30 de agosto de 2016

Cara a cara com os algozes


Depois de ser confrontada por senadores citados em várias delações e envolvidos em escândalos diversos, caso de Zezé Perrela, o do helicóptero apreendido com meia tonelada de pasta base e também Flexa Ribeiro, que chegou a ficar preso por conta da Operação Pororoca, Dilma se manteve serena e respondeu com argumentos técnicos todas as provocações que lhe foram feitas ontem no plenário do Senado.
Que não se diga que faltou a ela coragem para enfrentar o cadafalso, olhando nos olhos dos seus algozes. Que não se diga que faltou a ela argumentos consistentes para provar não ter cometido o alegado crime de responsabilidade fiscal. Os argumentos da presidente afastada foram consistentes e convincentes. Todos os senadores se convenceram com certeza da inocência dela, mas a maioria vai votar pelo impeachment, porque seus votos já estão definidos, uns por questões ideológicas e outros por interesses particulares, seduzidos que devem ter sido pela oferta de cargos e benesses à perder de vista de ora em diante.
Esta última fase do processo do impeachment não foi um espetáculo circense como aquele que verificamos na Câmara Federal, mas está se travestindo de um ópera bufa, principalmente com o protagonismo da histriônica Janaína Paschoal e do caquético Miguel Reale Júnior, que ao falar na sessão dessa terça-feira, parecia querer babar seu ódio no microfone. Dilma não dissimulou, deu nome aos bois, ao boi principal desse processo, o denunciado, quase cassado e quase condenado à passar a caneca na grade, Eduardo Cunha.
Dilma será cassada, isso é fora de dúvida. Mas que se acautelem os que defendem o impeachment , principalmente os trabalhadores, porque com Temer e sua “pinguela para o passado”, aí vem cortes dramáticos em programas sociais e verdadeiros estupros à lei maior de proteção dos empregados formais, a CLT.


Nenhum comentário: