Pular para o conteúdo principal

Cartas que abalam ainda mais o prestígio da Lava-Jato




Cartas da Petrobras a funcionários perseguidos mostra que a Lava Jato fez mais mal do que bem ao país.
----------------------
O jornal O Globo publica notícia sobre as duas mil cartas que a diretoria da Petrobras enviará a servidores investigados pela Lava Jato e que foram vítimas de acusações levianas, durante a histeria coletiva que os comandados de Sérgio Moro provocaram no país, a pretexto de combater a corrupção.
A operação cometeu muitos exageros, levou inocentes à execração pública (tanto que agora a Petrobras se desculpa com seus funcionários perseguidos pela República de Curitiba) e para piorar, quebrou (literalmente) a indústria pesada da construção civil, desempregando mais de 300 mil trabalhadores. Tudo bem que recuperou muito dinheiro, mas os prejuízos foram bem maiores do que possa imaginar sua vã filosofia moralista. Ninguém é a favor da corrupção, mas o que a Lava Jato fez não foi apenas combater a corrupção, se corrompeu também e cometeu mais injustiça do que fez justiça.
Moro comandou todo o processo junto com o procurador Dallagnol e virou praticamente um pop star. Depois se mostrou mais político do que magistrado, ao favorecer Bolsonaro na campanha e depois aceitar o convite para ser ministro desse, ante a promessa de lhe garantir uma cadeira no STF, já que é o presidente da república quem indica o ocupante de uma cadeira vaga na Suprema Corte. No final do ano que vem ficará vazia a cadeira do decano Celso de Mello, que se aposenta compulsoriamente por idade.
O então juiz Sérgio Moro não conseguiu esconder sua grande obsessão, que era a conquista do grande troféu que o levaria, na sua e na visão de muitos, ao pódium da história: o troféu atendia pelo nome de Luís Inácio Lula da Silva. Prendê-lo seria a glória e o êxtase. E fez isso por meio de uma sentença que muitos juristas famosos apontaram como inconsistente e que o The Intercept Brasil revelou estar repleta de vícios de origem. A contaminação da sentença sobre o Triplex se repetiu na do Sitio de Atibaia, quando a juíza que substituiu Moro, fez ctrl C ctrl V para tascar mais alguns anos de cadeia pra cima do ex-presidente.
Parece tão claro quanto água de bica que estamos diante de um escandaloso lawfare ( utilização da lei e dos procedimentos legais pelos agentes do sistema de justiça para perseguir quem seja declarado inimigo).


Comentários

Anônimo disse…
1. Não tenho dúvidas de que a maioria das perseguições foram motivadas pela assumida ideologia política do funcionário.
2. Os prejuízos da lavajato à Nação e à População Brasileira são muito maiores do que se pode conceber e por décadas, talvez séculos, pagaremos por eles.
Renata disse…
A vaza jato não larga o osso. O foco pra variar é sempre o Lula e o PT. Fazem uma festa na mídia, quando fica provado que não havia nada, não dão nem uma nota na mídia e nem pedem desculpas. Isto quando não condenam mesmo sem provas. Tudo pra implementar um governo de direita antipovo tipo Chile.
Irineu disse…
O Ministério Público de Curitiba vai mandar investigar se o pau-de-arara que trouxe Dona Lindu, mãe do Lula, de Garanhuns para São Paulo, estava devidamente regularizado no Detran, se a passagem dela com os filhos não foi financiada por algum partido político de esquerda e se o caminhão não veio por uma estrada construída por alguma empreiteira suspeita. Em se tratando de perseguir a família do Lula, Curitiba tem prioridade sobre a justiça de qualquer parte do Brasil.
Irineu disse…
A tortura é inevitável quando se passa do limites. Os donos da verdade, em posição de poder de estado, inevitavelmente chegarão a torturar aqueles que os contestam, que não lhes "agradam".
É inevitável.
Um dia pagarão por este horroroso crime.

Lula tem que partir para cima de quem inventa versões para lhe prejudicar e a sua família. Tem que pedir indenização alta a esses promotores e policiais que usam o cargo para fazer política..

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …