Pular para o conteúdo principal

A quem interessar possa...


PAULO GUEDES DIZ QUE O BRASIL ESTÁ NO FUNDO DO POÇO. E ESTÁ MESMO. SABE PORQUE? 
-------------------
O corte dos investimentos feitos a sangue frio pelo governo Temer e avalizado por um Congresso Nacional de maioria cúmplice colocou o Brasil na marcha do encolhimento da atividade econômica. O primeiro passo foi a implementação da insegurança jurídica no mundo do trabalho e a redução drástica do emprego e por consequência, da massa salarial. Se não tem salário, não tem consumo. Se não tem consumo o comércio afunda, a indústria capota, a arrecadação do Estado despenca.
Era de se esperar que o governo a ser eleito em 2018, fosse quem fosse o presidente, chegasse com o espírito de reativar a economia, unindo o país em torno de um problema gravíssimo, só solucionável num quadro de paz política. Invés disso, o que fez o eleito? Transformou os embates do palanque eleitoral em cizânia , iniciou o mandato com discurso e práticas revanchistas e o pior, surfando numa onda de absoluta mediocridade política.
O resultado não podia ser outro. Sim, Paulo Guedes tem razão nesse ponto: estamos no fundo do poço. O grande problema é que ele, não apenas com pás e picaretas, mas com retroescavadeira, aumenta a cada dia o tamanho do buraco.
Bem que o “posto Ipiranga” poderia ouvir o experiente economista Luiz Gonzaga Beluzzo, cujo diagnóstico do quadro atual pode ser resumido com essas sábias palavras: “um mantra circula nas redações e na cachola dos apresentadores de tevê: não há dinheiro. Em uma economia desfalecida há quatro anos e tanto, os dados fiscais mostram que os cortes de gasto fazem o dinheiro sumir das burras das empresas, das famílias e do governo. Nas trajetórias recessivas, quanto mais corta, mais cai a receita fiscal, quanto mais patina, mas o país afunda”.

Comentários

Anônimo disse…
bozo É CONSIDERADO O REI DA bobagem. Os culpados por tudo o que está acontecendo além do bozo são seus eleitores. Os eleitores do bozo deverão vir a público pedir desculpas aos Brasil e aos brasileiros do bem, pela besteira que fizeram. A maioria do povo brasileiro, realmente, não sabem votar.

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …