7 de julho de 2017

A Venezuela na ótica isenta da ciência política



A maioria dos brasileiros,  analisando os conflitos na Venezuela a partir do que vê nos telejornais da noite , sataniza  Maduro e coloca chifres de cramulhão na cabeça  da alma penada de Hugo Chaves. Pra todos efeitos, é o presidente venezuelano que atiça suas forças policiais sobre a população, agravando o estado de miserabilidade do povo e arruinando as instituições.

É isso que está posto, é isso que oxigena o discurso único que, no fundo, no fundo, tem o objetivo também de desmoralizar a esquerda, aqui, lá e acolá. Mas é preciso compreender os fatos a partir de análises menos passionais e pouco além do senso comum.

Neste sentido, chamo a atenção dos amigos leitores para um artigo do professor Igor Fauser, doutor em ciência política pela USP e professor de relações internacionais da Universidade Federal do ABC . Diz ele, logo de saída:
 “O conflito na Venezuela ingressou num período decisivo, com todo um conjunto de sinais de que a oposição direitista optou por uma tática de “tudo ou nada” na tentativa de inviabilizar a eleição da Assembleia Constituinte, marcada para o dia 30 de julho. O objetivo da ofensiva política em curso é derrubar, por qualquer meio, o governo legítimo do presidente Nicolás Maduro”.
As agências internacionais de notícias, que cobriram a invasão da Assembleia Nacional esta semana, mostram apenas um lado, em que os atacados são as vítimas e os que atacaram, bandidos, chegando ao nível do terrorismo.
O professor aponta que a mídia ignorou totalmente a ação mais chocante dessa semana na Venezuela. Foi, segundo ele, a destruição de um depósito da rede estatal de abastecimento Mercal, com queima de 50 toneladas de alimentos que seriam distribuídos em comunidades pobres do estado de Anzoátegui.
 “A suprema ironia foi uma pichação pintada numa parede pelos fascistas: “No más hambre” ("Chega de fome"). Ou seja: a oposição, na busca desesperada de promover o caos, já não disfarça sua estratégia de guerra econômica. Age abertamente para agravar os problemas da escassez e da alta dos preços, com a clara intenção de culpar o governo pela crise e fragilizá-lo politicamente”.
http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/A-revolucao-venezuelana-na-sua-hora-decisiva/6/38356)



Nenhum comentário: