20 de setembro de 2012

Quando a SER pensa que é, mas não é



A Câmara aprovou a toque de caixa  o projeto da tal Cidade Industrial de Maringá, cujo processo de desapropriações é alvo do Ministério Público. Observa o Aquino (Blog do Rigon) que “nunca na história desta cidade houve tanta pressa na implementação de uma obra como no caso do Parque Industrial Barros. Quinta-feira passada o projeto foi apresentado em regime de urgência e aprovado em primeira discussão. Nesta terça foi aprovado definitivamente, apesar dos argumentos dos vereadores Humberto Henrique e Marly, que entendem que o mesmo é ilegal”.
Uma pergunta se faz necessário: aonde estão a SER e o Observatório Social? Estiveram na linha de frente quando os temas eram “aumento do número de vereadores” e “aumento dos salários” dos nobres edis.
Diante do que parece estar ocorrendo com o processo de implantação dessa parque industrial, salário e número de cadeiras no Poder Legislativo são temas irrelevantes.
Eu sempre me posicionei contra o carnaval que se faz sempre que há aumento de salários na Câmara. Pela simples razão que o maior problema da atuação dos vereadores não é nem fixar os próprios salários, mas negligenciarem a fiscalização do Poder Executivo e aprovar projetos danosos para o conjunto da sociedade.

Um comentário:

jeferson disse...

Concordo plenamente, mas também destaco o oportunismo político do movimento "super salários não!" Onde andam esses "indignados"? Maringá está eivada de oportunistas que só existem porque ainda têm quem lhes dê atenção.