21 de setembro de 2017

Será que tem jeito? Cristo há de rever sua posição


Vi agora no Bom Dia Brasil uma matéria sobre a inatividade dos conselhos de ética da Câmara e  do Senado. Na Câmara a coisa é feia mesmo. Tem deputado que durante o dia participa das atividades parlamentares e à noite vai dormir na cadeia; tem parlamentar investigado, um até que foi flagrado por câmera indiscreta recebendo propina e deixando  cair maços de dinheiro do bolso do paletó.
Apesar de tudo isso, o Conselho de Ética da casa parece não existir. O último deputado submetido ao Conselho e que acabou cassado foi Eduardo Cunha, assim mesmo porque a pressão da sociedade foi gigantesca. Entre os membros que compõem este conselho na Câmara Federal alguns são denunciados, processados, réus. E nada. No Senado, o último a sofrer sanção foi Delcídio do Amaral. Aécio, a despeito de todas as provas, foi inocentado e teve seu processo arquivado sem maiores explicações.
Enfim, com raríssimas e honrosas exceções, os partidos se descaracterizaram e seus líderes perderam a vergonha (se é que um dia tiveram). A corrupção está nas entranhas da política brasileira e, ironicamente, os telejornais mostram diariamente declarações de parlamentares falando em ética e moral pública, quando da ética e da moral passam a quilômetros. E pensar que no nosso vizinho Uruguai, um vice-presidente renunciou ao cargo de segundo mandatário do país, só porque o Conselho de Ética do seu partido passou nele uma carraspana corretiva.
A desfaçatez no Brasil é tão grande que de vem em quando eu me pego  perguntando aos meus botões: “Será que o Brasil tem jeito?”  E aí,  encontro uma resposta que me angustia mais ainda: “Tem jeito, não. Nem no meu tempo, nem dos meus filhos, nem dos meus netos”. E Cristo, lá de cima, completa : “Nem no meu”.
Mas antes que algum espírito de porco pense que esse quadro de suprema desmoralização dos políticos justificaria um golpe militar, vamos lembrar Winston Churchil: “A democracia é a  pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas”

18 de setembro de 2017

O vergonhoso papel do Brasil no processo de invasão que Trump trama contra a Venezuela


O presidente Donal Trump convocou países sul-americanos para uma reunião, no mínimo  estranha. Ele quer na verdade, apoio dos vizinhos da Venezuela para poder invadir o país de Maduro, não porque está preocupado com os problemas políticos e sociais daquele povo, mas porque apear Maduro do poder facilita para as grandes companhias de petróleo dos Estados Unidos se apoderarem das reservas venezuelanas,  que estão entre as maiores do mundo. O governo brasileiro, claro, vai ao encontro do “doidão” da Casa Branca abanando o rabo feito cachorro vira-lata.
O Brasil, pelo peso que tem na América Latina, será o principal membro dessa aliança. O governo Temer deve se jogar de cabeça no processo de confrontação da Venezuela, que engana-se quem pensa que está sozinha. O seu petróleo chama a atenção também da Rússia e da China, que certamente se colocarão do lado de Nicolás Maduro.

O senador paranaense Roberto Requião, que preside o Parlamento Latino-Americano, critica a posição brasilçeira , cujo governo “não se interessa pela crise de seus vizinhos, mas, vergonhosamente, pode se transformar numa “bucha de canhão” de Trump”. Requião aponta que os primeiros passos dessa submissão ao Grande Irmão do Norte foram o exercício militar conjunto das formas armadas do Brasil e dos EUA na Amazônia. As tropas norte-americanas deverão desembarcar em novembro no município de Tabatinga, às margens do Rio Solimões, para iniciar as manobras preparativas da eventual invasão. “Brasil, Colômbia e Peru foram chamados aos Estados Unidos para fazerem o trabalho sujo contra a Venezuela”, denuncia Requião que já presidiu a Comissão de Relações Exteriores do Senado. “A América Latina pode ser transformada em um novo Afeganistão”, alerta.

 

15 de setembro de 2017

Marchese a sua impaciência com quem o confronta


Muito boa e oportuna a nota do Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná em  apoio e solidariedade aos jornalistas Pauline Almeida e Luiz Fernando Cardoso, de O Diário do Norte do Paraná, “os mais recentes alvos do vereador Homero Marchese, do Partido Verde. O vereador, ligado ao MBL,” já brigou com praticamente todos os veículos de comunicação  e comunicadores de Maringá, por não admitir ser criticado”.
Desde que Marchese começou a se mostrar impaciente com os que contestam sua atuação na Câmara Municipal, que penso: “O que leva um estreante no Legislativo, para onde foi enviado com votação surpreendente, a assumir o mandato já se achando maior  do que o poder que passou a integrar?”
Não deve ser apenas soberba. Imagino ser fruto de uma formação política e ideológica  totalmente equivocada. Nesse caso, a vivência e as críticas recebidas podem levá-lo a refletir melhor sobre suas atitudes nada republicanas . Pode, mas não há indicativo de que  isso venha a acontecer.  Marchese , convenhamos, está sempre dando demonstração clara de que, se há uma qualidade que ele faz questão de não cultivar é a da humildade.

5 de setembro de 2017

Gedel, Gedel! Se não tens abelha como podes ter tanto mel?




Toda essa granam, cujo valor total ainda não foi divulgado, a PF apreendeu na casa de Getel Vieira Lima, em Salvador. Envolvido até a medula em escândalos de corrupção, Gedel era um dos homens fortes de Michel Temer até ser denunciado por um colega ministro no caso de um ap que ele tinha num dos prédios mais chics da capital baiana.