Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2019

EU, filosoficamente falando

A minha transparência e a minha sinceridade são a expressão exata do meu pensamento. Por isso, não lhe engano nunca. E sabe por que? Porque só assim você pode se relacionar com quem você conhece verdadeiramente , sem surpresas . E mesmo não gostando das minhas ideias, jamais irá valer-se da régua que usa para medir a índole de quem você desconfia, para medir o meu caráter. Se fizer isso, saberá que o mau caráter é você.Tenho dito.

Jornal diz que feriados causarão prejuízo ao país e insinua que a culpa é do trabalhador

Acreditem, o jornal O Globo coloca na conta dos trabalhadores, que terão mais feriados em 2020 que em 2019, o prejuízo de R$ 4,8 bilhões que os Marinho preveem para o país este ano. O absurdo parte da seguinte constatação: “O próximo ano terá 251 dias úteis, dois a menos que 2019, e o número de feriados em dias da semana será maior: serão 11 contra oito. Mais que isso, serão seis dias de folga que poderão ser emendados com sábado e domingo, contra dois em 2019. Esse efeito calendário terá influência na atividade econômica. O brasileiro vai folgar mais e trabalhar menos no próximo ano. A retomada do crescimento mais forte da economia em 2020 é esperada pelo governo, analistas e bancos”. Já viu bobagem maior? Até parece que nos dias que antecedem e precedem os feriados, os empregados não são obrigados a intensificar a produção; o comércio deixa de vender o que sempre vende na semana. E a indústria do turismo não fatura mais do que o normal nos feriados prolongados? E o que dizer da indúst…

Cresce o emprego,mas na modalidade intermitente

O trabalho intermitente cresceu 70% em 2019, primeiro ano do governo Bolsonaro, que defende abertamente a geração de emprego com menos direitos. No governo Temer foram criadas 47.729 vagas de trabalho intermitente e nos primeiros 12 meses do governo Bolsonaro já foram criadas 82.536 vagas.É bomJair pensando porque esse tipo de trabalho não gera direito de aposentadoria, não permite férias, o 13º. proporcional é aviltante e a proteção social é perto de zero.

No país das contradições

Entre as grandes contradições do empresariado brasileiro está esta do setor educacional: a maioria dos donos de grandes escolas, do básico ao terceiro grau, apoiou o impeachment de Dilma Rousseff e na campanha de 2018 fecharam com Bolsonaro contra Haddad, um professor universitário de alta qualificação . Hoje o que se vê? Vê-se que 27% dos alunos da rede privada, principalmente do ensino médio, migraram para a escola pública ou simplesmente abandonaram os estudos. São mais de 300 mil alunos de 2014 a 2018. Hoje, a esmagadora maioria dos brasileiros defende o ensino público de qualidade, enquanto o governo Bolsonaro, remando na contra-mão da história, tenta dinamitar o ensino público, começando de cima pra baixo, ou seja, começando pelo desmonte das universidades federais.

Se assim é que lhe parece

“Denominações como a igreja de Edir Macedo  e assemelhadas são verdadeiras Mc Donalds da fé. O que reina ali não é o Evangelho mas sim o poder de Mamon”.

. Pastor ( e Teólogo) Caio Fábio

O presidente contra seu país

"Deve ser um caso inédito na história mundial. Nunca, antes, que eu me lembre, um presidente declarou guerra ao seu próprio país, tratando o povo e as instituições como inimigos.
De quem, afinal, ele está querendo se vingar?" . Ricardo Kotscho

Estado mínimo? Grande empulhação

Quem é que mais investe em obras estruturantes e faz a roda da economia andar? O Estado, ora bola! Olha só: a taxa de crescimento atingiu módicos o,2% nos últimos três anos. Por coincidência, foi o período em o governo mais atuou para reduzir o tamanho do Estado. A que conclusão se pode chegar disso? Uma conclusão simples e elementar: a tese do estado mínimo, defendida pelos neoliberais e praticada pelos governos predatórios de Temer e Bolsonaro é uma empulhação.

Entidade desmente melhoria nas vendas

A Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos) desmascara o noticiário positivo da mídia corporativa sobre as vendas de Natal no comércio. Na verdade, não houve melhoria nas vendas como andou repercutindo a grande mídia, Jornal Nacional à frente. Segundo Tito Bessa, da Ablos, no máimo houve empate em relação a 2018. Os lojistas de Maringá, principalmente do comércio de rua que o digam.

Apoio explicito à violência

Deputado Federal mais votado no Paraná, Sargento Fahur (PSD), fez uma declaração infeliz em seu twitter sobre o atentado à produtora do Porta dos Fundos:"Explodiram a porta dos fundos. Foda-se".  Declarações como estas, vindas de autoridades públicas, gente que deveria dar o exemplo de repulsa à violência, é muito preocupante. Mas em se tratando desse parlamentar, nada de anormal. Como nada de anormal existe no comportamento do presidente Bolsonaro e do ministro Moro, que adotaram uma espécie de silêncio cúmplice. Não vem ao caso se a gente concorda ou não com a ousadia dos rapazes do Porto dos Fundos com aquele vídeo sobre o Natal. O que vem ao caso aqui é a institucionalização da violência , que pode sim ser considerado um atentado. 

Hora de refletir sobre a parábola do bode na sala

Cada vez me convenço mais de que a elite trabalhou muito em 2018 para colocar um bode na sala da casa chamada Brasil. E conseguiu. Colocou o Bodonaro, para tentar provar  aos brasileiros que o paraíso dos rentistas e da concentração de renda sempre foi uma maravilha pra se viver. O bode vai incomodar pra cacete, cheirar mal pra danar , mas mostrará para esses ingratos que mais vale um passarinho na mão do que dois voando. O problema é que o mau cheiro está ficando insuportável. Talvez só em 2022 vamos nos livrar dele.Poróbvio, a expectativa é que ao ter a sala livre do bode, o povo continue a reclamar das condições como reclamava antes do todo poderoso capital arrumar esta solução esdrúxula para silenciar a família descontente com o desconforto da casa.

Propaganda ilegal e abuso do poder econômico. É caso de cassação

"À PRIMEIRA VISTA, pareciam encartes de ofertas como os de qualquer supermercado do país, com descontos nos preços de feijão, arroz, farinha, fubá, leite e diversos outros itens de primeira necessidade. Mas bastava fixar a atenção para perceber o detalhe: todos os preços terminavam com o mesmo valor – 17 centavos, inexplicavelmente grafados em tamanho maior que o normal.

A data não deixava dúvidas: as ofertas eram válidas até 27 de outubro de 2018, véspera do segundo turno das eleições presidenciais. O 17 era o número do então candidato Jair Bolsonaro. Em Roraima, onde os folhetos circularam, também era a dezena do candidato a governador Antonio Denarium – ambos, à época, filiados ao PSL. Foi um caso flagrante de abuso de poder econômico promovido pelos donos das principais redes varejistas do estado. Graças a uma denúncia feita à Polícia Federal, uma investigação resultou em dois processos aceitos pela Justiça Eleitoral, que correm sob sigilo. Curiosamente, ambos têm apenas Denari…

Reflexão natalina (sem dor) sobre os dois personagens mais queridos e odiados do país

Política é como futebol: os times e suas torcidas têm adversários e não inimigos. No campo, o pau canta, fora das quatro linhas, reina a paz. Mas no Brasil de hoje tudo parece diferente. O pau canta dentro e fora do gramado, dentro e fora das arquibancadas. Temos no cenário nacionail dois personagens que despertam paixões e ódios. Lula desperta paixões e também desperta ódio. Bolsonaro desperta paixões e igualmente ódio. Mas há uma diferença fundamental entre um e outro. Lula abre o coração e solta o verbo no discurso político, mas não parece tomado de ódio quando está fora do campo de jogo. Bolsonaro destila ódio 24 horas por dia. Não parece dar um pingo de paz à sua própria alma, sempre muito atormentada. Gostem ou não os bolsonaristas, vamos combinar que nunca houve um presidente da república que fizesse tanta questão de dividir a sociedade ao meio. Ele não é o presidente dos brasileiros, mas o presidente dos que nele votaram e continuam ouvindo com atenção (e encantamento) as suas …

Seria nosso passaporte para o futuro. Seria, como sonhou Lula

“Há desafios e não podemos nos dar ao luxo de perder essa riqueza. Não é porque tiramos o bilhete premiado que vamos sair por aí gastando o que não temos ainda. O pré-sal é um passaporte para o futuro”, salientou o presidente durante o discurso na cerimônia realizada para apresentar a uma platéia de empresários e políticos o total de investimentos públicos e privados que serão feitos no país até 2012. .G1 , em 28 de agosto de 2008 Meu comentário: Hoje, o Brasil é autossuficiente em petróleo e gás, produz muito mais do que consome, tinha tudo pra ser um grande exportador de óleo cru, mas nunca importador dos seus derivados como ocorre hoje. Segundo dados divulgados esta semana pela Agência Nacional de Petróleo, o Brasil produz atualmente 4 milhões de barris de petróleo por dia, 3,1 milhões só do Pre-Sal, que na época muitos economistas diziam ser um delírio do presidente da república. De fato, o Pre Sal seria mesmo um passaporte para o futuro do país, mas deixou de ser nos governos Temer …

Bolsonaro extingue, numa canetada, 14 mil cargos na administração federal

- Estado, pra que estado? Acabo com essas mamatas por decreto e opobre, que é quem mais precisa do estado, que se foda. Taokei? --------------------------- Por decreto o presidente Bolsonaro está acabando com 14 mil funções da administração pública federal. Entre esses, deixam de existir os de assistente social, instrumentador cirúrgico e os assistente de laboratório. Claro que muitos não fazem mais sentido continuar existindo, mas a maioria continua sendo essencial parao bom funcionamento da máquina pública, como muitos das áreas da saúde e da educação. Ora, enxugar a máquina pública é isso? Enxuga-se sem que haja uma discussão com os diversos setores da sociedade, para que os extintos sejam realmente cargos dispensáveis? Mas não, dentro da lógica perversa do estado mínimo, pedra de toque do neoliberalismo de pé quebrado, Bolsonaro ataca na jugular : “Quero mais é que quem precisa do estado se foda, taokei?”.

Moro está em Marte e não no planeta Terra

Está muito claro que a lojinha de chocolate do 01 é uma lavanderia. Mas o ministro Sérgio Moro, o defensor da moralidade, faz de conta que não é com ele. O jornalista Kennedy Alencar resumiu bem a posição do ex-todo poderoso da Lava-Jato:
"Nesse ambiente, o ministro da Justiça, Sergio Moro, tem dito a interlocutores que não houve em 2019 caso de corrupção relacionado ao governo, como informou a coluna “Radar”, da revista “Veja”. Moro não habita a Terra. Parece que vive em Marte".

A casa está despencando

"O jornalista Luis Nassif, um dos mais respeitados do Brasil e editor do site GGN, afirma que a Polícia do Rio de Janeiro já tem certeza do envolvimento do clã Bolsonaro no brutal assassinato da ex-vereadora Marielle Franco. "Nas investigações sobre a morte de Marielle, a Polícia Civil do Rio de Janeiro firmou convicção sobre o profundo envolvimento de Jair Bolsonaro no episódio", postou ele no GGN".
. 247

Vem aí o livro-bomba que promete desnudar o "Rasputin" do Bolsonaro

Vem aí “Meu Pai, o Guru do Presidente – A Face Ainda Oculta de Olavo de Carvalho”. O livro-bomba revela quem é realmente o homem que orienta e conduz o presidente Bolsonaro para os delírios que tanto vem prejudicando o Brasil. Heloísa de Carvalho, a filha mais velha do astrólogo que se diz filósofo, diz que o pai nunca deu a mínima para os 8 filhos. Sempre tratou a família com desprezo. Portanto, surpreende o fato de que, de repente, Olavo se tornou o “Rasputin do Planalto”, alimentador de uma verdadeira central da falsa moralidade.

Evangélicos vão ajudar Bolsonaro na formação do partido da bala

O presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil , Robson Rodovaldo, promete mobilizar fiéis em todo o país para conseguir as 491 mil assinaturas que faltam para Jair Bolsonaro viabilizar o seu partido, o Aliança pelo Brasil, que tem como número o 38 (do calibre e no do fato de ser Bolsonaro o 38º. Presidente do Brasil) , como prova a logo do partido, elaborada com cápsulas de bala. Mas acredite: Malafaia, que se jogou de corpo e alma na campanha do Bozzo, é contra. "Eu sou tremendamente contra qualquer tentativa de instrumentalizar a igreja para partidos políticos", criticou.
Por que será? Será que ele é contra de verdade, porque acha que as igrejas não devem ser colocadas a serviço de um partido político ou porque está com ciúmes do Rodovaldo, que parece estar tomando seu lugar no coração do presidente belicista? Vá saber.

O governo do Bozo fez o Brasil passar vergonha na Cop 25

A delegação brasileira, comandada pelo ministro da destruição do meio ambiente Ricardo Sales foi à Cúpula do Clima mal intencionada. Não levou projeto algum e tentou chantagear os países ricos com pedido de dinheiro adiantado em troca dos créditos de carbono que o país ainda vai gerar. Queria arrancar modestosR$ 100 bilhões e saiu de lá com uma mão na frente e outra atrás, sem um real sequer. O Brasil foi alvo de críticas pesadas e até de chacota na grande mídia internacional.A diretora executivado Greenpeacem Jannifer Morgan, por exemplo, chamou nosso país de “boqueador climático” que quer vender acordos sobre carbono para atropelar cientistas e a sociedade civil.
Desempenhamos na COP 25 um papel ridículo. A delegação brasileira não só não levou projeto como não conseguiu se contrapor às acusações de que o governo mais incentivado que reprime o desmatamento. Ao contrário da Colombia, que provou estar combatendo com tenacidade a devastação da Amazônia Colombiana e por conta disso volto…

"O Brasil flerta com o autoritarismo"

Não dou importância a troféus de melhores do ano que as redes de TV (Silvio Santos e Globo principalmente) costumam dar para os seus destaques. Mas a entrega do troféu do Faustão à apresentadora negra Maju Coutinho foi interessante, na medida em que ela fez um discurso bem apropriado para o cenário político. Ela reputou de grande importância o premio para uma jornalista negra num momento em que o Brasil flerta com o autoritarismo, com a discriminação racial e com a censura. Em nenhum momento ela citou o presidente Bolsonaro mas por meio das redes sociais o bolsonarismo vestiu a carapuça.

A pergunta que não quer calar

Quem está bancando os outdoors de louvação à figura de Sérgio Moto em todo o país?

É Fantástico! Será?

A grande expectativa de hoje é saber se a Globo vai soltar no Fantástico uma matéria que teria na ponta da agulha, com novidades bombásticas sobre o caso Mariele. O pavor do clã Bolsonaro é enorme.

Médicos brasileiros não gostam de atender pobre

Pesquisa da USP mostra que médicos brasileiros não querem trabalhar com pobres. Dados de uma pesquisa com 4.601 graduados entre 2014 e 2015 mostram que só 3,7%aceitam trabalharnas unidades básicas de saúde. Vamos lembrar que os médicos cubanos que a ex-presidente Dilma trouxe ao Brasil, se dedicavamapaixonadamente à medicina preventiva, inclusive atuando nos rincões mais pobres. Bolsonaro rompeu com o convênio e mandou os cubanos embora. Médicos brasileiros no Mais Médicos mas sempre deixaram claro desde sempre que não gostariam de atuar como generalistas, ou seja, clínicos gerais. Muito menos aceitas atuar no programa Médico da Família. O que os médicos formados agora nas universidades brasileiras querem é a especialização. Fugindo das UBSs eles escapam do atendimento à pobreza, onde terão que atenderbem sem olhar a quem.

A colheita maldita!

Um país que menosprezou a Educação. E não faltaram alertas de Anísio Teixeira, de Darcy Ribeiro. Uma classe média que se pensa elite. Que despreza o pobre e o negro. Um povo que se orgulha da ignorância. E que com o bolso cheio celebra a meritocracia. Com o bolso vazio, culpa o Estado.
Um povo que, na falta de perspectivas, é presa fácil de falsos profetas. E se transformam em pentecostais a atacar religiões diferentes. Ou católicos de arminhas ressentidas.
A colheita maldita disso tudo está aí: o fascismo a prosperar em nosso caos civilizatório. Quer maior símbolo disso tudo que essa foto? . Do jornalista José Maschio, meu amigo Ganchão. Parte superior do formulário Parte inferior do formulário

Weintraub na frigideira

O ministro da deseducação Abraham Weintraub vai cair não porque ele é péssimo. Vai cair porque bateu de frente com Paulo Guedes, por quem é mal visto. Nada a ver (ou tudo a ver?) , mas o fato é que Paulo é irmão de Elisabeth Guedes, presidente da Associação Nacional de Universidades Privadas. Entenderam?

Bolsonaro bem que podia dormir sem mais essa

O físico brasileiro Ricardo Galvão, internacionalmente conhecido, acaba de ser  premiado como um dos dez melhores cientistas do mundo no ano de 2019. Se você se lembra, Galvão é aquele brasileiro que revelou a realidade sobre a devastação da Amazônia enquanto presidente do INPE. Por causa disso foi demitido por Jair Bolsonaro. Ou seja, ele revelou que a febre estava alta e com raiva, o presidente quebrou o termômetro.

Lawfare pode, Arnaldo?

Gostar ou odiar torna o juiz eticamente impedido de julgar o processo do réu . Quando para o magistrado o processo tem capa, significa que a condenação caracteriza a prática de Lawfare (usar a lei para condenar adversário político). Sendo assim, o correto seria a anulação da sentença. Então por que, apesar de todas as provas da existência de Lawfare a sentença do juiz moro no caso do triplex não foi anulada?

A economia brasileira está voando baixo

Cartas que abalam ainda mais o prestígio da Lava-Jato

Cartas da Petrobras a funcionários perseguidos mostra que a Lava Jato fez mais mal do que bem ao país.
---------------------- O jornal O Globo publica notícia sobre as duas mil cartas que a diretoria da Petrobras enviará a servidores investigados pela Lava Jato e que foram vítimas de acusações levianas, durante a histeria coletiva que os comandados de Sérgio Moro provocaram no país, a pretexto de combater a corrupção. A operação cometeu muitos exageros, levou inocentes à execração pública (tanto que agora a Petrobras se desculpa com seus funcionários perseguidos pela República de Curitiba) e para piorar, quebrou (literalmente) a indústria pesada da construção civil, desempregando mais de 300 mil trabalhadores. Tudo bem que recuperou muito dinheiro, mas os prejuízos foram bem maiores do que possa imaginar sua vã filosofia moralista. Ninguém é a favor da corrupção, mas o que a Lava Jato fez não foi apenas combater a corrupção, se corrompeu também e cometeu mais injustiça do que fez justiça…

Isso tudo acontecendo e vocês na praça dando milho aos pombos?

É impensável que alguém que foi por 28 anos um deputado medíocre melhore e de uma hora pra outra se transforme de defensor encarniçado da ditadura em democrata. Não nos iludamos: enquanto estiver na presidência Bolsonaro vai tentar dar um golpe na democracia. A oposição está nas cordas, a grande mídia, sempre refém das verbas públicas briga com os fatos e entidades historicamente de luta, se encolhem e sussurram insatisfação invés de gritar. Nessa hora é que me pergunto: por onde andam a OAB, a CNBB, a ABI? Cadê o Poder Judiciário? Onde se escondem as bancadas de oposição na Câmara e no Senado?


Mais que reflexão, um sinal de alerta

Mata-se o bom senso. A honestidade intelectual. A metralhadora ideológica é certeira. Mutila mais que a bomba atômica. Amputa gerações e capítulos da história. A caneta legislativa é implacável. Bons argumentos deixam apenas a guerra mais “sangrenta”. Qualquer absurdo sempre será justificado. Em nome de algo maior, que ninguém sabe muito bem o que é. Se estão fazendo, estão certos. Não há contraditório. Que se dane a ampla defesa. O atual governo é um choque cultural. A meu ver negativo, violento e perigoso. Útil apenas como um divisor de águas e para o autoconhecimento como nação. . Revista Carta Capital

A cultura do gatilho e a indústria da morte

Com a devida vênia e o antecipado pedido de desculpas pelo trocadilho infame, o comércio de armas disparou.E por que isso? Naturalmente porque há incentivo do governo, que criminaliza a arte e a literatura , mas em contrapartida, faz do gatilho uma sádica diversão.

"DIAS APÓS TOMAR POSSE como presidente da República, Jair Bolsonaro assinou o primeiro dos sete decretos sobre armas que ele editaria este ano. Quando canetou o decreto 9.685, Bolsonaro estava cercado de eufóricos parlamentares favoráveis à medida fazendo arminha. Mas há gente ainda mais sorridente: importadores de armas estão rindo como nunca antes na história desse país. com o decreto que flexibiliza a posse e a fissura no monopólio da Taurus, denunciada pelo Ministério Público por venda de armas com defeito, o número explodiu. Um relatório obtido pelo Intercept, feito com base em dados de importação de armamentos do Ministério da Economia, Comércio Exterior e Serviços, mostrou que o número de armas importadas aumentou…

O que já vimos até agora é o suficiente para não termos ilusão

Pelas pesquisas de opinião, há um brasileiro em cada dez que aplaude o governo Bolsonaro. Mesmo assim há que se perguntar, como faz o cientista político Marcos Coimbra, dono do Instituto Vox Populi :” Que cabeça é essa, de quem aceita os despropósitos que estão sendo cometidos na educação, no meio ambiente e na cultura, por exemplo? O que pensa quem não se envergonha com os fiascos e as declarações estapafúrdias do capitão?”  No tocante à segurança pública, pedra de toque do discurso belicista do “mito”, Coimbra observa: “ Bolsonaro e sua turma engrossam a voz e fazem arminha, mas não têm a menor capacidade ou vontade de enfrentar a criminalidade. Só o que podem exibir são fotos de pistolas na cintura e a imagem desbotada de um ex-juiz que alguns acham respeitável”. 

O que mais cresceu sob Bolsonaro foi a indústria da morte

. The Intercept Brasil:



"DIAS APÓS TOMAR POSSE como presidente da República, Jair Bolsonaro assinou o primeiro dos sete decretos sobre armas que ele editaria este ano. Quando canetou o decreto 9.685, Bolsonaro estava cercado de eufóricos parlamentares favoráveis à medida fazendo arminha. Mas há gente ainda mais sorridente: importadores de armas estão rindo como nunca antes na história desse país. O aumento começou já em 2018 – ano da campanha eleitoral inflamada pelo discurso pró-armas. Neste ano, porém, com o decreto que flexibiliza a posse e a fissura no monopólio da Taurus, denunciada pelo Ministério Público por venda de armas com defeito, o número explodiu. Um relatório obtido pelo Intercept, feito com base em dados de importação de armamentos do Ministério da Economia, Comércio Exterior e Serviços, mostrou que o número de armas importadas aumentou 1.473% este ano em comparação com 2016. Naquele ano, 2.390 armas foram importadas. Só em 2019 o número subiu para 37.589.

Trump dá um pé na bunda de Bolsonaro e o Brasil apega-se à China

Bolsonaro decidiu dispensar os americanos de visto sem pedir contrapartida; elevou de 600 milhões de litros para 750 milhões a cota de etanol importada dos EUA sem tarifa; transformou parte da Base de Alcântara, que será usada pelos americanos, numa espécie de base militar, uma vez que os brasileiros não terão acesso a parte do complexo; ficou a um passo de entrar na loucura de Trump, que achou que era a hora de derrubar Maduro América acima de tudo, e Trump acima da América. Ele está falando a Estados que competem com o agronegócio brasileiro e já está no modo "reeleição". Pois é… Se as ameaças se cumprirem, o Brasil se torna ainda mais dependente da China, que era o reino do mal a ser combatido, lembram-se?”, . Reinaldo Azevedo , na Folha

Cadê o Procon?

"Passei por Campo Mourão neste domingo. Encontrei etanol a R$ 2,88 (posto de bandeira). Em Maringá, o valor mais baixo praticado na bomba de combustível é R$ 3,23. Curioso, né?".

. Ronaldo Nezo , jornalista e professor

Fundamentalismo calibre 38

O estado é laico mas sob o governo Bolsonaro lideranças evangélicas mandam e desmandam, usando a Bíblia para justificar sandices como criminalizar a cultura e satanizar adversários políticos. Enquanto isso, o país perde prestígio no cenário internacional e chega a virar motivo de preocupação e chacota quando o assunto é meio-ambiente. Este cenário não tem precedente na história. A radicalização pela via religiosa aconteceu lá atrás com a TFP de Plínio Salgado e Plinio Correa de Oliveira, os agentes da profilaxia moral.
Hoje , o governo está cheio de ministros que se enxergam agentes da inspiração divina, nomeados para conter a libidinagem propagada pelas manifestações culturais, do cinema ao fank. Agora, o novo presidente da Funart coloca sua pitada de ignorância na narrativa, dizendo que as raízes do mal foram sepultadas na terra fofa do chão nos anos 50 e 60 por entidades satânicas como Elvis Presley e Beatles.
O discurso falso-moralista do governo Bolsonaro está sendo introjetado em …

É aí que mora o perigo

Bolsonaro vê inimigo imaginário em tudo que é canto. Por isso, trava uma briga diária com o bom senso, expondo o Brasil ao ridículo e ao perigo constante. Seu sonho de tornar o país em uma nova ditadura tem seguidores e não são poucos.

Água mole em pedra dura...

Bolsonaro boicota a Globo e a Folha; Crivela boicota O Globo. A gravidade disso está no fatio de que os ataques não são aos veículos apenas, é uma tentativa clara de acabar com a liberdade de imprensa e uma investida furiosa contra a democracia. Por enquanto são apenas espasmos de sandices de um presidente da república que sonha com o golpe e aposta na teoria da "da água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". Causa perplexidade a maneira tímida como a oposição reage, a cumplicidade da mídia tradicional, inclusive da própria Globo que apanha mas prefere não se afastar muito das verbas publicitárias . Causa espanto a contemplação sem reação de instituições respeitáveis como OAB, ABI, CNBB e os próprios poderes Legislativo e Judiciário. Não é possível que a democracia brasileira, que ainda parece sólida, vá se alquebrar diante de um protótipo de Hitler.