Pular para o conteúdo principal

Cara a cara com os algozes


Depois de ser confrontada por senadores citados em várias delações e envolvidos em escândalos diversos, caso de Zezé Perrela, o do helicóptero apreendido com meia tonelada de pasta base e também Flexa Ribeiro, que chegou a ficar preso por conta da Operação Pororoca, Dilma se manteve serena e respondeu com argumentos técnicos todas as provocações que lhe foram feitas ontem no plenário do Senado.
Que não se diga que faltou a ela coragem para enfrentar o cadafalso, olhando nos olhos dos seus algozes. Que não se diga que faltou a ela argumentos consistentes para provar não ter cometido o alegado crime de responsabilidade fiscal. Os argumentos da presidente afastada foram consistentes e convincentes. Todos os senadores se convenceram com certeza da inocência dela, mas a maioria vai votar pelo impeachment, porque seus votos já estão definidos, uns por questões ideológicas e outros por interesses particulares, seduzidos que devem ter sido pela oferta de cargos e benesses à perder de vista de ora em diante.
Esta última fase do processo do impeachment não foi um espetáculo circense como aquele que verificamos na Câmara Federal, mas está se travestindo de um ópera bufa, principalmente com o protagonismo da histriônica Janaína Paschoal e do caquético Miguel Reale Júnior, que ao falar na sessão dessa terça-feira, parecia querer babar seu ódio no microfone. Dilma não dissimulou, deu nome aos bois, ao boi principal desse processo, o denunciado, quase cassado e quase condenado à passar a caneca na grade, Eduardo Cunha.
Dilma será cassada, isso é fora de dúvida. Mas que se acautelem os que defendem o impeachment , principalmente os trabalhadores, porque com Temer e sua “pinguela para o passado”, aí vem cortes dramáticos em programas sociais e verdadeiros estupros à lei maior de proteção dos empregados formais, a CLT.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…