14 de julho de 2013

O rico vai pra pública e o pobre, pra privada

Essa é uma discussão que os intelectuais e acadêmicos em geral se recusam a fazer. Ou simplesmente passam ao largo. Refiro-me ao paradoxo do ensino superior, onde o rico tem mais condições de passar no vestibular da universidade pública e ali estuda de graça, principalmente nos cursos mais concorridos, como medicina. O estudante menos aquinhoado, que precisa ralar o dia todo e não tem tempo e nem dinheiro para frequentar bons cursinhos, acaba tendo que entrar numa escola privada, onde a concorrência pelas vagas é menor mas, passando, terá que desembolsar uma boa grana para levar o curso adiante.
A discussão sobre a elevação de mais dois anos para o curso de Medicina enseja um pouco este debate. É muito interessante a análise feita pelo jornalista Elio Gaspari (Folha de São Paulo e O Globo):
“Imagine-se dois estudantes. Aloizio é filho de um banqueiro, estudou em bons colégios e entrou para uma das melhores faculdades de medicina. Como são todas públicas, fará o curso sem desembolsar um tostão. Alexandre é filho de um bancário que trabalha para o pai de Aloizio. Não teve boas escolas, mas foi aprovado numa instituição privada. A família cacifou algo como R$ 300 mil, só em anuidades.
Seria razoável que Aloizio devolvesse em serviços para o SUS os seis anos de faculdade gratuita. Essa é uma antiga proposta de médicos do setor público. Alexandre, contudo, precisa trabalhar para aliviar o orçamento do pai bancário. Tem 26 anos, estuda há dezoito e agora querem obrigá-lo a ir para um regime de liberdade condicional trabalhando no SUS por mais dois, ganhando entre R$ 3 mil e R$ 8 mil (só os mandarins de Brasília acham que essas duas quantias são similares).
Se os comissários fossem menos onipotentes, os dois anos de serviço ao SUS seriam opcionais para quem estudou medicina em faculdade privada.
Quem entende do assunto jura que essa iniciativa, que começaria a valer em 2015, terá o mesmo destino que a constituinte e o plebiscito, pois é mais fácil mudar um cemitério de lugar do que alterar os currículos das faculdades de medicina”.

Nenhum comentário: