15 de junho de 2018

Bondade de período eleitoral



A governadora Cida Borgheti anda generosa por demais. Mandou a Secretaria de Esportes oferecer telões a algumas prefeituras para que a população possa ver jogos da Copa do Mundo. Um dos prefeitos contemplados foi o parceiro Marcelo Belinati , do mesmo partido, que já oferece telões de  LED de 3 x 2 metros em um centro esportivo. Em Maringá a oferta chegou um pouco tarde porque o prefeito Ulisses Maia já havia mandado instalar um de igual tamanho na Vila Olímpica.
Fontes: blog do Rigon e site da prefeitura de Londrina


11 de junho de 2018

Servidores tiram a governadora da zona de conforto



O clima para a governadora Cida Borgheti tem sido de festa desde que assumiu a titularidade do cargo. Muitos cumprimentos, abraços e agradecimentos, sobretudo de prefeitos, pela dinheirama que Sua Excelência tem repassado aos municípios. E, surfando nessa onda de loas, ela percorre o Estado para inflar o balão da campanha pela reeleição.

A partir dessa semana, no entanto, a governadora começa a enfrentar alguns probleminhas que a obrigará a sair um pouco da zona de conforto. A pendenga que deverá enfrentar é a revolta do funcionalismo público que busca recomposição salarial e a volta da data base que o ex-governador Beto Richa alterou unilateralmente.

Liderados pelos professores, os servidores estaduais vão, primeiro, tentar negociar com a governadora a volta da data base e uma pauta de recomposição de perdas salariais, que chegam a 12% , só nos dois governos de Beto Richa, o último com participação direta de Cida, na condição de vice-governadora.

Portanto, a  governadora não pode dizer agora a defasagem não é problema seu. Se tentar lavar as mãos e não der solução para o problema, terá que conviver com greves e acampamentos no Centro Cívico, o que não é nada bom para quem disputa uma eleição para se manter no cargo. Alegar que o governo está sem caixa para atender a pauta de reivindicações dos servidores , não cola, porque as entidades representativas das diversas categorias profissionais do quadro próprio, tem levantamentos técnicos que provam o contrário. Além de que, a governadora tem se mostrado muito “generosa” com os prefeitos na distribuição  de verbas, com fins indisfarçavelmente eleitoreiros.



8 de junho de 2018

Marcelo Odebrecht na malha fina

 A fina ironia da professora Marta Bellini, da UEM:

"Saiu hoje o primeiro lote da restituição do IR. Ao contrário de muitos cidadãos que aproveitam essa data para tentar conseguir aquela graninha de volta, Marcelo Odebrecht teve mais uma decepção.
O ex presidente da empreiteira mais famosa do Brasil descobriu que caiu na malha fina. Alvo de vários escândalos, Marcelo preferiu não se pronunciar, mas fontes seguras afirmam que isso aconteceu porque ele esqueceu de declarar FHC como seu dependente. Como Fernando Henrique já está há bastante tempo recluso em seu apartamento em Higienópolis, Odebrecht esqueceu completamente que ele existia.
Após a correção, Marcelo será declarado o empresário com maior número de dependentes no país.
Marcelo Odebrecht cai na malha fina do IR porque esqueceu de declarar FHC como dependente".

28 de maio de 2018

Agora são os petroleiros que deverão parar



Por que os caminhoneiros resistem ao acordo do governo Temer e continuam com a paralização? Ocorre que os profissionais autônomos estão insatisfeitos com o acordo, que mexe momentaneamente no preço do diesel (só do diesel) mas não altera em absolutamente nada a política de preços. 

Os petroleiros estão mobilizados para a greve geral nas refinarias. A pauta da FUP (Federação Única dos Petroleiros) é pela mudança, não dos preços, mas da política de preços dos derivados de petróleo.  Além disso, luta é pela retomada dos investimentos nas refinarias, pelo fim da exportação do óleo cru, com a consequente importação do diesel e da gasolina e pela desativação do programa de vendas de ativos da Petrobras.
Para os petroleiros, nada disso será possível com Pedro Parente à frente da Petrobras. Não por outro motivo é que eles exigem também a imediata demissão do presidente da estatal.



18 de maio de 2018

Bancos e Petrobras patrocinam homenagem a Moro



De Bob Fernandes, comentarista da TV Gazeta de São Paulo revelou no seu comentário diário do telejornal da TV Gazeta que A Petrobras pagou cota de patrocínio de 26 mil dólares para a festa de homenagem ao juiz Sérgio Moro em Nova York. Houve também patrocínio de bancos privados, conquistados pela Lide Global, organização criada por João Doria, ex-prefeito de São Paulo e candidato ao governo estadual pelo PSDB. Bob lembra que só por coincidência , os bancos que financiaram a festa de homenagem a Moro querem ver Lula e o PT pelas costas.



17 de maio de 2018

Sérgio, o filho de Dalto


Eu e o jornalista Luis Carlos Rizzo fomos alunos do professor Dalto Moro (+) no curso de Estudos Sociais da UEM. Era rígido, metódico , bom professor de geografia, diga-se de passagem. Mas nutria um certo ódio dos movimentos estudantis que atuavam dentro da instituição, lutando, por exemplo, contra o ensino pago nas universidades públicas. 


Ele tinha urticária quando alguém lhe falava de PT, que estava surgindo naquela época. Lembro como torcia a cara para as estrelas que o Jairo de Carvalho (um dos fundadores do PT em Maringá) desenhava, inclusive na sua carteira. Mais tarde, o professor Dalto veio a ser um dos dirigentes do PSDB em Maringá. Suponho que na época em que ele foi professor da gente (final dos anos 70, início dos 80), Sérgio Moro era apenas um menino.

Só como registro , já que Sérgio Moro está na moda, reproduzo trecho de um interessante relato do Rizzo, espécie de testemunha ocular dessa história: “ Certa vez, ao perceber que o dono de uma locadora de vídeos (meu amigo Moisés Testi) era lulista, o pai de Moro, excessivamente irado, pediu para Moisés encerrar sua conta, praguejou contra o gente finíssima Moisés e nunca mais pisou na Video Inverso, a maior locadora de filmes de Maringá e que era localizada quase na área central. Moro, como se percebe, herdou essa obsessão política do pai em "exterminar" esquerdistas”.

9 de maio de 2018

Boullos e Manuela admitem renunciar pelo fortalecimento de Ciro Gomes


O ótimo governador do Maranhão Flávio Dino (juiz federal aposentado) vem há dias alertando a esquerda quanto aos riscos da direita chegar ao poder e acabar de vez com o país, Dino (PC do B) defende a união de todos os partidos do campo progressista em torno do nome de Ciro Gomes. Hoje, os presidenciáveis Manuela D´ávila (PC do B) e  Guilherme Boulos (PSOL)  admitiram pela primeira vez desistir das suas candidaturas.
Manuela  declarou:

“ O mais importante da declaração do Flávio Dino é o chamado à razão, ao diálogo. Ele falou isso depois de uma semana na qual PT e Ciro se atacaram de forma desnecessária, digo isso fraternalmente. E diria mais: nossas diferenças são pequenas diante dos desafios do nosso país e de nosso campo. Estou aberta e todos deveriam estar também para a construção de uma saída que una o conjunto da esquerda. Se não der certo, podem ter certeza, não terá sido por falta de iniciativa e boa vontade de nossa parte”.



A Copel está indo de embrulho





A Copel está sendo privatizada na calada da noite. É o que denunciam empregados da companhia de energia elétrica, um patrimônio dos paranaenses que, ao longos dos anos, tem se consolidado como uma das melhores empresas do país no ramo. Em manifesto lançado esta semana, funcionários da Copel Telecom informam que “ A atual administração da Copel pretende , já no mês de maio, transferir os empregados da companhia para um dos prédios atualmente ocupados pela BRF Brasil Foods S/A na BR-277, saída para Ponta Grossa. Feito isso, “iniciar-se-a a segregação dos ativos das outras subsidiárias e, o que é exatamente grave,  a desativação do Data Center da Copel Telecom na Rua Padre Agostinho, além da entrega de nossos dados para empresas da hosting multinacionais”.
Não esqueçamos que quem governa o Paraná neste momento é a maringaense Cida Borgheti, que continuo duvidando que levará sua candidatura à reeleição até o fim.
A propósito, li há pouco no facebook este comentário da professora Ana Lúcia Rodrigues, coordenadora do Observatório das Metrópoles da UEM:

“Cida Barros prepara a venda da COPEL. Ou seja, o objetivo não é se eleger governadora, mas aproveitar os 8 meses de caneta na mão e espoliar completamente o Estado, entregar todos os nossos bens públicos para a iniciativa privada.  DEPOIS DOS 8 MESES: se aposenta como governadora e... pronto.