18 de março de 2019

A preço de banana


Repare bem o "NOVO" jeito de governar!!! 
                                Ciro Gomes, no face


Anos atrás, pelas mesmas práticas entreguistas, de vender patrimônio público por valores muito inferiores ao preço real das estatais, Bolsonaro disse que FHC tinha que ser o primeiro a ser morto.
Um exemplo para reflexão: O maior aeroporto do Nordeste deixou de ser estatal brasileira para ser estatal espanhola. É bom para os espanhóis, mas não é bom para o nosso povo???
E assim vai sendo garantido o futuro das próximas gerações de filhos e netos, não os nossos, mas os de países estrangeiros, no caso citado do exemplo: as gerações espanholas. E concluímos que o slogan "Brasil acima de tudo" foi um estelionato eleitoral.
Dia 22 todos nas ruas!!!

Vê se entende



Você por acaso sabe quem é Octavio Lazari? Ele faz parte de um grupo de grandes banqueiros (os maiores do país)  que se arma para pressionar o governo e o Congresso Nacional pela reforma da previdência. Lazari  vem a ser presidente do Bradesco, um dos bancos que mais fatura com a previdência privada.  Entendeu agora?



17 de março de 2019

Os gols contra da Lava-Jato


Combater a corrupção é dever do estado e da sociedade. É dever principalmente do Ministério Público e do Poder Judiciário. A Lava-Jato foi bem -vinda num primeiro momento, mas perdeu credibilidade ao apresentar como resultado ao país, a quebradeira de gigantes da Construção Civil, quando a punição deveria ser dos gestores e não das empresas.
O resultado disso, somado ao espírito seletivo que predominou na força tarefa, foi um saldo altamente negativo, tanto político quanto econômico. E a julgar pelas sentenças e pelos investigados presos, fica cada vez mais claro que o objetivo não era exatamente combater a corrupção no país, mas acabar com o PT e inviabilizar a volta do principal líder político brasileiro da atualidade à presidência da república.
O PT foi desmilinguido em termos de votos nas últimas eleições, Lula continua inelegível e preso e o país caiu nas mãos belicistas e bravateiras de um capitão reformado do Exército, que já deu demonstrações claras de que tem QI de ameba e preparo de Tiririca para presidir o Brasil.

Menor do que quando entrou


Um erro comum na análise política é interpretar as vitórias eleitorais como sinal da superioridade dos mais votados e da inferioridade dos derrotados. Os ganhadores seriam “melhores” porque souberam “se dar bem”.
O tempo passa e, muitas vezes, chega-se ao oposto. Quem ganhou se apequena e o derrotado fica maior. Ri melhor quem ri mais tarde.
Mais de 70 dias depois da posse, Bolsonaro está menor, antes sequer de que o desgaste inevitável do governo produza efeitos. Não tem sido necessário aguardar para que a realidade frustre as expectativas da população.
 . Carta Capital

16 de março de 2019

Não há o que justifique uma omissão dessa


O caso de feminicídio em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, foi revoltante e abalou bastante o prestígio da Polícia Militar. Os pedidos da presença da polícia no local foram insistentes e alguns desesperados. A mulher começou a ser agredida pelo marido às 11 horas da noite. Uma viatura da PM só chegou ao local às duas e meia da manhã, quando a mulher estava morta há pelo menos 40 minutos. Não há justificativa para o descaso com que trataram a ocorrência. Dizer que as viaturas estavam atendendo outros casos não justifica. Afinal, o que poderia ser mais urgente do que os gritos de socorro de uma mulher próxima de ser assassinada pelo covarde do marido ?

Governadores do Nordeste se unem em consórcio


                                QUANDO A UNIÃO FAZ A FORÇA

Oito governadores e um vice-governador do Nordeste se reuniram esta semana em São Luís do Maranhão e formaram um consórcio. Objetivo: atuar conjuntamente em defesa da região junto à esfera federal, que tem hoje um comandante pouco a feito às questões sociais. Juntos, os governadores vão planejar políticas públicas de apoio às populações pobres do semiárido, ao mesmo tempo em que cuidarão, com responsabilidade, da gestão pública e da organização das finanças estaduais. Uma das ações práticas definidas é a da compra em conjunto de bens e serviços que, feitas em grandes quantidades, derrubarão preços.
Escolhido por unanimidade o primeiro presidente do Consório de Governadores é Rui Costa, da Bahia. O mandato é de um ano, havendo rodízio entre os integrantes.
“Com o consórcio formalizado, poderemos fazer licitação para a saúde, por exemplo, naqueles itens que forem comuns, e assim mudamos o patamar de escala da licitação. Se for licitar um item, é um preço; se forem milhões desse item, é outro preço. Estamos multiplicando por nove Estados a escala de eventuais licitações, o que vai reduzir em muito o custo em várias áreas”, disse Costa, do PT.
Para Flávio Dino, do Maranhão, “damos um salto adiante na cooperação federativa entre os Estados do Nordeste. O consórcio vai permitir que, juridicamente, os nove Estados atuem em torno de determinados itens como se fosse um só”.

15 de março de 2019

Mariele vive. E por que vive?


PORQUE MARIELE VIROU UM SÍMBOLO INTERNACIONAL DO COMBATE À VIOLÊNCIA

Muita gente fica intrigada e se pergunta: por que o assassinato da Mariele repercute tanto, se tantas Marieles morrem todos os dias sem que os crimes tenham qualquer destaque? Na crônica policial há crimes que entram para a história e suas vítimas se eternizam como ícones da luta contra a violência. Mesmo naqueles casos em que a vítima sobrevive, seu sofrimento acaba desfraldando bandeiras de resistência à bestialidade humana. É o caso, por exemplo, da Maria da Penha, que comeu o pão que o diabo amassou nas mãos do marido violento. .
Mariele é uma vítima emblemática, não de um crime comum , mas de um crime político, contra uma mulher, contra uma vereadora de luta, contra uma ativista de fibra e sobretudo contra a democracia. Quem a matou não queria apenas eliminar uma vereadora incômoda, mas queria sobretudo mandar um recado a todos os que se insurgem contra as injustiças sociais e contra a impunidade de homens e organizações criminosas.
É por isso que Mariele virou símbolo de luta, sobretudo de um momento político tenebroso, em que o discurso do combate a violência com mais violência virou marca registrada de um presidente eleito, que tem na bravata a síntese do seu pensamento e nas twitadas, o modus operandi do seu governo

Grande Tim!


"No Brasil prostituta se apaixonam cafetão tem ciúmes, traficante se vicia e pobre é de direita"
. Tim Maia

13 de março de 2019

No caminho de volta

O BRASIL ACELERA O PASSO NA SUA CAMINHADA DE VOLTA AO MAPA MUNDIAL DA FOME


A privatização da Telebrás há 20 anos foi celebrada como um passo decisivo para a modernização das telecomunicações no Brasil. A modernização ocorreu sim, e isso é incontestável. Mas ocorreu, é bom que se diga, por conta da modernização tecnológica (irreversível) e não da privatização do sistema. No caso brasileiro, a privatização foi ruim, porque a agência reguladora criada para torear a ganância das operadoras privadas não conseguiu evitar a escalada absurda das tarifas e nem implantar um sistema de celular e internet eficaz, que não gerasse enxurradas de reclamações nos procons, brasil a fora.
Sustentava-se à época que o fim do monopólio estatal resolveria todos os problemas da telefonia fixa, móvel e da banda larga. Resolveu em parte, porque as dores de cabeça são imensas, inclusive com a péssima qualidade da internet em pelo menos 2.221 municípios brasileiros, onde a fibra ótica ainda não chegou.
E porque esse tema vem à baila neste momento? Exatamente para mostrar que a privatização de setores estratégicos da economia de um país é um caminho incerto para o seu desenvolvimento sustentável. Segundo avaliação do economista João Batista Santiago, “o avanço tecnológico e os investimentos públicos produziram benefícios que depois foram apropriados pelas empresas do setor privado, sem grandes retornos para a população e o desenvolvimento nacional”. Foi o caso da telefonia , foi o caso da mineração (vide acidentes de Mariana e Brumadinho) e será certamente o caso do nosso petróleo, com a entrega da Petrobras e do Pre Sal a grandes corporações internacionais.
Os impactos sociais da predominância do mercado sobre a agenda social brasileira, por ser visto na supressão de direitos trabalhistas, na terceirização, inclusive da atividade fim (pasmem, até no setor público), na precarização das relações de trabalho e agora, na ameaça clara feita pelo ministro Paulo Guedes, de retirada da Previdência do tripé da seguridade social e da desobrigação de estados e municípios aplicarem percentuais mínimos de seus orçamentos na saúde e educação.
Assim, de escárnio em escárnio, vamos assistindo a classe política, guiada pelo cabresto do deus mercado, afundarem o Brasil que retorna a passos largos , à sua posição de destaque no mapa mundial da fome.

11 de março de 2019

Guedes anuncia o ponto de partida para um tempo de caos social absoluto


PRESTEM ATENÇÃO PORQUE ISSO É MUITO GRAVE:


Uma entrevista do ministro Paulo Guedes publicada neste domingo no Estadão é uma verdadeira ameaça à população pobre do Brasil. Ele anuncia que o governo vai mandar para o Congresso uma proposta de emenda constitucional que desobriga estados e municípios a cumprirem tetos mínimos de gastos sociais, o que já vinha sendo feito pela União por meio da PEC dos gastos, pasmem, aprovada por deputados e senadores durante o governo do vampiro Michel Temer.
A proposta de Guedes piora ainda mais a situação, porque leva para o âmbito também dos municípios, a desobrigação de ter que gastar , por exemplo, um mínimo de 25% do seu orçamento com a educação e igual proporção com a saúde. Isso tudo vem no bojo da reforma da previdência, que deve inviabilizar a aposentadoria para a esmagadora maioria dos trabalhadores brasileiro.
O anúncio feito pelo super-ministro da economia é uma espécie de cronica do genocídio anunciado. Se a situação social do país já é grave, se cada dia mais a gente se depara com número crescente de moradores de rua e de pessoas em estado de extrema pobreza, imagine o que não acontecerá com uma sandice dessa.
É preciso que a sociedade se mobilize, que os poderes executivo e legislativo municipais se consciencializem da gravidade disso e que a mídia crie vergonha na cara e cumpra o seu papel de denunciar essa canalhice.
Na prática, uma PEC dessa, caso venha a ser aprovada pelo Congresso Nacional, significará um golpe fatal no ensino público, do fundamental ao superior e na saúde pública, universalizada por meio do SUS.
A tese do estado mínimo, que segundo Ciro Gomes é coisa de barão de bucho cheio, ganha força na mídia tradicional, e tende a levar o Brasil ao caos social absoluto, como querem os canalhas.
.

9 de março de 2019

Lava-Jato entrega a Petrobrás para os EUA




             . Do portal 247

O portal Conjur, o mais respeitado site jurídico do País, revela detalhes do acordo firmado entre a força-tarefa da Lava Jato, a Petrobras e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Em troca dos R$ 2,5 bilhões que serão entregues pela estatal a uma fundação capitaneada pela República de Curitiba, chefiada por Deltan Dallagnol, a estatal irá repassar informações comerciais sigilosas e suas patentes ao governo norte-americano. Ou seja: a Petrobrás não é mais brasileira e o Brasil passa a ser oficialmente uma colônia. Leia, abaixo, a reportagem do jornalista Fernando Martines, do Conjur:

Por Fernando Martines, do Conjur – Ao que tudo indica, a "lava jato" se tornou um canal para o governo dos Estados Unidos ter acesso aos negócios da Petrobras. A multa de R$ 2,5 bilhões que será desviada do Tesouro para um fundo gerido pelo Ministério Público Federal, na verdade, inicialmente seria paga ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ). Em troca do dinheiro vir para o Brasil, a Petrobras se comprometeu a repassar informações confidenciais sobre seus negócios ao governo norte-americano.


Cuidado Haddad, Bolsonaro quer te pegar!



E SABE COMO? ENCONTRANDO O ESCONDERIJO DAS MAMADEIRAS DE PIRÓCA


“Lava-Jato da Educação”. A operação é um manifesto desejo de Jair Bolsonaro, o candidato. Mas Jair Bolsonaro presidente não desistiu da ideia e quer mandar investigar o MEC de todo jeito, para pegar ele não sabe o que mas sabe para punir quem . O jornalista Reinaldo Azevedo , que não é necessariamente um petista, mas sim um antipetista imperdernido, levanta a questão em artigo publicado hoje na Folha de São Paulo e no portal UOL. “É para punir Fernando Haddad, que Bolsonaro e bolsonaristas querem ver na cadeia".
Quem sabe na nova Lava Jato, que poderá ter a orientação do ministro Sérgio Moro, o presidente Bolsonaro consiga encontrar o que procura. Encontrar, talvez, mais alguns milhares de exemplares do “kit gay” e algum depósito clandestino das tais mamadeiras de piróca. Quem sabe?