12 de dezembro de 2014

Luizinho Gari é ele e suas circunstâncias



Seguinte: não tenho procuração e nem quero defender o vereador maringaense  Luizinho Gari, que precisa ser entendido a partir da sua fraqueza, que não é de caráter (longe disso), é sim ideológica. Quando não se tem consistência ideológica, fica-se vulnerável a “convencimentos”, venham eles de onde vierem. No caso do vereador em questão, é compreensível que ele esteja perdido nas suas contradições, ao ponto de morder e assoprar, quando suas circunstâncias  lhe indicam o caminho da hora.

Ele tem estado ao lado do grupo político dominante na cidade, o mesmo que o perseguiu quando,  na oposição, não dispunha de mandato para se proteger. Aí buscou abrigo no guarda-chuva petista de Enio Verri, que o acolheu com uma assessoria bem remunerada para sua esposa. Guindado ao cargo de vereador, por conta de vitórias nas urnas e depois na Justiça, não resistiu ao poder  de “sedução” do todo poderoso RB, que como eu observei certa feita, não tem amigos e nem aliados, tem sim, interesses e interessados.

Luizinho Gari, pois, não é um caso perdido, como provou ao votar pelo regime de urgência que o presidente Ulysses Maia colocou visando a revogação da lei da PPP do lixo. Depois da espinafrada que levou ao cutucar Maia com vara curta na sessão da última quinta-feira, Gari se quedou e votou com a minoria. Isso prova que Maringá perdeu com a saída de Mariucci, mas pode reduzir o prejuízo no dia em que o menino Luizinho conseguir se livrar dos seus problemas existenciais. Por isso eu defendo: peguem leve com o garoto, enquanto ele ainda é reserva no Amém F.C.


Nenhum comentário: