3 de julho de 2017

Há dúvidas se o Tribunal de Contas sabe fazer contas


Aonde será que o Tribunal de Contas achou o valor de R$ 11.727,00 por aluno de graduação na Universidade Estadual de Maringá? A UEM contesta esse dado, informando que o investimento é de R$ 1.731,00. Quem será que está mais qualificado para divulgar a verdade? Quem tem mais credibilidade? Eu não tenho dúvida que em matéria de credibilidade não se pode comparar a  Universidade Estadual de Maringá com o TCE.
Superestimar o custo/aluno nas universidades estaduais só interessa ao governo Beto Richa, que não consegue justificar com fatos concretos a sua ação predatória contra as IES, que ele vem desmantelando ao longo do seus dois mandatos.
O orçamento anual da UEM é, segundo divulga o reitor Mauro Baesso, de R$ 522.154.783,00. Para chegar ao resultado de R$ 11.727,00 por aluno, o  TCE, que até hoje não sei porque é chamado de tribunal, pega o valor total e divide pelo número de formandos, como se cada um desses graduandos tivesse entrado em um ano e se formado no ano seguinte.
É menos compreensível ainda, o fato do governo Beto Richa ter anunciado auditoria nas universidades estaduais, se é constante a presença dos  técnicos do TCE nos setores de contabilidade das referidas instituições de ensino superior. Os próprios técnicos, que estão mensalmente vendo a contabilidade da UEM, por exemplo, devem ter se espantado com os dados divulgados pelo Palácio Iguaçu, porque o valor de R$ 11.727,00 por aluno depõe contra eles. E depõe exatamente porque passa para a comunidade acadêmica, a impressão que que o Tribunal de Contas do Paraná  não sabe fazer contas.

Nenhum comentário: