24 de julho de 2012

Há fumaça, há fogo

Não se fala noutra coisa em Maringá senão na possibilidade de haver prisão cautelar de Ricardo Barros, cujo pedido, feito pelo Ministério Público, continua na mesa de um desembargador do TJ. O que não falta pelas bandas da Av. Prudente de Moraes é advogado de prontidão.

Nenhum comentário: