7 de setembro de 2018

2018 com cheiro de 1989



O jornalista Fernando Brito faz uma análise interessante sobre a polarização que pode se dar a partir da semana que vem com a oficialização de Fernando Haddad como candidato a presidente pelo PT e Jair Bolsonaro, que deve ganhar mais musculatura após o atentado. Isso colocaria a sucessão presidencial de 2018 no túnel do tempo, para uma comparação inevitável com 1989, caso o substituto do ex-presidente decole. De um lado, Haddad como um Lula rejuvenescido e do outro , Bolsonaro como um Collor envelhecido.
Resta saber qual será dessa vez o papel do personagem central da primeira eleição direta para presidente pós-regime militar , a toda poderosa Rede Globo de Televisão.
Remember : em 89 a Globo alavancou a candidatura de Fernando Collor de Melo, com espaços generosos em seus telejornais para o “caçador de Marajás”. Em 2018 a Globo bate em Bolsonaro e ripa o PT, mas sempre deixando subentendido que num confronto direto de segundo turno, ela fica com o lado dos seus grandes anunciantes e patrocinadores. Alguma dúvida quanto ao preferido?


Nenhum comentário: