Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

REFORMA TRABALHISTA:

Fique de olho no parlamentar que traiu seu voto
Ao contrário da Comissão de Assuntos Sociais a de Constituição e Justiça aprovou o parecer de Romero Jucá e agora quem vai decidir a parada vai ser o plenário do Senado. O governo ímprobo e caindo de podre de Michel Temer tem pressa, porque vê na Reforma Trabalhista a sua tábua de salvação. O negócio é entregar ao deus mercado essa armadilha contra o trabalhador, porque o governo e seus apaniguados imaginam que dessa forma os investidores continuarão comprando títulos da dívida pública e o empresariado ajudarão na retomada da atividade econômica plena, dando mais empregos e fazendo a roda da economia girar com a rapidez necessária. Não precisa ser economista para saber que isso é pura balela. Querem colocar na conta dos direitos trabalhistas os custos da contratação , como se o que encarece a folha de pagamento não fossem os encargos sociais que incidem sobre ela. Alguns pontos da reforma aprovada pela Câmara dos Deputados e agora pelas …

Ameaças reais aos direitos dos trabalhadores

A CLT começou a ser duramente golpeada com a terceirização. Continuou sendo demolida com a aprovação, pela Câmara, da Reforma Trabalhista que agora tramita no Senado, onde o governo sofreu sua primeira derrota com a rejeição do parecer do senador Ferraço. Mas o relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça, Romero Jucá, envolvido até a medula na Lava-Jato faz o diabo para aprovar seu relatório, que começa a ser discutido amanhã na CCJ.
As centrais sindicais estão fazendo marcação sobre os senadores da base governista, que estão com um olho nas benesses oferecidas pelo Palácio do Planalto e nas eleições do ano que vem, quando podem levar invertidas caso traiam a confiança do povo. Como diria o Tiririca: é uma faca de dois legumes.

O negociado sobre o legislado

Veja onde,como e porque foi iniciado o processo de impeachment contra Dilma

O discurso que irritou Joesley e o fez comprar Cunha e vários deputados para cassar Dilma. O dono da JBS não queria Kátia Abreu no Ministério da Agricultura. Dilma o afrontou, mesmo tendo sido ele um grande doador da sua campanha de 2014, e nomeou a senadora: