Pular para o conteúdo principal

O falso discurso da proposta banaliza o debate

A Associação Comercial de Maringá lança nessa sexta-feira ao meio dia a campanha “Voto Consciente”. O objetivo, pelo que parece, é chamar a atenção para o abuso do poder econômico na campanha. Tomara que isso tome corpo e a repulsa à ostentação contamine a cidade. Não é possível que o eleitorado vá se deixar levar novamente pelo excesso de exposição e pelo show de computação gráfica que verá nos programas de TV.

Por falar nisso, a expressão PROPOSTA será pronunciada à exaustão. Vai ter candidato enchendo a boca para falar “propoooooosta”. Penso que programa de governo qualquer um pode ter, e bom programa, elaborado invariavelmente por equipe de técnicos altamente qualificados. Mas o discurso da PROPOOOOOOSTA não pode inibir o debate político, da confrontação de idéias e de biografias. A campanha é o espaço da apresentação de proposta de governo, mas é também o espaço da denúncia. Pela simples e boa razão de que o engessamento do debate eleitoral com a banalização da palavra PROPOSTA, é antes de tudo, desrespeitoso ao eleitor.


Então é assim: quem não tem passado limpo que não se exponha aos holofotes da democracia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eudes venceu a Covid e está em casa. Parabéns, grande santista!

O Eudes Januário, ex-secretário municipal do Meio Ambiente (gestão Zé Cláudio/João Ivo) ficou 51 dias na UTI do Hospital Municipal com a Covid 19. Foi entubado e passou por momentos difíceis. Hoje de manhã ele recebeu alta e já está em casa com a família. Venceu o coronavírus, o grande santista Eudes.

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?