Pular para o conteúdo principal

FICA COMBINADO ASSIM: A CASA GRANDE ENTRA COM A SOLA DA BOTA E A SENZALA, COM A BUNDA



Vem aí a PEC 241 para colocar de vez a corda no pescoço dos trabalhadores, ativos, aposentados ou beneficiários de seguro saúde, ou desemprego. Mas não só deles, da pulação pobre em geral, porque a palavra de ordem é cortar gastos com saúde e educação, além de promover uma verdadeira lipoaspiração na Seguridade Social, Previdência à frente do pelotão de fuzilamento. Uma vez aprovada esta Proposta de Emenda à Constituição, estará sacramentado o envio dos capítulos de proteção social da Carta Magna para a lata do lixo.
A PEC é, na verdade, a cereja do bolo da elite empresarial brasileira em lua de mel com o governo Temer, que só encontrou esta saída para o ajuste fiscal. Mexer na política de juros extorsivos, nem pensar. Tentar salvar o caixa do tesouro com a repatriação da dinheirama de respeitáveis senhores do mundo econômico e político que dorme tranquila em paraísos fiscais, é fora de questão. Menos ainda há que se pensar em apertar o torniquete da taxação tributária sobre os rentistas, sempre de bolsos muito cheios com seus astronômicos ganhos de capital. Ganhos, que a rigor, não produzem absolutamente nada, a não ser a possibilidade dessa casta de privilegiados viver nababescamente à custa da miséria da maioria da população.
A PEC 241 fixa regras de usurpação dos direitos sociais que tão bem a Constituição Cidadã de 1988 definiu no seu Capítulo II (arts. 6º. A 11).
Olhe só o que diz o Art. 7º da Carta: “ São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:
I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos;
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário”.
Você acredita sinceramente que isso vai ficar intacto no governo Temer? Se acredita, parabéns, porque Papai Noel lhe reserva grandes surpresas para o próximo Natal.
Mas fique tranquilo porque o desmonte do estado social não deve parar por aí. O brasileiro pode ser obrigado a trabalhar mais para se aposentar. Em nome de um rombo da previdência que não existe, pois a Seguridade Social é superavitária, a intenção é alterar as regras da aposentadoria, com aumento da idade mínima para 75 anos (homens) e 70 (mulheres). Claro, o presidente Temer negou essa informação enquanto estava interino, mas agora o buraco é mais embaixo. Ainda este ano ele deve enviar o projeto de reforma da Previdência ao Congresso Nacional.
É certo que haverá pressão da sociedade e os parlamentares que se mantiverem na oposição irão para o embate, que não será nada pacífico. Em função do clima pesado, talvez Temer dê uma recuada e proponha 65 anos para homens e 60 anos para mulheres. Ou, quem sabe, tempo de contribuição ao INSS de 35 anos para homens e 30 para mulheres, que vigora hoje, mas trata-se de uma regra que na nova ordem criará certamente dificuldades extremas para a comprovação.
Atualmente, por exemplo o INSS aceita oitivas de testemunhas em favor do candidato ao benefício da aposentadoria por tempo de contribuição. Será que isso continua? Tenho minhas dúvidas.
Calma, este filme é cinemascoope , tem ainda muita tela pela frente. Vem aí também ameaças concretas contra o sistema de férias e 13º. Não que irão acabar com um ou com outro, isso seria maluquice, pura lenha na fogueira da revolta coletiva. Mas , de maneira nem tanto sutil, o governo deverá mexer também nas regras de cálculo e pagamento tanto das férias quanto do 13º. salário. Há quem sugira que o 13º. seja diluído na folha de pagamento mensal ao longo de 12 meses. Quer coisa pior?
No processo de flexibilização da CLT, aguardem, virá uma pá de supressão de direitos, que serão fragilizados já a partir do projeto de terceirização de atividades fins e atividades meios, que a Câmara presidida por Eduardo Cunha aprovou na calada da noite durante o clima tenso da tramitação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. Tudo estava no script.
É assim que o governo Temer quer reduzir custos , para o Estado e para as empresas, com o pretexto de criar novas vagas de emprego e impulsionar a economia.
Não tenham dúvidas, a economia será impulsionada, mas o “acordo” que está sendo costurado entre eles é centrado num ponto: para o país sair da crise, a casa grande deve entrar com a sola da bota e a senzala, com a bunda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…