15 de julho de 2018

NÓIS É NÓIS FC


Viva o dna africano da França!


Um grande jogo com vitória merecida da França. Como eu disse antes, seria difícil misturar geopolítica com a arte de jogar bola. Ainda que o amigo Ganchão tenha me puxado um pouco para o lado da França com sua observação de que os croatas são adeptos da Ustasha (movimento pró nazista), não resisti à tentação de torcer pela arte de jogar bola do cracaço Modric

Que belo futebol o da Croácia ! E isso era o que mais importava. Porém, a França foi mais time, embora os croatas, mais raça. Prevaleceu o mais time, com um placar incontestável de 4 a 2.
Então, viva a diversidade étnica e racial ! Viva o dna africano da França, que um dia antes de comemorar o bi-campeonato mundial tinha festejado os 229 anos da queda da Bastilha !

13 de julho de 2018

É chegada a hora de municipalizar




Não é possível que a mídia tradicional, principalmente a eletrônica (Globo à frente), vá continuar calada em relação a mais um crime de lesa pátria praticado pelo presidente  TEMERrário . No último dia 6, ele editou uma medida provisória que, na prática, revoga as Leis 9.984/2000 e 11.445/2007. As duas leis criaram a Agência Nacional de Águas (ANA) ao mesmo tempo em que estabeleceram diretrizes nacionais para o saneamento básico.
A MP 844  prevê a privatização dos sistemas de água e esgoto da maioria das cidades brasileiras. Só os municípios economicamente rentáveis  poderão se safar da privatização. Poderão, porque os que pensam, como Temer, que água é mercadoria a ser comercializada na bolsa de valores, virão com tudo pra cima das companhias estatais (caso da SANEPAR, já semi-privatizada) e dos prefeitos onde o saneamento é municipalizado.  
Por isso, este é o momento de Maringá dar todo o apoio ao prefeito Ulisses Maia, para que ele realmente municipalize o serviço  de água e esgoto da cidade e , uma vez feito isso, resista a pressão, que vai vir com tudo pra cima dele e dos vereadores.

Crivella, um exemplo a ser combatido. Mas não com a mesma motivação da Globo


SE PECADO CAPITAL EXISTE, O USO DA BÍBLIA COMO PLATAFORMA DE CAMPANHA É UM DELES

O caso dos sucessivos pedidos de impeachment contra o prefeito do Rio Marcelo Crivella deve ser visto por pelo menos dois ângulos - o da transformação do ente federativo em extensão da Igreja Universal, o que é um absurdo, pois o estado é laico e o da fritura a que o sobrinho de Edir Macedo foi submetido pela Rede Globo, que se sente cada vez mais incomodada com a Rede Record nos seus calcanhares.
A Globo detona Crivela com o mesmo apetite com que detonava Brizola, ameaça constante ao império dos Marinho. Para entender melhor a ira da Globo contra o prefeito do Rio basta ver esses números, divulgados pelo site Nocaute, do Fernando Morais:
“O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes aumentou os gastos com publicidade em mais de 4.000% (de R$ 650 mil a R$ 29 milhões de reais), no primeiro ano como prefeito. No final do primeiro mandato de Paes o valor chegou a R$ 150 milhões. O Grupo Globo foi o principal destinatário dessa montanha de dinheiro. Em 2015, final do segundo mandato de Paes, a Prefeitura do Rio destinou R$ 23 milhões à Globo. Rivella, que é bispo licenciado da Igreja Universal, cortou as verbas publicitárias destinadas à Rede Globo e começou a dar ao grupo o mesmo tratamento dispensado aos demais veículos de comunicação. Com isso, o conglomerado dos Marinho deixou de faturar quase R$ 50 milhões de receita no ano passado”.
A gestão Marcelo Crivella, no entanto, pode servir como exemplo do mal que a mistura de política com religião faz à democracia. Segundo apuração do Ministério Público, o prefeito prioriza a nomeação de seguidores da Igreja Universal nas nomeações para os cargos comissionados na administração municipal do Rio. Além disso ele é acusado de oferecer facilidades a pastores e freqüentadores da Universal no atendimento pelo SUS, bem como no pagamento de impostos.
É preciso que os formadores de opinião se debrucem sobre essa questão complexa da participação dos evangélicos na política. Não por serem evangélicos, mas os candidatos que pertencem a qualquer das denominações religiosas não podem usar a Bíblia como palanque das suas campanhas. A facilidade que eles têm de cooptar corações e mentes com seus discursos religiosos é grande e isso cria uma distorção brutal, porque para os políticos pastores quem segue suas orientações é de Deus, quem as contraria, é do diabo.
Tenho parentes e amigos evangélicos, que merecem o maior respeito e admiração pela fé inabalável que ostentam. Mas não dá para confundir a Bíblia Sagrada com a sagrada Constituição da República. Nesse sentido, a bancada evangélica , que só está que cresce no Parlamento é um desserviço ao país.
Vamos prestar mais atenção ao sábio provérbio português, segundo o qual “uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”.

12 de julho de 2018

Entenda porque RB fala em ser candidato a presidente



Os analistas políticos, principalmente do Paraná, estão desde ontem se debruçando sobre o anunciado desejo de Ricardo Barros ser candidato a presidente. A leitura que faz, por exemplo,o experiente jornalista político Cícero Catani, é de que isso pode fazer parte da estratégia do Palácio do Planalto de usar Barros para minar a debandada do centrão para a candidatura Ciro Gomes. Michel Temer teria ameaçado tirar o PP do governo caso pepistas continuem acenando para o candidato do PDT. E falou em perder a fatia do partido no banquete palaciano Ricardo e seus correligionários  se inquietam.

Se Michel Temer avaliar que a candidatura de Ricardo a presidente é o mecanismo que ele precisa usar para evitar que o PP corra para os braços de Ciro Gomes, Ricardo será candidato. Mesmo  sabendo que isso poderá afundar de vez a candidatura da esposa Cida Borghetti a governadora do Paraná. Catani lembra, a propósito, que Ricardo Barros não bate prego sem estopa.

11 de julho de 2018

Dá-lhe Croácia!





Depois de se declarar independente da Iugoslávia em 1991, de ter que enfrentar uma guerra com a Sérvia,  mas e recuperar todos os seus territórios ocupados   a Croácia cresceu no esporte e entra nessa Copa do Mundo como uma potência do futebol. Por ironia do destino tirou hoje das finais da Copa do Mundo justamente os inventores do esporte bretão.
Confesso que depois de torcer pela Bélgica, e perder, eu estava disposto a torcer pela Inglaterra, pela simples e boa razão de que ingleses e franceses fariam uma final de arrepiar no domingo. Mas quando o jogo começou, minha tendência de sempre torcer pelo (teoricamente, pelo menos) mais fraco, acabou prevalecendo. Até porque depois de sair atrás no placar, os croatas mantiveram a mesma pegada e sem se abater em nenhum momento empatou no  segundo tempo, levando o jogo para a prorrogação. Mais inteira, inclusive emocionalmente, venceu no tempo extra e vai fazer a final com a França.
Foi a terceira prorrogação da Croácia nesta copa, vencendo as duas partidas anteriores nos pênaltis. Então, um time desse merece respeito. Sem contar que joga o fino da bola. Em desvantagem em relação aos franceses, do ponto de vista físico, terão pouco tempo de se recuperar. Mas no futebol nem só a técnica prevalece, como ficou provado hoje. Contra a França  domingo, sou Croácia desde criancinha.

9 de julho de 2018

O dia em que um juiz de 1a. instância tripudiou sobre um desembargador


Sempre ouvi dizer que decisão judicial não se discute, cumpre-se e depois recorre-se, para anulá-la se for o caso. E o que acontece quando um juiz de primeira instância desqualifica o despacho de um magistrado hierarquicamente acima dele?

O juiz Moro parece mesmo ter se transformado numa espécie de “vaca sagrada” da mídia tradicional, principalmente do sistema Globo de Comunicação. Durante toda a tarde de ontem e manhã de hoje,  os “juristas” globais (Gerson Camarotti, Merval Pereira e pasmem, até o dublê de analista econômico, Sardemberg) detonaram o desembargador Rogério Favreti, sem no entanto fazer qualquer referência a atitude descabida (neste caso específico) do juiz de primeira instância Sérgio Moro, que cada vez mais, se auto-declara algoz do ex-presidente Lula.

Hierarquicamente abaixo de Favreti, Moro tentou desqualificar o despacho do desembargador do TRF-4, questionando a sua competência para decidir favoravelmente a um pedido de habeas corpus em favor do réu preso. O caso, entenderia qualquer cidadão medianamente informado,  não está mais afeto a Moro, porque apesar de ser o autor da sentença original, não é ele o responsável pela execução penal. Some-se a isso o fato de estar de férias, fora do país segundo consta, e por telefone, deu ordem para a Polícia Federal descumprir a ordem judicial de um magistrado da segunda instância.

Não precisa ser advogado para compreender que o juiz Moro agiu politicamente. Não precisa nem recorrer a um jurista pró-Lula para ver que Moro anda querendo brincar de Deus. Basta ler este relato da repórter Bela Megale, do insuspeito (no caso) o Globo:
“Por volta das 10h, o delegado Roberval Ré Vicalvi chegou à Superintendência e passou a centralizar a operação, recebendo as ligações dos magistrados e da cúpula da corporação. O primeiro a entrar em contato foi o juiz Sergio Moro, que destacou a ordem de não soltar Lula após o seu despacho afirmando que Favreto não tinha competência para decidir sobre o caso. [na verdade, “seu despacho” de gogó, porque o “de papel” tem registro às 12:05 h].

Naquele momento, Moro, que trabalha sempre em sintonia fina com a PF, já tinha falado com integrantes da cúpula dos policiais que poderiam manter Lula preso com base na decisão dele. O delegado chegou a argumentar com Moro que seu despacho não tinha validade de contra-ordem à determinação do TRF-4 e que ele não poderia manter o petista preso.

Diante da insistência do magistrado, Ré Vicalvi ligou para seus superiores que o ordenaram a cumprir o pedido de Moro e manter Lula na cela”.
O que veio depois foi a manifestação do relator da Lava-Jato no TRF-4 , João Gebran Neto, validando a desqualificação do despacho do colega de tribunal e dando guarida a um magistrado de instância inferior.

Que não me venham dizer que o que comento aqui é coisa de simpatizante do petista, porque não é esse o caso. O caso concreto é que, o descumprimento de uma ordem judicial superior, por quem caberia apenas obedecê-la , põe em xeque a saúde das instituições e dá margem a questionamentos do tipo “que país é este?”.

8 de julho de 2018

O xadrez da sucessão


O PT vai levar a candidatura do Lula até 15 de agosto, data limite para registro das chapas de presidente no TSE.  Só apartir de então, o Tribimal Superior Eleitoral vai examinar as condições de elegibilidade (ou inelegibilidade) de Lula e dos demais concorrentes. O que deverá acontecer é que Lula não passará pelo filtro daquela corte, que é presidida pelo ministro Luiz Fux. Mas caberá recursos e aí, Lula continuará candidato, porque a Lei Eleitoral prevê que enquanto não se esgotar a possibilidade de recorrer, o petista será candidato. Moral da história: engana-se quem pensa que o Partido dos Trabalhadores está pensando em plano B.

Essa realidade  aumenta as chances de Bolsonaro, que exatamente por isso vai continuar buscando a polarização com Lula, colocando-se no outro extremo e, claro, alimentando a PTfobia, que pode ser traduzida nessa carga irracional de ódio do petista que toma conta do país.
É possível que tenhamos um quadro diferente quando a campanha começar pra valer? É possível sim, mas aí vai depender do poder de articulação de Ciro Gomes e da musculatura que ele irá acumular até o fechamento das convenções. Não é por outra razão que ele está batendo em Bolsonaro, que é de uma fragilidade discursiva de dar inveja ao Tiririca.
Outro cenário que pode ser favorável ao pedetista é o da rasteira que Fernando Henrique e Michel Temes tenta passar em Geraldo Alckmin, que seria substituído na disputa por João Dória. Dória sim, se identifica imediatamente com a extrema direita e seria, a rigor, o grande adversário de Bolsonaro. Se ele for candidato, a possibilidade dos dois morrerem abraçados é muito grande.

Portanto acho, modestamente, que FHC e o TEMERário MiSHELL prestariam um grande serviço para o Brasil, se defenestrassem  o “picolé de chuchu” e colocassem na pista  o “Mauricinho da Paulicéia” .

Vão, enfim, corrigir as cagadas do "Transtorno Norte"

” O deputado federal Ricardo Barros (Progressistas) e o coordenador de projetos governamentais da Prefeitura, Marco Meger, se reuniram, nesta quarta-feira (4), com o diretor de planejamento e pesquisa do DNIT, André de Araújo, para tratar do projeto de duplicação dos viadutos do Contorno Norte. Barros destacou ao DNIT a relevância do projeto para […]”.

. Blog do Diniz Neto

Meu comentário: continuo intrigado com o fato de que ninguém questiona o absurdo que foi fazer   o Contorno Norte , que eu prefiro chamar de Transtorno Norte, com aqueles viadutos saci. E nisso não culpo apenas os irmãos Barros (Ricardo e Silvio). O governo do PT também pisou feio na bola, ao liberar , via Ministro Paulo Bernardo, esta anomalia. Lembro  que em 2006 , quando o então Ministro do Planejamento  assinou a primeira ordem de serviços para a execução do projeto, o custo anunciado para a obra era de R$ 176 milhões. Acabou passando dos R$ 400 milhões. Um escárnio.
Nunca é demais ressaltar que o Contorno (que não contorna) foi projetado com aquele traçado há mais de 30 anos pelo então prefeito Said Ferreira, quando ali era só café. Quando o projeto começou a sair do papel, a região já estava densamente povoada e a tal via expressa acabou virando uma avenidona perigosa, que  transforma os bairros localizados do lado Norte  em bairros de Soweto, pois dificulta (e muito) a ida e vinda de quem mora do lado de lá e portanto, segrega. Sem contar que fizeram duas marginais perigosíssimas, com passarelas  que mais expõem do que protegem do perigo de atropelamento  os pedestres que delas se utilizam.

7 de julho de 2018

DEIXEM-NO FALAR!


De um comentarista da Jovem Pan sobre Bolsonaro:
“Querem derrotar Bolsonaro? Deixe-no falar. Abram os microfones e deixem-no falar à vontade. Porque qualquer eleitor medianamente informado verá que ele não tem condições mínimas de ser presidente. É um tosco, com total desconhecimento sobre a natureza da atividade pública. Não sabe direito nem qual é na verdade o papel de um parlamentar, mesmo sendo deputado de vários mandatos. O que esperar de um presidenciável que diz que o sistema carcerário brasileiro não está saturado, porque preso é mesmo para ficar empilhado? Qque presidenciável repetiria que seu negócio é comer gente? Ou diria que os quilombolas não servem nem para procriação e que são pesados em arroba?”.