Pular para o conteúdo principal

Um golpe típico de república das bananas




Matéria da Folha de São Paulo de hoje revela um encontro secreto entre o ministro Gilmar Mendes, o presidente da Câmara Eduardo Cunha e o Paulinho da Força. Objetivo: tramar o golpe. Paulinho sugeriu que só há uma possibilidade de tirar Dilma da presidência. Seria a união do ministro Mendes (TSE) e do vice presidente Michel Temer com os presidentes da Câmara e do Senado, ambos do PMDB, além do senador Aécio Neves. Feito isso, eles dariam um jeito de apear Dilma do poder e implantar um parlamentarismo branco, para gerir os destinos do país até 2018.
Não aprenderam com a história: tentaram um parlamentarismo no início dos anos 60 para justificar o impedimento de João Goulart que, por estar voltando da China em missão oficial, achavam que ele estava mancomunado com os comunistas para implantar o comunismo no Brasil. Jango era vice de Jânio que havia renunciado a presidência. Durou pouco o parlamentarismo, que teve Tancredo Neves como primeiro ministro. Foi uma saída pífia que não serviu sequer para mascarar o golpe de estado que a elite e os militares queriam dar , como fizeram em 1964.
Dessa vez o quadro é outro, vivemos uma democracia (aparentemente) sólida e mesmo assim a fina flor do reacionarismo nacional tenta matar aquilo que se construiu a duras penas, a partir da anistia e da campanha das diretas. Querem por que querem essas medíocres lideranças políticas transformar nosso país em república das bananas. Vá de retro , satanás.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …