30 de março de 2012

Incineração de lixo: a sentença condenatória de quem sabe das coisas

O dedicado blogueiro Dinor Chagas entra pra valer na discussão sobre a usina de incineração de lixo , brindando seus leitores com a íntegra da conferência “Uma solução pobre para o século 21” do DR. Paul Connet (St. Lawrence University, de Cantão – NY). O texto é extenso, mas tomo a liberdade de pinçar dois parágrafos da conclusão, que resume bem a posição do ilustre professor de Química:


“Longe de ser uma tecnologia provada universalmente como defendem seus promotores, a incineração de lixo municipal com recuperação de energia foi uma vivência, que depois de 20 anos, deixou aos cidadãos dos países industrializados um legado de níveis inaceitavelmente altos de dioxinas e compostos a elas relacionados, nos alimentos, nos tecidos, em seus bebês e na vida silvestre”.


“A maioria dos químicos treme de medo quando vêem mais de três substâncias químicas em um tubo de teste. A tarefa esperada de um incinerador moderno é tanto queimar em uma máquina enorme todas as substâncias que a sociedade produz, como também aproveitar eficazmente a energia liberada para gerar calor e/ou eletricidade. Neste processo extremamente complicado, várias coisas acontecem.

Na minha visão, quando você constrói um incinerador em sua comunidade, você está anunciando para o mundo que você não foi bastante inteligente, politicamente ou tecnicamente, para recuperar seus recursos descartados, considerando que você é responsável pela comunidade local e pelas gerações futuras”.

Nenhum comentário: