29 de julho de 2015

Vem aí mais 8% na água

O governador Beto Richa autorizou novo reajuste na tarifa de água. Já foram vários este ano, a água quase dobrou de preço e agora vem mais 8% na cabeça. Lembro a propósito que no último governo Requião, que ficou 4 anos sem autorizar aumento de tarifa pela Sanepar, o governador deu um pito publicamente no presidente da companhia, Stênio Jacob quando este foi pedir liberação de reajuste: "Olha aqui Stênio, primeiro vocês reduzam as perdas e a margem de lucro dos acionistas privados para depois me pedir aumento". Claro, Stênio não falou mais no assunto

O níver do governador


Fotos: Blog do Esmael


Professores se concentraram hoje às 6:30hs em frente a um prédio  no luxuoso bairro Ecoville (Curitiba)  para comemorar os 50 anos do governador do Paraná. Muito humor e show de ironias. Até  vizinhos de sua Excelência saíram nas janelas dos apartamentos para engrossar o coro do “fora Richa”. Informa-se que Beto não estava em casa, pois ssoube antecipadamente do protesto.

28 de julho de 2015

O ovo da serpente

    . Por Roberto Amaral (jornalista,professor e ex-presidente nacional do PSB):

“O ovo da serpente tem uma característica especial: ele não tem casca, mas sim uma película muito fina e transparente que permita que se veja o embrião se desenvolvendo. O que quero dizer com essa metáfora é que nós estamos vendo o desenvolvimento de um embrião fascista no Brasil. Está em nossas mãos a decisão. Podemos deixar esse embrião crescer, sair desse ovo e amanhã picar o nosso calcanhar, ou podemos esmagá-lo agora. O ovo da serpente permite que vejamos à frente. Estou tentando chamar a atenção, não só da esquerda, mas das forças progressistas e democráticas em geral, para a ameaça de um grave retrocesso político e ideológico no País. Esse retrocesso não se mede apenas pela crise dos partidos, em particular pela crise dos partidos de esquerda e, de modo mais particular ainda, pela crise do PT. Tampouco se mede apenas pela crise do governo Dilma. Ele se mede, fundamentalmente, pela ascensão de uma opinião, que já está se tornando orgânica, de retrocesso conservador.”

25 de julho de 2015

Chavez, Lula , EUA e a "Lava-Jato". O que tem a ver?




Não é de hoje que a corrupção graça no setor público, principalmente em licitação de grandes obras. Mas jamais os corruptores  sofreram qualquer investigação e muito menos punição. Hoje, empreiteiras de porte internacional estão caindo em desgraça com a prisão de seus diretores (e proprietários). Marcelo Odebrecht está atrás das grades, mas será que suas falcatruas teriam sido denunciadas e ele encarcerado, não houvesse participação efetiva da empresa dele na construção de obras estruturantes na Venezuela de Hugo Chaves? Agora, por exemplo, cresce a vigilância dos Estados Unidos sobre Lula e Marcelo, este por ter sido a ponte que ligou a gigante da construção civil ao demonizado Chaves, que os norte-americanos sempre quiseram  ver pelas costas, por razões bastante óbvias, diga-se de passagem. Afinal, Chaves colocou fim à farra das multinacionais do petróleo e derivados e não permitiu que os ianques crescessem os olhos pra cima do gigantesco lençol  descoberto no Vale do Orinoco, onde há mais petróleo do que na Arábia Saudita.
                                  

As relações Brasil de Lula e Venezuela de Chaves, geraram inquietação na diplomacia americana, como revela agora, matéria do jornal O Estado de São Paulo. O Estadão fala de bilhetes e  e-mails  disparados pelo governo americano a embaixadores na América do Sul, alertando para uma possível falta de licitação para obras contratadas com a Odebrecht , entre elas uma ponte sobre o Rio Orinoco e o metrô de Caracas.
Segundo o Estadão “ em 13 de novembro de 2007, outro telegrama voltava a falar das relações entre a Odebrecht e a diplomacia venezuelana. Desta vez, o alerta havia partido do então senador Heráclito Fortes, ex-DEM e atualmente deputado pelo PSB do Piauí. No dia 5 de novembro, ele telefonou para o embaixador americano em Brasília, Clifford Sobel, para pedir para ter uma conversa "ao vivo" com o diplomata. "Ele pediu um encontro urgente para levantar um assunto que ele não poderia falar pelo telefone", explicou o telegrama.
O assunto era a relação entre Venezuela, Irã, Rússia e o governo brasileiro. Fortes explicaria no encontro com o embaixador que "a diplomacia oficial venezuelana é cada vez mais comercial, com enormes contratos para empresas como a gigante brasileira Odebrecht, que então faria lobby pela Venezuela".

Isso deixa claro o envolvimento do governo dos Estados Unidos na campanha de demonização do governo petista de Lula , e por extensão o de Dilma, bem como a satanização de Hugo Chavez, que morreu mas deixou o fantasma do chavismo sobrevoando o céu de Caracas e dando rasantes em países vizinhos, inclusive no Brasil.

24 de julho de 2015

Está pulando fora do ninho tucano



Está no blog do Fábio Campana:
"Nestes dias, o senador Alvaro Dias se dedica à costura política. É um craque. Em vários movimentos coordenados negociou sua ida para o PSB, sua saída honrosa do PSDB nacional, acertou-se com o irmão Osmar, que está no PDT e nas hostes de Dilma Rousseff, e atraiu Requião, do PMDB, para o seu projeto.
Agora costura a aliança de vários partidos menores. Tudo isso sem muito alarde para não estragar o alinhavo do PMDB e a costura invisível de setores do tucanato nativo que o acompanham".

23 de julho de 2015

Fidel, o profeta


O jornal argentino Clarín publicou hoje reportagem sobre o reatamento das relações Cuba-Estados Unidos. E fez uma revelação surpreendente:  num encontro com jornalistas, respondendo a uma pergunta sobre perspectiva do reatamento que hoje ocorre, 42 anos depois , o líder cubano disse: "O reatamento das relações entre Cuba e os EUA ocorrerá quando os americanos tiverem um presidente negro e o mundo, um papa latino-americano".


22 de julho de 2015

Sindicato dos Jornalistas divulga nota de repúdio a assédio moral


O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná divulgou hoje uma nota de repúdio aos atos de assédio moral denunciados por jornalistas, técnicos radialistas e estagiários, ocorridos na Fundação Cesumar, do Unicesumar. A fundação foi criada em 99 para operar a TV Cesumar/Canal Futura e a Rádio Universitária Cesumar, ambos de caráter educativo e sem finalidade comercial, destinados ao estágio e aperfeiçoamento dos acadêmicos dos cursos de Comunicação Social (Jornalismo e Publicidade e Propaganda) da Unicesumar. O assédio foi denunciado pelo sindicato àquele centro universitário como responsável pela demissão de 15 pessoas no período de um ano; o centro universitário nega a ocorrência dos abusos. Além de manifestar solidariedade, o sindicato diz que estará ao lado dos denunciantes “na busca de melhores condições de trabalho e de aprendizado dos alunos”.
Confira a íntegra da nota: 
“O Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná vem, por meio desta, repudiar os atos de assédio moral denunciados por jornalistas e também por técnicos radialistas e estagiários que trabalham ou que já trabalharam na Fundação Unicesumar especificamente Rádio e TV UniCesumar. Reiteramos, como uma pauta já expressa pela entidade, que todo e qualquer tipo de abuso, agravado pela manipulação através das relações de poder instituídas pela hierarquia da empresa, são absolutamente inaceitáveis. Tais práticas ferem não apenas a ética das relações trabalhistas, mas o próprio processo de construção do conteúdo jornalístico e a responsabilidade das instituições na disseminação da notícia. O sindicato também repudia a utilização de técnicos radialistas e de estagiários em funções jornalísticas sem a devida orientação, tampouco sem a devida remuneração estabelecida pela convenção trabalhista em negociação realizada entre o sindicato dos jornalistas e o sindicato patronal. Torna-se um agravante o fato da Rádio e TV UniCesumar funcionar dentro das instalações da instituição de ensino homônima, a UniCesumar, e à qual está diretamente vinculada, já que, por possuir uma natureza focada na educação, deveria primar pelo desenvolvimento da ciência, da tecnologia e da inovação a serviço de seu povo e na diminuição das desigualdades e injustiças. A UniCesumar jamais poderia admitir que seus jovens cientistas que estagiam na Rádio e TV UniCesumar construam suas pesquisas e suas carreiras vivenciando exemplos de coação e opressão. O assédio é prática recorrente na sociedade e, infelizmente, foi reproduzido na academia e em uma Rádio e em uma TV de concessão pública que deveriam primar pela ética e pela qualidade de seu conteúdo jornalístico. Relembramos que muitas vezes o assédio é estimulado, e repetidamente praticado, ancorando-se na perspectiva de impunidade e permissibilidade corporativista. Discordamos da posição da procuradoria jurídica da UniCesumar que refutou que os atos de assédio estivessem acontecendo, mesmo diante de 15 demissões registradas em um período de um ano. Acreditamos que essas práticas não são novidade na empresa, já que as poucas vozes que ousaram denunciar e tornar públicos os assédios sofridos sofreram represálias. Entendemos que na universidade deve prevalecer a democracia com senso de justiça, talvez de maneira ainda mais especial, pois é o espaço de construção e autorreflexão da sociedade, portanto esse tipo de abuso é inaceitável. Além disso, o Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná relembra o aspecto o humano da questão, cuja relevância jamais está inferiorizada por qualquer hierarquia acadêmica. Vale lembrar que um dos ex-funcionários ainda está sob tratamento psiquiátrico diante da pressão à qual era submetida, inclusive com desrespeito à sua religião. Portanto, o Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná solidariza-se com os profissionais e com os estudantes que denunciaram os atos de assédio moral ocorridos na Fundação UniCesumar e reafirma o compromisso de combater o assédio na sociedade e estar ao lado dos denunciantes, fazendo valer essa representação, na busca de melhores condições de trabalho e de aprendizado dos alunos.”
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná“.

20 de julho de 2015

Tal e qual


O senador Roberto Requião compara Eduardo Cunha a Beto Richa: "Cara de um, focinho do outro".

14 de julho de 2015

Um golpe típico de república das bananas




Matéria da Folha de São Paulo de hoje revela um encontro secreto entre o ministro Gilmar Mendes, o presidente da Câmara Eduardo Cunha e o Paulinho da Força. Objetivo: tramar o golpe. Paulinho sugeriu que só há uma possibilidade de tirar Dilma da presidência. Seria a união do ministro Mendes (TSE) e do vice presidente Michel Temer com os presidentes da Câmara e do Senado, ambos do PMDB, além do senador Aécio Neves. Feito isso, eles dariam um jeito de apear Dilma do poder e implantar um parlamentarismo branco, para gerir os destinos do país até 2018.
Não aprenderam com a história: tentaram um parlamentarismo no início dos anos 60 para justificar o impedimento de João Goulart que, por estar voltando da China em missão oficial, achavam que ele estava mancomunado com os comunistas para implantar o comunismo no Brasil. Jango era vice de Jânio que havia renunciado a presidência. Durou pouco o parlamentarismo, que teve Tancredo Neves como primeiro ministro. Foi uma saída pífia que não serviu sequer para mascarar o golpe de estado que a elite e os militares queriam dar , como fizeram em 1964.
Dessa vez o quadro é outro, vivemos uma democracia (aparentemente) sólida e mesmo assim a fina flor do reacionarismo nacional tenta matar aquilo que se construiu a duras penas, a partir da anistia e da campanha das diretas. Querem por que querem essas medíocres lideranças políticas transformar nosso país em república das bananas. Vá de retro , satanás.

Tragédia Grega


11 de julho de 2015

O quadro sucessório em Maringá


Quais serão os candidatos a prefeito de Maringá em condições de chegar? Uma pesquisa séria apontaria, com certeza, pela ordem: Silvio Barros II, Humberto Henrique e Ulysses Maia. Isso considerando um cenário sem a presença de Edmar Arruda, que ainda não se sabe se vai ou se fica. Há um quinto nome a ser especulado? Talvez  possa ser incluído o de Mário Verri, mas aí e sua briga seria interna, com Humberto, num bate-chapa que não seria nada interessante para o PT .

E o Doutor Batista? E o Quinteiro? São nomes carimbados, que tem estado em quase todas as disputas nos últimos anos mas que desta vez só sairão se houverem interesses outros que não propriamente os de vitória. Que o diga o histórico eleitoral na majoritária de cada um dos dois.

Silvio é favoritíssimo, não há como negar essa verdade. Primeiro porque foi prefeito em dois mandatos e para os padrões da nossa Dallas tropical, foi um bom gestor. Segundo porque a Ulysses falta pegada e a Humberto, experiência numa disputa de prefeito, sem contar o peso que representa hoje carregar a estrela do  Partido dos Trabalhadores na lapela.

Nome por nome, Humberto é quase uma unanimidade quanto à sua competência e postura ética. Contra Ulysses pesa o fato de que ele já esteve lá, do ladinho dos Barros e convenhamos, em política muitas coisas conspiram contra aliado de ontem e adversário de hoje. A marca da concordância com o que hora se discorda, parece nódoa, não sai assim tão facilmente. Quanto a Silvio, não tem como subestimar o poder de fogo do grupo político liderado por Ricardo, que tem deitado e rolado em eleições municipais nos últimos anos.

Fosse Ênio o candidato, Ricardo saberia como embaralhar, cortar e dar as cartas. Com Humberto, que transita em áreas diversas da sociedade local, com um nível de respeitabilidade inquestionável, pode pintar surpresa. Principalmente se ele conseguir encaixar um bom discurso, que transmita mais suas práticas políticas do que as ideias e os ideais petistas, que Maringá tem dado demonstrações claras que rejeita.


O Petismo e o antipetismo continuam do mesmo tamanho de 20 anos atrás no país, segundo pesquisa do instituto Vox Populi. Certamente os pesquisadores do cientista político Marcos Coimbra não andaram por aqui, porque se tivesse andado veriam que o antipetismo cresceu, e muito, do início do governo Dilma para cá.

Este é um cenário que os petistas precisam encarar com humildade (coisa que não é muito comum em se tratando dos orgânicos) e trabalhar com inteligência no desarme dessa bomba relógio que, a  continuar com seu tic-tac ensurdecedor , pode explodir nas urnas   em 2016, com reflexos desastrosos em 2018.

Quanto a Ulysses Maia, reconheçamos: ele  reúne condições pessoais para ir para o enfrentamento e se credenciar como um candidato de chegada. Resta saber se conseguirá formar um arco de alianças minimamente necessário à sustentação de uma chapa de ponta. E mais: se terá gás suficiente  para encarar a briga com a família Barros, que certamente fará o possível para desqualificar o ex-aliado e manter a polarização  PP-PT, sempre favorável ao “condomínio barroso”.

Corre por aí que Maia deverá deixar o Solidariedade e ingressar no PDT, partido já consolidado e com maiores possibilidades de atrair aliados de outras siglas. Num eventual segundo turno seria natural o apoio de Ulysses a Humberto Henrique, ou de Humberto a Ulysses. Mesmo assim seria uma parada indigesta contra quem quer que venha a representar o grupo de Ricardo Barros na disputa. Havendo juízo e disposição de ambos para calçar as sandálias da humildade, a dupla Ulysses-Humberto (ou Humberto-Ulysses) pode até dar samba. E por que não uma dobradinha já no primeiro turno?

Em tempo: adiciono agora a esse artigo o fato novo da política local que é a especulação em torno do nome do promotor Cruz. Se essa candidatura se concretizar, claro que o quadro muda completamente. É esperar pra ver.





Pode Isso?


A Câmara de Maringá aprovou, pelo terceiro  ano consecutivo, isenção de ISSQN para a TCCC, uma renúncia fiscal de R$ 2 milhões a cada 12 meses. Até o presidente da Casa,  Chico Caiana, que só precisaria votar em caso de desempate, votou com a maioria, perfazendo 10 votos contra 5.

O que parece estranho é a falta de transparência quanto aos benefícios disso para os usuários do sistema de transporte coletivo. Redução de tarifa não pode ser, porque a de Maringá está os olhos da cara. Melhoria de qualidade também não, porque quem anda de circular sabe o quanto o sistema é ruim, com poucas alternativas de linhas interbairros, pontos desconfortáveis e superlotação em horários de pico, além é claro, do perrengue da demora.

Em 2013 disseram que a isenção era pra viabilizar a meia integração. Catso, o que fizeram foi deturpar um projeto de integração total que já vinha sendo discutido há anos, via Região Metropolitana. Para barrar o que estava por acontecer, decidiram, atendendo a interesses da empresa, implantar a meia integração. Essa justificativa não colou.

Então, o que justifica a isenção? Não seria o caso de se perguntar se a Câmara Municipal não cometeu uma ilegalidade, ferindo a Lei de Responsabilidade , que proíbe renúncia fiscal?


Pode isso?

A Câmara de Maringá aprovou, pelo terceiro  ano consecutivo, isenção de ISSQN para a TCCC, uma renúncia fiscal de R$ 2 milhões a cada 12 meses. Até o presidente da Casa,  Chico Caiana, que só precisaria votar em caso de desempate, votou com a maioria, perfazendo 10 votos contra 5.

O que parece estranho é a falta de transparência quanto aos benefícios disso para os usuários do sistema de transporte coletivo. Redução de tarifa não pode ser, porque a de Maringá está os olhos da cara. Melhoria de qualidade também não, porque quem anda de circular sabe o quanto o sistema é ruim, com poucas alternativas de linhas interbairros, pontos desconfortáveis e superlotação em horários de pico, além é claro, do perrengue da demora.

Em 2013 disseram que a isenção era pra viabilizar a meia integração. Catso, o que fizeram foi deturbar um projeto de integração total que já vinha sendo discutido há anos, via Região Metropolitana. Para barrar o que estava por acontecer, decidiram, atendendo a interesses da empresa, implantar a meia integração. Essa justificativa não colou.


Então, o que justifica a isenção? Não seria o caso de se perguntar se a Câmara Municipal não cometeu uma ilegalidade, ferindo a Lei de Responsabilidade , que proíbe renúncia fiscal? 

8 de julho de 2015

Briga boa



Requião Filho e Ratinho Júnior vão medir força ano que vem nas eleições de prefeito da capital. Ratinho lidera a corrida, Requião está em segundo, à frente de Fruet, o que pressupõe uma briga boa entre dois jovens. Nem precisa dizer que o filho do senador vai relacionar o filho do Rato pai à derrota dos servidores estaduais e ao massacre de 29 de abril. Munição não vai faltar para a metralhadora giratória do deputado Requião, que  já deu pra perceber, peixinho é.

3 de julho de 2015

Que país é este?



"Um tanto constrangido, é verdade, mas sem outro jeito, aproveito esse meio de comunicação, típico da era contemporânea e de suas maravilhas, para levar ao conhecimento público o fato desagradável de que estou sem trabalho e, por conseguinte, sem dinheiro. É triste, mas é verdade. Estou desempregado há quase um ano. Preciso urgentemente de um trabalho que me dê uma grana capaz de aliviar este verdadeiro sufoco. Sei ler e escrever, sei dar aulas, já fiz direções de teatro e de cinema, já escrevi para o teatro, o cinema e a televisão. Publiquei vários livros, inclusive sobre técnicas de roteiro, faço supervisão nessas áreas de minha experiência, dou consultoria, tenho – permitam-me que o confesse – muitas competências. Na mídia impressa, já escrevi artigos, crônicas, reportagens… O que vier, eu traço. Até represento, só não danço nem canto. Será que não há um jeito honesto de ganhar a vida com o suor de meu rosto? Luiz Carlos Maciel. lcfmaciel@gmail.com"

Trapalhadas que podem melar um longo processo de investigação

Um equipamento de escuta instalado na cela da PF de Curitiba, onde se encontravam presos Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff pode comprometer as provas obtidas por delação premiada na Operação Lava-Jato. Revelações feitas ontem na CPI da Petrobras pelo agente da Polícia Federal, Dalmey Fernando Werlang revela que houve escuta ilegal, o que implica dizer que as delações premiadas feitas pelos dois presos podem ser invalidadas. 

2 de julho de 2015

Beto na lanterna


 Saiu na Gazeta do Povo:
"Pesquisa de intenção de voto para a corrida ao Senado no estado, feita pelo Instituto Paraná Pesquisas, mostra um empate técnico entre o senador Roberto Requião (PMDB), o secretário estadual Ratinho Junior (PSC) e Osmar Dias (PDT). De acordo com a pesquisa, realizada entre 20 e 24 de junho, Requião teria 45,1% das intenções de voto no Paraná se as eleições fossem hoje. Ratinho Junior aparece empatado tecnicamente com o senador, com 41,2% do eleitorado. Osmar Dias teria 37,9%.
O governador Beto Richa (PSDB) foi o que se saiu pior na pesquisa. Se as eleições para o Senado ocorressem hoje, Richa teria apenas 7,5% dos votos, atrás da senadora Gleisi Hoffmann (PT), que conquistaria 19,2% dos votos dos paranaenses"
.

Até quando?



Duas crianças desaparecidas, famílias inteiras ao relento. A selvageria foi registrada em reportagem da TV Morena, de Campo Grande. Foi uma  ação sem qualquer respaldo legal de fazendeiros armados que atacaram um acampamento Guarani Kaiowá, na região de Amambai,  Mato Grosso do Sul no último dia 24. Até quando o Estado Brasileiro vai permitir ações como esta é até quando a sociedade vai assistir tais barbaridades sem ao menos se indignar? 

Será que o Brasil é "Casa da Mãe Joana"?


Há exatos 18 anos morria o Bamerindus, salvo pelo PROER e entregue(saneado)  ao HSBC. O banco inglês faturou líquidos mais de R$ 15 bilhões em nosso país e agora bate em retirada, deixando para trás um exército de desempregados e problemas sociais seríssimos. Vai ficar por isso mesmo? Será que o governo brasileiro dispõe de mecanismos para fazer com que o patrimônio imobiliário do HSBC responda pelo buraco que vai deixar?
A justificativa é a reestruturação administrativa, mas foi fartamente divulgado os escândalos da fuga de capitais que o banco patrocinou em vários países, inclusive abrigando contas de bilionários brasileiros em sua agência de Genebra, na Suíça. O que todos os brasileiros esperam é que o HSBC não desapareça da noite pro dia, achando que acaba de sair, sem se despedir, da “casa da mãe Joana”.