Pular para o conteúdo principal

Não se deixe derrotar por um mosquitinho metido a besta como esse aí


Comentários

Décio disse…
Praga igual a dengue somente o ex-ministro corrupto:

Moro e o paraíso das milíciaspor Jeferson Miola, em seu blog

A Polícia Federal, controlada e aparelhada por Sérgio Moro, conseguiu uma proeza impossível de ser superada.

Apesar do aumento fantástico do patrimônio de Flávio Bolsonaro sem comprovação legal, a Polícia de Moro não encontrou indícios de crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica no inquérito que investiga as “rachadinhas” dele com Fabrício Queiroz mais a mãe e a esposa do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega.

Em outro inquérito que investiga estas mesmas suspeitas, entretanto, o Ministério Público do RJ identificou indícios de que Flávio Bolsonaro e parceiros praticaram crimes de peculato, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

Para o MP, diferentemente da PF, Flávio Bolsonaro “lavou até R$ 2,3 milhões com transações imobiliárias e com sua loja de chocolates”.

Conforme reportagem da Folha de São Paulo, “no inquérito em andamento o Ministério Público disse ter encontrado suspeitas de que o senador usou recursos em espécie na compra de apartamentos com o objetivo de lavar dinheiro da ‘rachadinha’ da Assembleia Legislativa”.

O MP do RJ suspeita, inclusive, que os valores dos imóveis registrados por Flávio nos cartórios não sejam verdadeiros.

A reportagem da Folha diz que

“Na investigação da PF, porém, não foram apontados indícios nesse sentido”, e lembra ainda que “Flávio entrou na política com um Gol 1.0, em 2002 e, 15 anos depois, quando se candidatou ao Senado, tinha 2 apartamentos e 1 sala que, segundo a prefeitura, valem R$ 4 milhões. Ele realizou operações envolvendo 19 imóveis”.

Como esperado, Flávio Bolsonaro celebrou o simulacro de investigação da Polícia do Moro: “quando a investigação é isenta, só tem esse resultado possível” [sic].

No último 31 de janeiro, Moro já advogara em favor do entorno do clã.

Ele excluiu o miliciano foragido Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe do Escritório do Crime – milícia de matadores de aluguel suspeita de envolvimento no assassinato da Marielle e Anderson – da lista dos bandidos mais procurados do país.

Adriano da Nóbrega é também acusado de, em agosto de 2019, ter ameaçado de morte Simone Sibílio, promotora do MP do Rio de Janeiro que integra a equipe de investigação do assassinato de Marielle.

Antes disso, no final de dezembro, Moro cometeu crime de responsabilidade ao não assumir a investigação, como manda a Lei Antiterrorismo, e deixar fugir do país o terrorista e militante bolsonarista Eduardo Fauzi, que em 24 de dezembro de 2019 perpetrou atentado a bombas contra a sede do Porta dos Fundos.

Nem nos melhores sonhos as milícias conseguiriam idealizar um paraíso político e, sobretudo, institucional, tão favorável para sua atuação como sob o bolsonarismo.

Com Moro no comando da Gestapo – a PF convertida em polícia política do Estado Policial –, as milícias alcançaram a utopia de viver num verdadeiro paraíso no qual podem desenvolver tranquilamente seus negócios ilícitos, dominar mercados e territórios, controlar nacos de partidos políticos, assassinar inimigos e, em consequência, ocupar o coração do poder no Brasil.
Anônimo disse…
E a prefeitura de Maringá es tá fazendo a parte dela?Não! faltam veneno, uniformes e mais agentes da dengue, enquanto isso....Maringá tem agora o Maringá Skate Park e logo terá a pista emborrachada de quase 5 milhões de reais do Park do INgá, vai vendo....
Zé disse…
O mosquito gosta de lixo, de povo relaxado, mulambento... O mosquito esta no paraíso dos mosquitos, no Shangri-la dos relaxados.. Esse país é um esgoto a céu aberto, todo mundo espera o governo vir cortar sua grama na calçada de casa...Pior, nem do seu quintal eles cuidam...

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …