30 de outubro de 2012

O PT se deixou levar pela síndrome da certidão

Já houve esse debate em Maringá, mas de forma tímida, nada aprofundada. Nessas últimas eleições municipais, também não se aprofundou a discussão sobre o tema mas parece ter havido um arrefecimento da rejeição ao PT, apesar da diferença pequena (apenas 6%) entre Ênio e Pupin.
Passado o pleito, cujo resultado só será sacramentado a partir da decisão colegiada do TSE no caso da impugnação da candidatura Pupin, inicia-se um processo de análises e pequenas reflexões em cima do termo preconceito. Não me lembro ter ouvido ou lido críticas à administração petista (2001/2004) no nível do juízo preconcebido, até porque depois dos avanços sociais inegáveis conquistados no governo Lula e preservados agora por Dilma, rememorar os tempos da guerra seria despautério.
O que ocorreu em Maringá nessa campanha foi o acirramento da disputa entre dois grupos hegemônicos. A polarização previsível do primeiro turno criou um clima meio que plebiscitário no processo eleitoral, esvaziando as demais candidaturas e ao mesmo tempo, disseminando a cultura do medo, como já ocorrera no passado em todo o país.
Em Maringá esta cultura se rompeu em 2000, fruto do enfraquecimento do grupo de Ricardo Barros e da barreira que a corrupção criara para Jairo Gianoto absorver os frutos do reacionarismo torpe. Some-se a isso, o fato de que o candidato petista José Claudio Pereira Neto, que já mostrara seu poder de persuasão em 1996, soube entrar nas brechas deixadas por aquelas circunstâncias para fazer um gol de placa.
Em 2004, a disputa interna entre Ênio e João Ivo , o vice que assumira com a morte de Zé Cláudio, foi determinante para que o PT desse sopa ao azar, permitindo a volta do status quo ante . Não quero entrar nos detalhes dessa briga, que facilitou a eleição de Silvio Barros II, posto que na época escrevi sobre o tema e fui mal compreendido pelo grupo majoritário do petismo, que ainda não encontrou as sandálias da humildade.
A alimentação do preconceito se deu de maneira sob-reptícia, por meio de uma guerra ridícula do azul contra o vermelho. Tão ridícula que o próprio PT local já vinha se auto-descriminando com a estratégia de omissão da sigla partidária do seu material de campanha e até da própria cor vermelha, que deu lugar ao branco em suas bandeiras. Mesmo assim, o adversário insistiu no confronto azul x vermelho, colocando o azul como exemplo da eficiência fiscal e o vermelho, ao contrário, como exemplo claro da incompetência na gestão pública. Ou seja, o superávit deu de cinta no déficit, num jogo de palavras e gráficos de fazer inveja ao grande ilusionista.
Preconceito? Não dá para imaginar que a população de Maringá o tenha. Mas é fácil perceber que 53% dos maringaenses se viram tomados pelo medo do vermelho voltar à prefeitura e deixar Maringá novamente com a síndrome da certidão.

Em tempo: a Câmara Municipal começa a discutir e votar hoje as contas da administração petista relativas a 2004, com indicação de reprovação pelo Tribunal de Contas do Paraná. O TC diz que o prefeito João Ivo não investiu na educação os 25% exigidos pela Constituição. De fato, ficou em 22%, mas já escrevi aqui que o problema foi de ordem apenas técnico-contábil.Teria alcançado os outros 3%, caso o prefeito que assumiu em 2005 tivesse pago os empenhos relativos aos investimentos feitos em escolas no prazo de 4 meses, conforme determinava a Lei de Responsabilidade Fiscal. Ele pagou no quinto mês, jogando o crédito para a gestão fiscal do seu primeiro ano de governo.
Estranho que o PT não conseguiu esclarecer este fato para a população durante a disputa eleitoral. Agora, a Inez pode estar morta, porque o Amém F.C. certamente fará todo o esforço possível para rejeitar as contas. E aí, o prefeito eleito terá mais um argumento para dizer à população: “Tá vendo porque o maringaense acertou em cheio em ficar no azul?”.

29 de outubro de 2012

Os "postes"

O prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad se encontrou com a presidente Dilma. Quando Lula anunciou que sua candidata a presidente seria a então chefe da Casa Civil. os adversparios e alguns setores da mídia, referiram-se a ela como um poste. A mesma coisa aconteceu quando Lula lançou Haddad a prefeito da capital paulista. O que queriam dizer com isso era que Lula estava lançando candidatos inexpressivos, sem votos. Seria o mesmo que lançar um poste;
Dia desses, participando de um comício na região do ABC, Lula tirou uma casquinha nos adversários:"Quando lancei a Dilma, disseram que eu estava lançando um poste; quando lancei o Haddad, disseram qu eu estava lançando mais um poste. E assim, de poste em poste eu acabo iluminando o Brasil".

O que fazer quando a morte fica caduca?

28 de outubro de 2012

No dia em que a viola se deixou levar por dois mestres das cordas


Paz política, a gente vê por aqui

Gente, agora são 02:50h da madrugada de domingo, dia 28 de outrubro. Tive que sair correndo da minha casa e vir na casa do pastor da minha igreja prestar um auxílio.
O pastor estava chegando nas imediações de sua casa (em um veículo com adesivo do Ênio), com a esposa, filha, sogra e sobrinho, quando foi abordado por dois carros, uma camioneta S10 e um prisma. Dos carros saíram alguns homes armados
com cacetetes e pedaços de pau, ameaçando das pessoas e exigindo que todo o material de campanha do Ênio fosse retirado.
A sogra do pastor começou a passar mal.
Quando os homens viram que não tinham material de campanha, mandaram tirar o adesivo do Ênio e, vendo a senhora passar mal, entraram no carro e saíram correndo.
Por sorte, o pastor conseguiu gravar a placa de um dos carros, a S10, CVA 4855 - Sarandi - PR.
A polícia foi imediatamente acionada e agora vamos exigir Justiça.
Que tipo de democracia é essa?
E depois, lançam todo tipo de mentiras e calúnias contra a campanha do Ênio, chamando o pessoal de baderneiros.
Desperta Maringá".
 
. A hipocrisia da paz política em semana de eleição na nossa cidade é um filme que já estamos cansados de assistir. 

27 de outubro de 2012

A vida como ela é


Remake tão bom quanto a novela original

O remake de Gabriela, que terminou ontem, foi tão bom quanto a versão original, novela global que marcou a estréia da TV a cores no Brasil. A história de Jorge Amado é deliciosa, a exemplo de tantos livros seus transportados para a teledramaturgia, como foi o caso de Tieta do Agreste e Terra dos Confins.Quanto aos atores daquela primeira versão e da atual, poucas disparidades, mas pouquíssimas mesmo. Lembro de alguns, que servem de referência para a breve comparação que farei a seguir:
Ramiro Bastos: o de Fagundes foi tão magistral quanto o de Paulo Gracindo:
Nassib: Humberto Martins foi perfeito, não ficando nada a dever ao extraordinário Armando Bógus;
Dr.Mundinho: o de Matheus Solano ficou pouco a dever ao de José Wilker, que aliás foi um show à parte na pele do coronel Jesuíno;
Tonico Bastos: o desempenho de Marcelo Serrado não pode ser comparado ao de Fulvio Stefanini;
Maria Machadão: Ivete Sangalo surpreendeu, principalmente por não ser atriz, mas ficou um pouco longe de
Eloísa Mafalda;
Coronel Melke:o de Chico Dias foi tão bom quanto o de Gilberto Martinho;
Por fim, Gabriela: em matéria de beleza e talento, Juliana Paz e Sonia Braga se equivalem.
A lição que Jorge Amado deixou com a morte do coronel Ramiro Bastos é que nada é mais verdadeiro do que a máxima do rei morto, rei posto. E que os adversários encarniçados da liderança que surge, rende-se a ela e passa a beijar-lhe a mão, quando o todo poderoso que veneravam é derrotado pela morte biológica.
Qualquer semelhança com a política tradicional da nossa Maringá de 2012 não terá sido mera coincidência.


26 de outubro de 2012

Os brigões estão próximos de celebrar a paz


Eles terminaram 8 anos de governo brigados. Requião saiu no início de 2010 para disputar o Senado e Pessuti assumiu o cargo, mas decidiu ser ele próprio, inclusive demitindo alguns aliados do ex-titular. os dois ÃO , RequiÃO e PessutÃO não são , definitivamente, cervejÃO. Mas fizeram muita espuma em torno de uma briga que ameaça terminar em  abraços. Requião e Pessutão já se conversam e podem fazer dobradinha em 2014, o primeiro para o governo (tentaria seu quarto mandato) e o segundo, para o Senado. Tudo em nome de uma nova campanha pelo fortalecimento do esmerilhado PMDB.

Pra não dizer que não falei de mensalão

24 de outubro de 2012

A verdade dos fatos

Há no horário eleitoral um intenso debate sobre o preço das passagens dos ônibus urbanos de Maringá. Ênio sustenta que o maringaense paga a passagem mais cara do Estado e uma das mais caras do país. Pupin acusa o PT de ter , em quatro anos, elevado o preço em 65% e ao mesmo tempo em que diz ter a atual gestão reajustando menos. Quanto aos 65% de aumento dados pelo PT, informa o atento Akino Maringá , o percentual é verdadeiro. Mas os reajustes concedidos por Silvio e Pupin a partir de então, chegam a 78.9%, isso sem considerar o vai-e-vem de 2005, quando Silvio baixou a passagem para R$ 1,35, a fim de cumprir promessa de campanha, mas em seguida iniciou sua política de reajustes, atingindo  os  atuais R$ 2,95 pra quem paga no dinheiro. Se a base para cálculo dos reajustes do período Silvio/ Pupin for o valor de R$ 1,35 do início da primeira gestão deles chegaremos a um percentual de 118,52% de aumento.


Aproveito este mote do Akino Maringá para revelar um fato até hoje não noticiado. No final da gestão do PT, durante o período de transição, Silvio insistiu algumas vezes para que o então prefeito João Ivo Caleff concedesse o aumento que a TCCC estava solicitando. Ante a resistência do João,Silvio botou pressão, insistindo que as tarifas estavam defasadas e que ele não poderia atualizá-las quando assumisse, já que prometera na campanha baixar a passagem. Lembro como se fosse hoje que João Ivo respondeu ao prefeito eleito numa conversa reservada no gabinete: “Mas espera aí Silvio, como é que você quer que eu aumente a passagem para você baixar em seguida? Ao assumir faça você a correção que acha que deve ser feita nas tarifa”.

A partir dalí, um diretor da empresa vivia subindo as escada do Paço Municipal que dava acesso ao gabinete do prefeito. Foi várias vezes pedir para o prefeito aumentar a passagem. Não foi atendido, porque João Ivo entendia que Silvio queria usar a mão dele, João Ivo, para dar um tapa na cara do povo. E ao assumir,reduziria o  preço, ficando como mocinho e batendo na testa de Caleff o carimbo de vilão.

Isso é fato. Não tenho autorização do João Ivo para contar essa história, mas sei que ele, decente e digno como sempre foi, não desmentiria.

22 de outubro de 2012

De que estaria fugindo Pupin?

Pupin vai ao debate da RIC hoje. O debate deve começar às 23:15, tarde demais. Talvez a certeza da baixa audiência o tenha encorajado a participar. Mas  Ênio deve mostrar seus pontos altos no programa eleitoral de amanhã, o que é um risco para Pupin, que não se sabe porque cargas d´água já teria desistido dos três seguintes  (o de amanhã na Band, o de quarta na Band e o de sexta na Globo).

20 de outubro de 2012

Gleisi vem e não soma, Lula assusta os azuis

O comando da coligação “A Mudança Continua” trabalha com pesquisas qualitativas. E é com base nos resultados dessas pesquisas que direciona suas ações. Na mais recente sondagem o Data Vox teria aferido a importância das vindas a Maringá da ministra Gleisi Hoffmann. Conclusão: o povo vê nela uma mulher simpática e poderosa , mas sua presença aqui agrega quase nada de votos para o candidato Ênio Verri. Por determinação do comandante RB, o Data Vox teria direcionado uma pesquisa recente para o peso da presença do ex-presidente Lula em Maringá. O resultado deixou os azuis preocupados e torcendo para que Lula nem dê as caras por aqui.

Ricardo tá em todo canto

Meu compadre Moracy Jacques, da Jacques Vídeo, está comandando a produção telvisiva da campanha do Marcelo Belinatti, em Londrina. Mora trabalha com o Ricardo Barros há anos e sua produtora está lá e aqui.  O capo RB comanda tudo nas campanhs do Pupin e do Belinatti. Segundo denúncia feita pelo candidato Cheida no primeiro turno, Ricardo Barros é que garantia toda a estrutura da campanha do PP em Londrina. Haja disposição, força e grana.E pelo jeito ele tem de sobra as três coisas.
Pelo que fiquei sabendo ele comandou e comanda campanhas em vários outros municípios do Paraná, inclusive Cascavel, onde dá uma mão para o Edgar Bueno.

19 de outubro de 2012

PT se anima com a vinda do "Mick Jagger"

O pessoal do PT gostou da vinda do governador Beto Richa a Maringá para apoiar Pupin. Por uma razão simpes: Richa perdeu em quase todas as cidades por onde  passou nesta eleição. Pode levar invertida ainda em Londrina , Ponta Grossa, Cascavel e, quem sabe, Maringá. Não por acaso ele está sendo chamado de
Mick Jagger da política paranaense.
O stone, como todos sabem, já é tido como um dos maiores pés frios do planeta.

16 de outubro de 2012

Tá, não tá. Eu acho que tá...sub judice

Recebi duas ligações em casa hoje. Uma pela manhã, com uma gravação falando em ritmo acelerado que a candidatura do Pupin a prefeito de Maringá ainda está sub judice e o processo será julgado pelo TSE. Portanto, o candidato do 11 ainda pode ser cassado.
No final da tarde recebi outra ligação. Dessa vez era a voz do prefeito Silvio Barros dizeno que a candidatura  está liberada, é assunto liquidado e a campanha do Pupin está a todo vapor. E num rasgo de modéstia como nunca vi, disse:"Eu garanto..."
Diante dos dois telefonemas com mensagens gravadas, fico com o fato concreto: a candidatura Pupin está sub judice e será decidida pelo plenário do TSE, ou seja em julgamento colegiado dos ministros.

15 de outubro de 2012

Parabéns, professor

Pincei do blog do Esmael Morais

Obs: acrescente-se aí as palavras presidente e prefeito. No caso específico de Maringá, a julgar pelo discurso de campanha, os professores da rede municipal de ensino estão no paraíso, com condições ótimas de trabalho e salários realmente dignos. Conheço algumas professoras municipais que não estão nada satisfeitas com a situação. Sem contar que democracia nas escolas daqui não passa de figura de retórica.

14 de outubro de 2012

Por que Pupin está inelegível?

"Porque a Lei 64/90 o impede. Leiam pausadamente: “Art. 1º São inelegíveis: -I – para qualquer cargo: (…) § 2° O Vice-Presidente, o Vice-Governador e o Vice-Prefeito poderão candidatar-se a outros cargos, preservando os seus mandatos respectivos, desde que, nos últimos 6 (seis) meses anteriores ao pleito, não tenham sucedido ou substituído o titular.”

. Por Akino Maringá

Meu comentário: estou cada vez mais convencido de que ao fazer aquela barulheira toda com a decisão monocrática de um ministro do TSE, sem informar o eleitor  que a candidatura continuava sub judice, a coligação "A Mudança Continua" aplicou na população o "Golpe da legalidade". O impacto da notícia "positiva" provocou aquela avalanche de votos a favor do 11. Tivesse a decisão saído na terça-feira, o resultado do primeiro turno teria sido outro, porque na quarta ainda tinha horarío eleitoral gratuido de prefeito na TV e no Rádio. Pupin potencializou a decisão favorável do Ministro Marco Aurélio Mello, que contrariou o TRE do Paraná e a Procuradoria Gera Eleitoral e. munido das manchetes favoráveis dos jornais locais, um verdadeiro exército de cabos eleitorais foi para as ruas distribuir gratuitamente, milhares de exemplares, principalmento do O Diário.

13 de outubro de 2012

Livre pensar

O chupim é uma ave da família Molothrus  Bonariensis. É conhecido também pelo nome de vira-bosta. Ele também tem o hábito de vandalizar  o ninho de outras aves para depositar seus ovos. O faz sorrateiramente.

12 de outubro de 2012

Muita calma nessa hora!

Muita gente intrigada com a falta de movimentação no site do TSE no que diz respeito ao recurso da PGE no caso Pupin. De olho no prazo recursal, informa Akino Maringá:. “A última movimentação é a publicação da decisão monocrática no dia 9, o que indica que o prazo final para recurso – Agravo Regimental – é hoje, salvo engano. Será que MP Eleitoral e as demais partes do processo desistiram do recurso?”.


O pessoal ligado ao Pupin e o própriprio, devem estar rogando aos céus para que recurso não haja. Mas que todos, de um lado e de outro se acautelem: o site do TSE está desatualizado, devido naturalmente ao feriado dessa sexta. O recurso pode já ter sido protocolado, mas ainda não consta da página do Tribuna Superior Eeitoral. Segunda-feira, com certeza, Maringá inteira estará a procura dessas informações.

O 11 chama novamente o 13 para a briga

"A campanha da coligação A Mudança Continua vai mostrar que a Justiça está acima da força do PT, que apesar da forte articulação política não tem conseguido inocentar seus principais dirigentes que sucessivamente vem sendo condenados no caso do mensalão. Os presidentes do PT nacional, José Dirceu e José Genoíno, foram condenados por corrupção pelo STF no processo do mensalão. Enio Verri é presidente do PT no Paraná.

“Vamos mostrar que somos mais competentes e preparados para administrar Maringá. Nossa candidatura está garantida, sou ficha limpa. Meu compromisso é manter Maringá no azul”, finaliza Pupin".    . Esse texto está no site da coligação "A Mudança Continua" e sinaliza para o PT qua será o tom que o capo Ricardo Barros definiu para a disputa do segundo turno.  Resta saber se o candidato Ênio Verri, que dispõe de informações para colocar nariz de Pinócho no adversário, vai pro enfrentamento ou ficará apenas na fiuza do TSE cassar a candidatura sub judice do 11.

11 de outubro de 2012

Sobre a situação financeira que Silvio herdou

"Todas as pendências financeiras que não tivemos condições de resolver neste final de governo, devido à queda de arrecadação, estarão expostas no balancete final. Portanto, o Silvio não terá nenhuma surpresa desagradável como as que tivemos.


José Cláudio e eu, junto com a nossa equipe econômica, passamos por muitos sobressaltos. Surgiram dívidas que jamais imaginávamos existir. Mas não atribuímos as dificuldades aos restos a pagar herdados. O problema maior foi o saque que fizeram nos cofres públicos. Quando assumimos, não havia dinheiro pra nada e Maringá estava no Seproc, sem crédito sequer para firmar convênios com o Estado e a União.

A situação hoje é bem diferente. Fizemos muitas obras (cerca de 300), plantamos a semente do desenvolvimento sustentável e construímos as bases para o ordenamento da Maringá do futuro. Isto é fato, não há como negar. As dívidas, elas são fruto de investimentos que fizemos pesadamente nas áreas prioritárias, como a saúde e a educação.
Estamos deixando para o Silvio continuar tocando, obras grandiosas como o Novo Centro, pelo qual o município já recebeu a primeira parcela no valor de R$ 2 milhões , de um total de R$ 36 milhões que virão para o rebaixamento da linha férrea a fundo perdido, graças a um convênio que assinei com o Denit em dezembro de 2003.

Está para ser concluído também o asfalto em seis bairros, que fica como restos a pagar, mas com o dinheiro do Paraná Cidade disponível.

Insisto, portanto, que a situação financeira da Prefeitura de Maringá é muito boa se comparada com a maioria dos municípios brasileiros; é ótima, caso a comparação seja feita com o governo anterior.

Sei que a nova administração poderá fazer o discurso do caos, mas qualquer que sejam os números divulgados antes do fechamento do balanço final do Governo Popular, previsto para até março, serão números imprecisos e explorados no campo da especulação.

Há finalmente outro dado que não deve ser desprezado por quem está iniciando um mandato: o dos créditos a receber.

Os créditos tributários da Prefeitura de Maringá hoje passam dos R$ 100 milhões. Claro que há nesse meio, muitos créditos podres, mas seguramente 50% são créditos quentes, que o novo prefeito tem todas as condições de receber, já no primeiro ano de mandato".

. Trecho de um artigo escrito pelo ainda prefeito João Ivo Caleffi e publicado no jornal O Diário no dia 30 de dezembro de 2004, um dia antes de Silvio Barros II assumir.
Este artigo foi postado hoje pelo Rigon em seu blog, o mais acessado de Maringá.

10 de outubro de 2012

Com o PT na cabeça

Serra vai enfrentar novamente o PT num segundo turno, dessa vez para a Prefeitura de São Paulo. Em 2010 simulou ter recebido um petardo na cabeça, disparado por cabos eleitorais de Dilma . Agora, seu adversário é Fernando Haddad, que já estaria preparando uma bola de sabão gigante para arremessar na careca co tucano.

9 de outubro de 2012

Advogado acha difícil a situação de Pupin

"Não acredito que no plenário do TSE o colegiado de ministros vote contra o parecer do Ministério Público Eleitoral, e nem que haja qualquer consideradão ao número de votos recebidos por Pupin ou pela decisão monocrática do min. Marco Aurélio. Eles irão dividir o fardo da responsabilidade na decisão, aliás, como sempre o fazem os colegiados por absoluta obrigação constitucional.Ênio pode dormir tranquilamente e até já encomendar o bolo (ou escolher o boi) que a festa será de arromba… por lei!".

. Do blogueiro e experiente advogado A Baestra

Entendam o caso: Carlos Pupin teve sua candidatura impugnada pelo TRE depois de tê-la liberada por um juiz de primeira instância. O TRE reconheceu como válida a ação do Ministério Público, que entende ser Pupin inelegível por ter assumido como prefeito seis meses antes das eleições de 2008 e seis meses antes das eleições de 2012. A coligação "A Mudança Continua" recorreu ao TSE e, em decisão monocrática o ministro Marco Auréio Mello acatou o recurso. Mas a Procuradoria Geral Eleitora que tinha dado parecer pela cassação da candidatura recorreu e agora o processo vai para o jugamento colegiado do próprio Tribunal Superior Eleitoral.

6 de outubro de 2012

A boca torta pelo uso excessivo do cachimbo

É da nossa cultura política votar nos mais fortes, concentrar votos nos candidatos que polarizam ou quando muito, num terceiro que se equivale em estrutura de campanha. Quando num pleito majoritário surge algo diferente dessa lógica, o vencedor ganha status de fenômeno eleitoral, como ocorreu com Ricardo Barros em 1988 e com José Cláudio em 2000. Cada caso é um caso e nenhum guarda semelhança com o outro. No primeiro, Barros emergiu da penumbra, beneficiado pela briga feroz entre João Preiss e Ademar Schiavone e, reconheça-se, pela maneira fácil como dominava a câmera e pela fluência verbal que seduziu o eleitorado tal qual um encantador de serpente.


A eleição de Zé Cáudio foi viabilizada em circunstâncias diferentes e por três fatores básicos: o desempenho pessoal, a força da militância e o desgaste dos políticos tradicionais, mercê do esquema de corrupção Jairo-Paulichi. Zé Cáudio e o PT convenceram o eleitor serem diferentes. Na época , por mais que tirasse o sono da elite econômica local, o Partido dos Trabalhadores era meio mulher de César, ou seja, não só era ideológico e puro, como parecia ideológico e puro. A bandeira vermelha da moralidade tremulou, a estrela brilhou pelos quatro cantos da cidade.

De lá pra cá, a política local voltou aos seus trilhos normais, com as campanhas se nivelando na prática das ruas e sem a presença de uma virgem vestal.

Em 2008 como em 2004 prevaleceu o poder de persuasão de um novo fala fácil, tal qual o de 1988, com desenvoltura admirável diante das câmeras e o mesmo tom de palestrante de cursinho walita. Ao desempenho pessoal, somou-se o poderio econômico e práticas nada republicanas na forma de disputa do voto.

Chegamos a 2012 e o cenário eleitoral não foge do tradicional, ou seja, do embate entre dois grupos hegemônicos, que se confrontam em clima quente nas ruas,apesar do ambiente paz e amor mostrado pela mídia eletrônica.

A polarização, que se deu inclusive na divisão do tempo de televisão, devido aos arcos de alianças formados a partir de uma relação ” mariposa-lâmpada” (sua bênção, Adoniran Barbosa) chega ao dia da eleição apresentando resultados absolutamente previsíveis. Aqui não houve terceira via, porque nenhum candidato entre os intermediários se destacaram pelo exercício pedagógico da crítica, corroborando a tese do “bateu, caiu”, o que confere ao processo eleitoral uma espécie de paz de cemitérios.

Num quadro assim, é natural que a polarização induza ao voto útil e provoque o esvaziamento dos demais candidatos que ficam com percentuais bem abaixo de suas marcas históricas, como é o caso de Quinteiro e Dr, Batista, sempre muito bem votados em eleições proporcionais.

Ressalte-se, entretanto, que nesta eleição Maringá traz um fato novo, da maior gravidade: a indefinição das condições jurídicas de uma das candidaturas de ponta, justamente a oficial, cujo candidato se esforçou na reta final para convencer a população de que sua candidatura está legitimada por uma decisão monocrática de um ministro , quando se sabe que o julgamento final se dará pelo colegiado do TSE.

O que pode acontecer, então, se a pesquisa do Ibope estiver errada e a soma dos demais atingirem ou ultrapassar o percentual do líder Ênio Verri é a possibilidade de uma nova eleição entre o primeiro e o terceiro colocado, em caso de cassação do segundo. Se os números de Verri e dos demais se mantiverem no patamar hoje divulgado, o deputado petista poderá ser eleito com os votos obtidos no primeiro turno.

A realidade político-eleitoral de Maringá continuará sendo a mesma nas eleições seguintes, caso não tenhamos no Brasil uma reforma política, que coloque diques de contenção ao abuso do poder econômico que contamina o processo eleitoral aqui, ali e acolá. Do contrário, nossa boca continuará torta pelo uso excessivo do cachimbo.













5 de outubro de 2012

Vale a versão, dane-se o fato




O DNP com a manchete da decisão do ministro Marco Aurélio Mello tomou conta da cidade hoje. Com exemplares sendo distribuídos gratuitamente, a notícia chegou a todos os bairros e até amanhã terá chegado a pelo menos 80 mil mãos. Quantos por cento do eleitorado deve ter lido a matéria e não só a manchete? Some-se a esta ação ao comentário do Pinga Fogo e vamos observar que o grosso da população deve estar acreditando mesmo que o caso está encerrado. Não está. A decisão monocrática do Ministro Marco Aurélio Mello poderá perfeitamente ser revista pelo colegiado de ministros, como ocorreu com Antônio Belinatti. Claro, os motivos são diferentes. Lá houve corrupção, aqui foi inobservância da lei, que repito, é dura, mas é lei.


Pelo que fiquei sabendo, o PT tentou emplacar uma nota na primeira página dos tres jornais locais, esclarecendo sobre a continuidade do processo de impugnação de Pupin e até o final da tarde não tinha conseguido, mesmo pagando.



Na verdade, a notícia da liberção da candidatura da coligação “A Mudança Continua” está se espalhando feito rastilho de pólvora, mas de maneira incompleta, mostrando só um lado. O efeito disso nas urnas é imprevisível. O objetivo é fazer com que haja uma onda azul, se possível para eleger Pupin no primeiro turno, o que neste momento, me parece um delírio de eufóricos ricardistas.



Como num samba de Mestre Cacimba, ” vamos embora que o que importa é o agora/ as gargalhadas de hoje pedem passagem e as lágrimas de amanhã pode ser que não desçam”.

O impasse jurídico continua




É o que diz em nota a Executiva Municipal do PSB, partido de Wilson Quinteiro. Depois de afirmar que recebeu com tranquilidade a notícia da decisão monocrática do Ministro Marco Aurélio Mello , o Partido Socialista Brasileiro lembra que “a decisão em referência não encerra o impasse e as incertezas jurídicas que pairam sobre a referida candidatura continuam, uma vez que contra esta decisão cabe recurso ao colegiado do TSE, prolongando, assim, a discussão judicial sobre o assunto, de modo que haverá a necessidade de que novamente a questão seja julgada pelos demais ministros do TSE”.
“Em razão disso, acrescenta a nota,  continua existindo o grave risco de anulação todos os votos que venham a ser depositados ao candidato Pupin no próximo dia 7 de outubro”.
E conclui: “De nossa parte não há nenhum juízo de valor quanto à candidatura ou a pessoa de Pupin, mas, sim, de sua circunstância de insegurança jurídica para a cidade,  que perdura”.

Entre a euforia justificada e a arrogância burra

A euforia na campanha Pupin é grande. Não é pra menos. Mas é preciso que não fiquem imaginando que já ganharam a eleição e que a ação já transitou em julgado. A PGE  (Procuradoria Geral Eleitoral) já deve ter entrado com recurso , porque isso é quase que automático. O caso, então, vai para o plenário do Superior Tribunal Eleitoral, como ocorreu com o Belinatti que foi liberado na decisão monocrática e acabou cassado quando na sessão plenária do TSE.

4 de outubro de 2012

A vitória ainda é de pirro

"A mudança Continua" e a ação também. Pupin foi liberado por decisão monocrática do Ministro Marco Aurélio Mello mas a própria Procuradoria Geral Eleitoral vai recorrer da decisão ao plenário do TSE, o que significa dizer que a euforia azul pode se transformar em frustração mais adiante. O candidato oficial venceu um batalha, depois de ter perdido duas no TRE . O fato concreto é que Pupin deve ir para o segundo turno com Ênio, embalado pelo entusiasmo da vitória, ainda de pirro.

Pode, não pode; pode,não pode...


Domingo, dia da eleição o que não falta é proibição. Mas são as proibições que colocarão um freio para tentar segurar o abuso do poder econômico no dia D. Veja:
Permitido:
- Propaganda através da internet, desde que não seja paga ou divulgada;
- Pesquisa eleitoral já realizada em data anterior e devidamente registrada;
- Uso de instrumentos que auxiliem os analfabetos a votar;
- Auxílio aos eleitores com deficiência.
Proibido
- Compra de voto;
- Propaganda eleitoral: divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos;
- Boca de urna;
- Arregimentação de eleitor (abordagem tendente a influir na vontade do eleitor de forma ilícita);
- Carreata, caminhada, passeata, comício, trio elétrico, carro de som e similares;
- Reuniões públicas;
- Debates;
- Divulgação de nova propaganda eleitoral na imprensa escrita, na TV e nas rádios;
- Uso de vestuário ou objeto que contenha qualquer propaganda de partido político, coligação ou candidato pelos servidores da Justiça Eleitoral, mesários e escrutinadores. Os fiscais partidários devem colocar nos crachás apenas o nome e a sigla do partido ou coligação;
- Usar celulares, máquinas fotográficas, filmadoras, equipamentos de rádio comunicação ou instrumentos semelhantes nas cabines de votação;
- Estacionar veículos adesivados em frente aos locais de votação com a intenção de realizar propaganda eleitoral.

Vem aí uma nova pesquisa e seus senões

Está sendo aguardada com grande expectativa a divulgação sábado da última pesquisa Ibope/RPC para prefeito de Maringá. Segundo um advogado amigo, entendido na matéria, a metodologia registrada na Justiça Eleitoral é a mesma daquela que sofreu contestação  de duas candidaturas - a do Quinteiro e a da Iraclézia. Mesmo alterando o número de entrevistados (dessa vez serão 203 a mais), se a metodologia induz ao erro, não tem como não desconfiar da lisura do resultado final.

Pilha na minha utopia


Ouvi agora de manhã na Globo News uma entrevista que o repórter Silio Boccanera fez com Eric Hobsbawm, o historiador que tornou acessível aos comuns mortais a rebuscada linguagem acadêmica da historiografia. Nenhum outro intelectual marxista criticou com tanta propriedade (e veemência) o socialismo soviético e com tanta profundidade (e contundência) o capitalismo globalizado. Um único pensamento, expressado em outra entrevista à Globo News, mas desta feita ao Geneton de Morais, foi suficiente pra nos remeter ao descaminho trilhado por um e ao verdadeiro grau de perversidade encarnado pelo outro. Mas , tão dialético quanto didático,  ele nos tranquilizava  quanto a importância  da utopia:
“O pecado capital do capitalismo é a injustiça social. O pecado capital do socialismo foi a falta de liberdade. Mas ainda há um vasto espaço para o sonho”

3 de outubro de 2012

Livre pensar

Se você vai vender seu voto, coloque o preço de forma visível, para  facilitar o trabalho do Procon

Caça ao eleitor


2 de outubro de 2012

E a hierarquia do Poder Judiciário, como fica?


Estranhei muito o anúncio da coligação "A Mudança Continua", tentando dar  a entender que a  candidatura Pupin estava liberada pela justiça. De fato,  os pedidos' de impugnação , feitos em ações  do PT e do Ministério Público,  foram negados na primeira instância, mas aceitos na segunda, inclusive por 6 a 0 em  decisão colegiada e confirmada na sequência pelo mesmo TRT ao apreciar o primeiro recurso. Não é preciso ser advogado para saber que uma decisão de segundo grau torna sem efeito a de primeiro grau. Logo, a Coligação  ignorou a hierarquia do Poder Judiciário , em claro desrespeito ao Tribunal Regional Eleitoral. 
         Na verdade, Pupin não está impugnado por implicância dos adversários, mas porque a lei é clara quanto à inelegibilidade do vice que assume seis meses antes da eleição no primeiro mandato e seis meses antes  no segundo mandato.
    A esperança repousa no caso Alkmin, numa jurisprudência que não tem nada a ver
com o caso em questão. Alkmin foi vice de Covas em dois mandatos, mas não assumiu
nenhuma  vez antes da eleição no primeiro mandato e assumiu definitivamente no correr do segundo mandato, com a morte do titular.
Pupin  pode reverter a situação no TSE? Pode, claro que pode. Mas depois do parecer da subprocuradora geral eleitoral, isso ficou muito, mas muito difícil mesmo.
Como  já sabiam os   cidadãos da Roma antiga, a lei é dura, mas é lei.

Quem falou em eleição, eu?

A Prefeitura está fazendo um verdadeiro arrastão pelos boeiros da cidade. Além de limpar as bocas de lobo  os mutirões da "Maringá que te quero limpa" varrem as ruas e capinam  matos que invadem meio-fios. Maravilha! A cidade precisa disso. Que bom que estamos em véspera de eleições municipais. Viva a democracia! Viva a vontade de fazer, de quem promete e faz!

Partido da sinceridade

1 de outubro de 2012

A hora do "vamo vê".

A campanha está na reta final, chegando na hora da onça beber água. A julgar pelo parecer da subprocuradora, não tem jeito, Pupin dança. Por isso começou  a fase de alerta à população, com o esclarecimentos que levam  o eleitor a compreender o quadro atual. É fato que se for cassada a candidatura Pupin,  seus votos serão nulos. E aí, só haverá segundo turno caso a soma dos demais candidatos seja igual ou superior ao percentual alcançado por Verri no primeiro turno. A possibilidade da cassação da candidatura do 11 eleger o 13 é muito grande. E é por aí que estão seguindo quem busca nesta reta final  o direito de disputar o segundo turno com  o candidato petista.
É do jogo.

Circulando na internet