22 de fevereiro de 2018

Entenda a Operação Integração e saiba até onde ela altera o cenário político do Paraná


                Por  Cícero Cattani, em seu blog

” Há, em cognição sumária, provas de crimes de corrupção, de lavagem de dinheiro e de associação criminosa”. Na decisão do juiz Sergio Moro que deflagrou a Operação Integração, nesta quinta.
“As obras fazem parte de um acordo do governo estadual com a concessionária Econorte para antecipação das duplicação.A previsão é que de outubro desde ano até março a concessionária conclua os projetos, o que permitirá o início da duplicação ainda no primeiro semestre de 2016. O valor estimado desta obra é torno de R$ 90 milhões”. Beto Richa, em outubro de 2015.
É exatamente essa obra que o governador Beto Richa dará partida, nesta sexta, com pompa e circunstância, em plena campanha para o Senado. Pode até adiar o evento diante da prisão do diretor geral do DER e de diretores da Econorte, no que pode ser o maior escândalo do atual governo.
  • – Governo diz que Econorte vai antecipar duplicação da BR-369. A obra em trecho entre Cornélio e Jataizinho será realizada em troca de a concessionária ser liberada de fazer contorno norte em Londrina. O governo do Estado anunciou na noite de ontem, por meio do site Agência Estadual de Notícias, que a concessionária de pedágio Econorte concordou em antecipar para o início do próximo semestre a duplicação de 32 quilômetros (km) da BR-369, entre Jataizinho, no Norte, e Cornélio Procópio, no Norte Pioneiro. A obra estava prevista para começar em 2021 e, em troca, o governador Beto Richa assumirá a responsabilidade pela construção do contorno norte em Londrina, entre a BR-369 e a PR-445.
“O presidente da Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), Valter Orsi, também não tinha informações, mas arriscou afirmar que a medida seria política, para contribuir para a renovação antecipada do contrato com a concessionária, que vence no fim de 2021. “A empresa antecipa uma obra, ganha a simpatia da sociedade e abre-se uma porta para a renovação do contrato”. Folha de Londrina, 8/outubro/2015

20 de fevereiro de 2018

Bancos e Petrobras bancarão festa de homenagem a Moro.


Daniela Lima informa na coluna Painel da Folha de São Paulo que o juiz Sérgio  Moro será escolhido o homem do ano em Nova York. Sete bancos pagarão  a festa, com U$ 26 mil cada cota de patrocínio. A oitava cota sairá dos cofres da Petrobras,  que o presidente Pedro Parente está esquartejando para entregar de bandeja a grande empresas petrolíferas do exterior, caso da Shell, Chevron  e  Exxon.

"Fora Temer!". Folha e Estadão querem mesmo é o "Picolé de Chuchu"


Os Marinho armam o golpe; os Fria mandam dizer que “chega de Temer!”, querem mesmo é o picolé de chuchu

Ninguém conseguiu entender ainda o que está por trás da briga iniciada neste final de semana pela família Frias com a família Marinho , ao publicar na Folha de São Paulo matéria sobre o contrato de exclusividade que a Globo fez com Neymar na Copa de 2014.
Por meio de uma entrevista do ex-governador carioca Antony Garotinho à TV 247, é possível a gente encontrar uma pista do que rola nos bastidores dessa “guerra de babuínos”. Garotinho explica porque a Globo , que bateu tanto em Michel Temer, agora apóia com toda a força dos seus telejornais, a intervenção militar na segurança do Rio.
No fundo, a Globo passou a pensar em Temer como uma alternativa de poder para o futuro próximo (mais precisamente após janeiro de 2019), porque já percebeu que é fácil ter o moralmente frágil Michel Temer na palma da mão. E com apoio da Globo Temer passa a representar um perigo ainda maior do que o que já representa para o futuro do Brasil e o estado de bem-estar social definido para o país pela Constituição de 1988. Segundo alguns intérpretes da cena política brasileira, com a matéria sobre Neymar, a Folha manda um recado claro à Rede Globo: “Chega de Temer, queremos Alckmin”. Como guerra é guerra, a Globo que se segure, porque seu telhado é de vidro.
Não é segredo pra ninguém que São Paulo não quer Temer e que tanto a Folha quanto o também poderoso Estadão, vêem em Geraldo Alckmin, o nome do centro-direita para evitar que algum candidato do campo progressista chegue novamente à presidência. Temem Lula e por isso trabalham desde sempre pela inviabilidade da candidatura do ex-presidente, com base na Lei da Ficha Limpa. Se prender for a solução, então que assim seja.
Mas e daí, se der Ciro? Ruim também. E Bolsonaro? Esse é da direita aloprada , um Collor piorado, cujo discurso é uma espécie de samba de uma nota só, pois “bandido bom é bandido morto”.
Diante de tudo isso, São Paulo, ou melhor, a Folha e o Estadão, querem Alckmin, o opus dei que o Macaco Simão promoveu a picolé de chuchu. Mas apesar de patinar nas pesquisas, o picolé tem potencial de crescimento e o PIB paulista aposta na lógica da planta trepadeira, afinal de contas, uma das dez hortaliças mais consumidas pelo brasileiro.

Golpe (mais um) na educação


A educação brasileira sofreu mais um duro golpe: o governo do TEMERário presidente Michel decretou o fim de um dos mais importantes programas que o MEC tinha de formação e qualificação de professores para a educação básica. O PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ) deve ser extinto no mês que vem quando 70 mil alunos de 5 mil escolas perderão suas bolsas. São bolsas de apenas R$ 400 por mês mas que apesar do valor ínfimo ajuda bastante os estudantes que optaram por se qualificar para o nobre exercício do magistério.
O PIBID será substituído por um programa de residência pedagógica, que não garante qualquer ajuda aos futuros professores. No fundo no fundo, o que o governo predador do futuro quer é a precarização da docência e, claro, o sucateamento do ensino público. 

8 de fevereiro de 2018

Requião: "Estão roubando a Petrobras,de novo"

O paranaenses Roberto Requião denunciou ontem em discurso no plenário do Senado : “Estão roubando a Petrobrás de novo, mas agora com aval da Lava Lato. Eu e um grupo de senadores e de deputados estamos  indo à Justiça para anular um acordo bilionário da Petrobrás com acionistas norte-americanos da empresa. A Petrobrás está sendo roubada duas vezes, primeiro foi roubada por um grupo de diretores corruptos, enquadrados na Operação Lava Jato, e agora por uma diretoria suspeita e tão corrupta quanto àqueles diretores, já que faz um acordo lesivo à empresa e a todos os brasileiros”.
Resumo da ópera: “ A Petrobras pretende pagar US$ 2,9 bilhões – o equivalente a cerca de R$10 bilhões – para encerrar a Class Action, mas não há consenso sobre o valor do dano experimentado diretamente pela Companhia em razão dos atos de corrupção revelados pela Operação Lava Jato”.

A ação já foi protocolada na Justiça Federal, em Brasília