca atividade. Diz Amorim:

"São as “crises” que o PiG monta, todo dia, e o Álvaro Dias repercute no Senado como se descobrisse a pólvora sempre que o galo canta.Mas, incomoda menos que uma paralisação do Governo".

Nenhum comentário: