14 de novembro de 2011

A palavra está com...


Este absurdo aí estaria fixado no P.A Zona Norte e foi denunciado pelo servidor Paulo Vidigal. O próprio Paulo pe quem questiona:

"O não fornecimento de atestado a servidores não poderia ser entendido como um ato de discriminação? A determinação do cartaz não poderia ser entendida como uma interferência em um ato que é privativo do médico?"

Com a palavra a Sociedade Médica de Maringá e o Conselho Regional de Medicina. Com a palavra também, o Ministério Público, que tem uma promotora, a Dra. Elza,destacada só para trabalhar na área da saúde.

Nenhum comentário: