29 de setembro de 2012

E agora, José?

Alguns amigos do Pupin estão de cara com RB, a quem atribuem culpa pela situação que o candidato do PP está vivendo. Diz-me um experiente advogado, que tem grande apreço por Pupin: “ Não dá para acreditar que o Pupin tenha caído nessa, pois qualquer quartanista de Direito,lendo o texto da lei, saberia que ele seria inelegível. Não tem como e nem porque, assumiu seis meses antes da eleição de 2008 e seis meses antes da eleição de 2012, está inelegível porque caracteriza de fato a tentativa do terceiro mandato. Buscar jurisprudência no caso Alkmin é ingenuidade, pois são casos completamente diferentes”.


Pupin continua candidato, se elegendo assume, mas não completa metade do mandato. Dificilmente o TSE reformará a sentença do TRE ou contrariará o parecer da subprocuradora da república. Isso parece ponto pacífico para a maioria dos advogados com quem tenho conversado sobre o assunto.

A conclusão é uma só: o vice prefeito caiu numa armadilha. Ele sabe que caiu e anda extremamente irritado. O relacionamento, pelo que se sabe,não anda bom . Com razão, dona Luiza anda inconformada com o que fizeram para o seu marido. "O Pupin é um homem bom, porém foi ingênuo ao cair nessa", diz-me um amigo da família, tão irritado com a situação quanto familiares do agropecuarista. Uma coisa é certa, hanhando a prefeitura e escapando do impugnação, o que parece difícil, Pupin segue carreira solo, consoidando-se como uma nova liderança política de Maringá, mas desde que rompa definitivamente com os irmãos Barros.

Investidas oportunistas

O HNews, mais conhecido pelo nome de Hoje Notícias, ex-Hoje Maringá, trouxe em manchete esta semana que o TC havia rejeitado as contas do PT de 2004. Lembro a propósito que o ex-prefeito João Ivo, que não está mais no partido, teve que se virar nos 30 para provar que investiu sim 25% na educação e o que houve na verdade, foi um erro de interpretação, fruto de alguma falha técnica no encaminhamento dos relatórios e balancetes para a apreciação do Tribunal de Contas do Estado. Em 2008, o então deputado Ricardo Barros vivia lá no TC, especificamente no gabinete do então presidente do órgão, Hermas Brandão, pressi0nando para a rejeição das contas. Agora a pressão voltou e a bancada majoritária na Câmara Municipal já fala em rejeição das contas em plenário. Estranho que isso esteja acontecendo de novo e, por coincidência, às vésperas da eleição. Que fique bem claro, não estou defendendo o PT, jamais faria isso pela simples razão que eles podem se defender sozinhos e nada tenho com o Partido dos Trabalhadores, a não ser amizade antiga com alguns de seus membros, inclusive Jairo Carvalho, um dos fundadores.Estou tecendo esse comentário porque achei a manchete muito esquisita, fruto de um oportunismo totalmente descabido. Ao bater no PT, atingem o ex-prefeito João Ivo Caleffi, que é um cidadão acima de qualquer suspeita. Se tenho que tomar as dores de alguém, tomo as do João, cujo caráter e espírito público é inquestionável. E tenho dito.

27 de setembro de 2012

Matemática da polarização

Um advogado amigo, especialista em legisação eleitoral me disse hoje que se der Enio e Pupin no segundo turno e Pupin tiver sua candidatura definitivamente cassada, não haverá segundo turno caso a soma dos demais candidatos não alcance a votação de Verri, que será declarado eleito.

25 de setembro de 2012

Silêncio estranho

O candidato  Ênio Verri  não respondeu às provocações do prefeito Silvio Barros, parece que vai levar a coisa no paz e amor, pelo menos na televisão. Isso é bom ou ruim? Vá saber, mas o fato é que o silêncio com relação a acusação do PT ter deixado a prefeitura quebrada ficou estranho.

DEM tenta impugnar Ibope em Maringá

A candidata Maria Iracésia (DEM) está questionando na justiça a metodologia da pesquisa do Ibope que a RPC TV espera divulgar amanhã a notie. No cartão de simulação do segundo turno só constaria três candidatos , o que sem dúvida, prejudica os demais. Há também outros detalhes que contamina a pesquisa, como por exemplo: a concentração de pesquisados em uma região da cidade, mais especificamente a Zona Norte.

23 de setembro de 2012

Festa pelo blog estar fora do ar

"Em meio à tensão que ronda a coligação “A mudança continua” – motivos não faltam -, este modesto blog proporcionou um momento de alegria a secretários, presidentes de partidos, assessores, beneficiados com cargos comissionados e alguns candidatos na tarde da última sexta-feira. O procurador-geral do município, Luiz Carlos Manzato, anunciou aos presentes à reunião que o juiz Jaime Souza Pinto Sampaio, da 137ª Zona Eleitoral, havia acatado o pedido daquela coligação e determinado a suspensão do Blog do Rigon por 24 horas.
Pense numa festa. Todos gritaram, aplaudiram, urraram. Parecia gol do Brasil na Copa do Mundo. O blog se sente imensamente feliz por ter ajudado a dar essa felicidade àquela organização (política), que vive momentos tão difíceis".

O blog do Rigon Voltou. Será que a festa acabou?

20 de setembro de 2012

"Carinhoso" com os adversários


Quando a SER pensa que é, mas não é



A Câmara aprovou a toque de caixa  o projeto da tal Cidade Industrial de Maringá, cujo processo de desapropriações é alvo do Ministério Público. Observa o Aquino (Blog do Rigon) que “nunca na história desta cidade houve tanta pressa na implementação de uma obra como no caso do Parque Industrial Barros. Quinta-feira passada o projeto foi apresentado em regime de urgência e aprovado em primeira discussão. Nesta terça foi aprovado definitivamente, apesar dos argumentos dos vereadores Humberto Henrique e Marly, que entendem que o mesmo é ilegal”.
Uma pergunta se faz necessário: aonde estão a SER e o Observatório Social? Estiveram na linha de frente quando os temas eram “aumento do número de vereadores” e “aumento dos salários” dos nobres edis.
Diante do que parece estar ocorrendo com o processo de implantação dessa parque industrial, salário e número de cadeiras no Poder Legislativo são temas irrelevantes.
Eu sempre me posicionei contra o carnaval que se faz sempre que há aumento de salários na Câmara. Pela simples razão que o maior problema da atuação dos vereadores não é nem fixar os próprios salários, mas negligenciarem a fiscalização do Poder Executivo e aprovar projetos danosos para o conjunto da sociedade.

18 de setembro de 2012

Onde há fumaça haverá fogo?

"Pupin, candidato do condomínio, está pendurado no TSE porque prevaleceu a tese de que ele disputa o terceiro mandato, já que assumiu como prefeito no período de seis meses que antecede as eleições de 2008 e 2012.
Dito isto, o condomínio Barros vem prestando atenção nas dificuldades de Pupin nos tribunais e inicia um movimento que enxerga com “bons olhos” a candidatura do petista Enio Verri, que lidera as pesquisas de opinião.
Alquimistas dos dois lados – dos Barros e do PT – conjecturam sobre a possibilidade de, em caso da candidatura de Pupin for barrada pelo TSE, não substituir o contendor. Isto, acreditam, daria a vitória a Verri já no primeiro turno".

. Blog do Esmael Moraes

Suinocultura na lógica da piscicultura



O candidato peemedebista à prefeitura de Londrina, Luiz Eduardo Cheida,  anda baixando a borduna  no Marcelo Beinatti, filho do Antônio. Para quem não se lembra, o Antônio é uma espécie de Maluf paroquial, que inclusive já foi cassado depois de ser eleito prefeito . Ao bater no Marcelo , a partir da  lógica da piscicultura (filho de peixe, peixe é...) Cheida não esquece Ricardo Barros: “O vice do Marcelo, o Junker Grassioto(PSDB), dizia que não admitia estar junto com o Belinati, e hoje estão juntos. Isso sem contar com aquele “leitão vesgo” que fica com um olho em Londrina e outro em Maringá”.

16 de setembro de 2012

Altos índices de rejeição podem nocautear o candidato



Dores de cabeça em futuro próximo

O projeto da "Cidade Industrial de Maringá" aprovado esta semana por 8 vereadores do Amém F.C já é assunto do Ministério Púbico e pode, no futuro, das muita dor de cabeça aos vereadores que assinaram embaixo da proposta, estranhamente apresentada no fervor da campanha eleitoral.
Li ainda há pouco no blog do Rigon, um comentário, absolutamente procedente, do Akino Maringá que, concuiu: " O projeto é ilegal e vai parar no Mistério Público. Só para lembrar este parque industrial ja é alvo de investigação do MP, envolve conversas pouco republicanas entre Ricardo Barros e Leopoldo Fiewski".

11 de setembro de 2012

No ar, o "rádio pião"

O "rádio pião" é uma prática comum em eleições, principalmente municipais. Grupos políticos que sustentam candidaturas de ponta contratam pessoas, tão sem escrúpulos quanto seus contratantes, para sair pela cidade falando mal dos adversários. Falam em bares, nos ônibus, em locais de grande aglomeração. Infeliz e desgraçadamente, faz parte da cultura poítica do país. O que é de se estranhar é que mesmo nos dias atuais, quando a informação nunca esteve tão democratizada, graças principalmente às redes sociais, esse tipo de coisa ainda acontece por aqui. E em Maringá está acontecendo de montão.

6 de setembro de 2012

Se fui pobre não me lembro...

Gustavo Fruet conseguiu estancar a queda em Curitiba. A avaliação é de que o efeito PTfobia na capital já passou. Agora, vai partir para o ataque, com  arrastão nos bairros da capital. Segundo o blogueiro Cícero Catani, há petistas eufóricos com o novo quadro, e lembrando: "Pra nós, dinheiro não falta".
Bem, lá não tá faltando e cá, pelo jeito, está sobrando. Foi-se o tempo em que o PT era o primo pobre das campanhas eleitorais.

3 de setembro de 2012

Câmara vai pedir explicação

O Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Cláudio Tadeu Batistela, vai hoje à tarde na Câmara Municipal de Maringá prestar esclarecimentos sobre o Parque Indústrial da Gleba Pinguim. O processo de desapropriação dos lotes rurais está dando o que falar e até virou objeto de investigação do Ministério Público.
Resta saber como será o nível de questionamento dos vereadores que aprovaram por maioria absoluta a convocação. Em ano eleitoral, melhor é não desdenhar do povo e agir com firmeza. Isso explica o placar pela convocação.






O documento pedindo a presença do secretário é assinado por 12 vereadores. As principais dúvidas são quanto ao processo de desapropriação e venda dos terrenos. Segundo o vereador Humberto Henrique, que é membro do Conselho Municipal de Planejamento e Gestão Territorial, também existem falhas na legislação que cria o parque.