Pular para o conteúdo principal

Saiba o que está por trás da candidatura Bolsonaro

                             Por L. Alberto Rodríguez / Los Angeles Press


É possível em pleno século XXI um político como Bolsonaro? Claro! Sobretudo, se não agir sozinho. Seu perfil pró-nazista, homofóbico, misógino e militarista tem sua contraparte americana; nem mais nem menos que o senador republicano Marco Rubio, que financia e apóia as aspirações do político carioca.
Vejamos.
Metido nas eleições brasileiras, Rubio pretende continuar sequestrando a política da América Latina desde a Casa Branca e restabelecer o conservadorismo militar no Brasil para agradar a Donald Trump.
Por esta razão, o senador da Flórida injeta dinheiro na campanha de Bolsonaro que, desde que passou a contar com o apoio de Rubio, subiu de cinco para vinte por cento nas pesquisas presidenciais. E tem se posicionado à frente de todas as pesquisas que não incluem Lula da Silva.
Como funciona o esquema Rubio-Bolsonaro? É claro que eles não precisam se ver o tempo todo para operar. Esse é o trabalho de Valdir Ferraz, o assistente mais confiável de Bolsonaro, que constantemente viaja para Miami para receber dinheiro e instruções de Rubio. Em troca, o republicano organiza a agenda do brasileiro e até o acompanha em suas viagens fora do Brasil.
A relação entre Bolsonaro e Rubio é relativamente nova. Os ilustres personagens se conheceram durante a primeira visita do político do Rio de Janeiro aos Estados Unidos, em 7 de outubro de 2017, quando se reuniu com membros do Partido Republicano e do governo Trump. O encontro mais recente entre os dois nos EUA ocorreu em março de 2018, quando almoçaram na casa de Rubio e ficaram conversando por quatro horas, em particular. Claro que, a pedido do anfitrião, não houve qualquer divulgação e não foram tiradas fotos.
Em troca de apoio financeiro e midiático, Rubio encomendou a Bolsonaro conquistar uma bancada no Congresso para apoiá-lo contra Lula ou, na sua ausência, contra Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, nomeado pelo Partido dos Trabalhadores como seu candidato presidencial, até que o ex-presidente brasileiro saia da prisão.
As semelhanças entre Rubio e Bolsonaro são muitas. Ambos, por exemplo, são firmes defensores da liberalização de armas. O candidato carioca propôs abertamente o porte de armas no Brasil, que acaba de atingir a taxa histórica de 30,3 assassinatos por 100 mil habitantes em um ano. Trinta vezes mais do que na Europa, e um assassinato a cada dez minutos, colocando-se como a região mais violenta da América do Sul.
Mas isso não parece importar ao candidato carioca. Bolsonaro foi Capitão do Exército e é um defensor aberto das ditaduras militares. De fato, seu candidato a vice-presidente é um militar. O seu conselheiro para assuntos de defesa é Augusto Heleno, ex-chefe da missão militar brasileira no Haiti, ligado a Embaixada e ao Exército dos EUA, identificado pelas autoridades haitianas como um "homem dos americanos", justo quando dispararam os casos de violações sexuais, especialmente de menores, naquele país caribenho.
Bolsonaro também foi multado em 2011 por comentários racistas e misóginos. Algo que se repetiu em 2017. Ele é um personagem conhecido no Brasil por declarações como "índios fedorentos", "se ver dois homens se beijando, eu bato", "escória" (referindo-se aos imigrantes); "os afrodescendentes já não servem mais para procriar"; "não te estupro porque você não merece".
E tem mais. Bolsonaro propôs a tortura como punição judicial. Ele disse que Lula era um bêbado. Diz sentir saudade das ditaduras militares. Ainda, afirmou que não havia ditadura no Brasil e que o erro era torturar e não matar. Tem também outras três sentenças judiciais por injúria e difamação e acusações junto ao Supremo Tribunal Federal.
Este é o homem dos americanos para ser o novo presidente do Brasil.
Suponho que para a comunidade internacional não deva ser coisa menor, já que o país não consegue se recuperar da crise social e política resultante do golpe parlamentar imposto por Michel Temer em 2016 e pela queda da economia que já ultrapassa 12% nos últimos três meses. Assim, Bolsonaro é uma ameaça e sua possível chegada à Presidência seria um desastre, não só para o Brasil, mas para toda a região. É a mão de Washington metida na América Latina e essa é a sua aposta.

* L. Alberto Rodríguez é vencedor do Prêmio Nacional de Jornalismo Contra a Discriminação, concedido pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos; especializado em jornalismo narrativo e análise sobre contracultura, política e movimentos sociais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro pisa na bola com o mundo árabe e deixa o agronegócio com a pulga atrás da orelha

O QUE BOLSONARO QUER DE ISRAEL, UMA FÁBRICA DA GLOCK OU OS DRONES ASSASSINOS?

O presidente eleito vive cheio de mesuras para o lado de Israel, mas deixa transparecer um certo ar de provocação ao mundo árabe. O anúncio que fez de levar a embaixada brasileira de Telavive para Jerusalém,  pode criar sérias consequências para o agronegócio brasileiro, que tem nos países árabes seus grandes compradores, principalmente de  frangos e derivados.

Os empresários catarinenses desse setor apoiaram Bolsonaro com todo entusiasmo , mas se a mudança da embaixada se concretizar,  terão muitos contratos cancelados.

Mas afinal, que interesses o Brasil pode ter mais em  Israel do que nos países árabes? E o que o Brasil compra de Israel? Compra quase nada. Talvez Bolsonaro esteja agora interessado nos drones que matam e na vinda pra cá de uma fábrica da Glock. Era dessa marca a pistola que os assaltantes tomaram dele no Rio, onde levaram também a moto e o capacete do  deputado.

Não me recordo de nenhum pr…

Democraticídio

. Tereza Cruvinel (Jornal do Brasil)


As advertências sobre o risco Bolsonaro para a democracia não são choro antecipado de perdedor, artifício de petistas desesperados para virar o jogo. O democraticídio virá, não apenas porque condiz com a natureza autoritária do deputado-capitão, mas porque, se eleito, não será capaz de dar outra resposta aos impasses que enfrentará. Os avisos vêm até dos que ajudaram a semear o antipetismo, um dos mais fortes nutrientes da candidatura favorita.
Outros, que poderiam falar mais alto, justificam a omissão com a bazófia de que, ainda que ele tente, nossas instituições terão força para evitar qualquer ruptura. Em 1964 também tínhamos instituições que pareciam funcionar, mas elas não apenas cederam ao primeiro movimento de tanques.
Elas ajudaram a executar a parte civil do golpe. Bolsonaro e seu entorno, a começar do vice troglodita, nunca esconderam o pendor autoritário e a saudade da ditadura, nos elogios da tortura e nas homenagens…

Deixem Deus fora disso

Seja o que Deus quiser? Não, não podemos invocar o nome de Deus para nos conformar com essa sujeirada toda. Depois de apoiar ostensivamente a campanha "tudo, menos o PT", a Globo chega ao final da campanha vendo o provável eleito de braços dados com sua maior concorrente, a Rede Record do bispo Macedo. E vislumbrando um acordo mais ali na frente, para minimizar o impacto da divisão das verbas publicitárias que sempre concentrou, a Globo minimizou a ausência de Bolsonaro no debate de quinta-feira. O mediador Willian Bonner limitou-se a informar, candidamente, que Bolsonaro não compareceu por ordem médica, sem questionar o circo armado em torno dessa ordem para poupar o mesmo do confronto , tete-a-tete , com seus concorrentes. Enquanto os demais candidatos debatiam, discutiam propostas ou simplesmente colocavam suas ideias e confrontavam suas biografias, Bolsonaro ganhava 27 minutos de propaganda na Rede Record, ferindo de morte a legislação eleitoral que naquele momento já n…