Pular para o conteúdo principal

O esperado debate da Globo,sem a presença do fujão




Acabou perto da uma da manhã dessa sexta-feria, 5, o último debate do primeiro turno entre os candidatos a presidente. Teria sido melhor se nele estivesse o líder das pesquisas, que amarelou, respaldado numa recomendação médica que não convenceu ninguém, a não ser a seus fiéis (e cegos) seguidores.

Mas de um modo geral, o debate foi bom, com alguns destaques e outros pontos altamente negativos. Na minha modesta maneira de ver, o grande destaque ficou com Guilherme Boullos, tão corajoso quanto articulado. Ciro também foi bem, porque normalmente vai tal é a sua capacidade intelectual.
Há que se reconhecer a firmeza de Fernando Haddad , que agredido e desrespeitado pelo pífio Álvaro Dias, o colocou no seu devido lugar logo no início da contenda. Marina até surpreendeu pela firmeza e conhecimento dos temas abordados. Meireles sempre com o mesmo discurso do chama o Meireles e da apropriação de programas de geração de emprego que ele toma pra si como houvesse sido ele o presidente da república que criou emprego, fez e aconteceu.

Alckmin deixou bem claro que se encaixa direitinho nos 50 tons de Temer, definido lá atrás no debate da Band, por Boulos. Defendeu com unhas e dentes a reforma trabalhista e em nenhum momento sequer aventou a hipótese de rever o teto dos gastos. A fala do "picolé de chuchu" dá sono.
Quanto ao formato, achei muito bom. Esse estilo frente-a-frente, olho-no-olho obrigou os candidatos e serem mais verdadeiros, cada um a se mostrar como realmente é. E nesse quesito, Álvaro Dias foi o fiasco da noite, primeiro atropelando os tempos e passando pelo vexame de resumir a uma nota só o seu samba do crioulo doido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro pisa na bola com o mundo árabe e deixa o agronegócio com a pulga atrás da orelha

O QUE BOLSONARO QUER DE ISRAEL, UMA FÁBRICA DA GLOCK OU OS DRONES ASSASSINOS?

O presidente eleito vive cheio de mesuras para o lado de Israel, mas deixa transparecer um certo ar de provocação ao mundo árabe. O anúncio que fez de levar a embaixada brasileira de Telavive para Jerusalém,  pode criar sérias consequências para o agronegócio brasileiro, que tem nos países árabes seus grandes compradores, principalmente de  frangos e derivados.

Os empresários catarinenses desse setor apoiaram Bolsonaro com todo entusiasmo , mas se a mudança da embaixada se concretizar,  terão muitos contratos cancelados.

Mas afinal, que interesses o Brasil pode ter mais em  Israel do que nos países árabes? E o que o Brasil compra de Israel? Compra quase nada. Talvez Bolsonaro esteja agora interessado nos drones que matam e na vinda pra cá de uma fábrica da Glock. Era dessa marca a pistola que os assaltantes tomaram dele no Rio, onde levaram também a moto e o capacete do  deputado.

Não me recordo de nenhum pr…

Democraticídio

. Tereza Cruvinel (Jornal do Brasil)


As advertências sobre o risco Bolsonaro para a democracia não são choro antecipado de perdedor, artifício de petistas desesperados para virar o jogo. O democraticídio virá, não apenas porque condiz com a natureza autoritária do deputado-capitão, mas porque, se eleito, não será capaz de dar outra resposta aos impasses que enfrentará. Os avisos vêm até dos que ajudaram a semear o antipetismo, um dos mais fortes nutrientes da candidatura favorita.
Outros, que poderiam falar mais alto, justificam a omissão com a bazófia de que, ainda que ele tente, nossas instituições terão força para evitar qualquer ruptura. Em 1964 também tínhamos instituições que pareciam funcionar, mas elas não apenas cederam ao primeiro movimento de tanques.
Elas ajudaram a executar a parte civil do golpe. Bolsonaro e seu entorno, a começar do vice troglodita, nunca esconderam o pendor autoritário e a saudade da ditadura, nos elogios da tortura e nas homenagens…

Deixem Deus fora disso

Seja o que Deus quiser? Não, não podemos invocar o nome de Deus para nos conformar com essa sujeirada toda. Depois de apoiar ostensivamente a campanha "tudo, menos o PT", a Globo chega ao final da campanha vendo o provável eleito de braços dados com sua maior concorrente, a Rede Record do bispo Macedo. E vislumbrando um acordo mais ali na frente, para minimizar o impacto da divisão das verbas publicitárias que sempre concentrou, a Globo minimizou a ausência de Bolsonaro no debate de quinta-feira. O mediador Willian Bonner limitou-se a informar, candidamente, que Bolsonaro não compareceu por ordem médica, sem questionar o circo armado em torno dessa ordem para poupar o mesmo do confronto , tete-a-tete , com seus concorrentes. Enquanto os demais candidatos debatiam, discutiam propostas ou simplesmente colocavam suas ideias e confrontavam suas biografias, Bolsonaro ganhava 27 minutos de propaganda na Rede Record, ferindo de morte a legislação eleitoral que naquele momento já n…