29 de janeiro de 2016

O gato subiu no telhado do Palácio Iguaçu



. Do Blog do Cícero Catani


Segundo reportagem publicada no site de CartaCapital, o esquema, afirmam testemunhas, abasteceu a campanha do governador e de seus aliados nas últimas eleições. Agora, os investigadores querem saber como o dinheiro foi movimentado…Depois da partilha, o restante da quantia era enviado ilegalmente para fora do Brasil por meio de um doleiro, ainda não identificado. Sabe-se apenas que o homem de prenome Rui frequentemente levava dólares e euros à sede da construtora. O doleiro levaria as notas amarradas na perna e saía sempre portando uma mala.”


Revista CartaCapital


Sob ameaça de instauração de uma CPI contra sua administração, o governador do Paraná, Beto Richa, passou os últimos dias cercado de aliados e advogados para montar uma estratégia que tente afastá-lo do escândalo na Secretaria de Educação.


As investigações sobre o esquema de pagamentos de propinas apontam que o montante desviado ultrapassa os 20 milhões de reais. Segundo reportagem publicada no site deCartaCapital, o esquema, afirmam testemunhas, abasteceu a campanha do governador e de seus aliados nas últimas eleições. Agora, os investigadores querem saber como o dinheiro foi movimentado.

Os primeiros detalhes das apurações revelam que o dono da Valor Construtora, Eduardo Lopes, teria enviado recursos para contas no exterior.

As acusações partiram de ex-funcionárias das empresas de Lopes. O empresário seria o responsável por organizar a distribuição do dinheiro entre servidores da Educação e para as campanhas políticas. A propina era desviada de escolas projetadas, mas não construídas.


O restante da quantia era enviado ilegalmente para fora do Brasil por meio de um doleiro, ainda não identificado. Sabe-se apenas que o homem de prenome Rui frequentemente levava dólares e euros à sede da construtora. O doleiro levaria as notas amarradas na perna e saía sempre portando uma mala. A identificação de Rui depende da degravação de um aparelho onde ficavam registradas as imagens da câmera de segurança no saguão da empresa.


Os investigadores esperam ainda identificar outros participantes do esquema na análise das imagens do circuito interno. Suspeita-se que o doleiro seria o facilitador das remessas de recursos para ao menos dois países, Moçambique e Estados Unidos. Durante o último ano, Lopes tinha interesse na abertura de uma filial no país africano, mas segundo as funcionárias, não houve sucesso na conquista de obras no exterior.


Uma subsidiária teria, porém, sido criada no nome de uma empregada doméstica em Moçambique e de outros laranjas e servido para lavar dinheiro. Outra via de ocultação de propina seria em Nova York. Uma das delatoras afirma que Lopes costumava viajar com grandes quantias para os EUA e não escondia de ninguém o fato de manter recursos fora do País.


As contas nos EUA, segundo uma testemunha, estariam registradas em nomes da esposa e do filho de Lopes. Os dois foram detidos por envolvimento no esquema. Gustavo Lopes cumpre prisão preventiva desde o fim do ano passado e a esposa de Eduardo, Patricia Baggio, foi presa na sexta-feira 15. A Justiça lhe concedeu prisão domiciliar por causa da amamentação de um filho de 4 meses.


A busca e apreensão na casa do empreiteiro poderá fornecer novas pistas. Diversos celulares, em posse de Lopes, eram usados para falar com integrantes da Assembleia Legislativa e intermediários de políticos. Os aparelhos não estavam em nome do empresário, mas  de laranjas. A identificação dos destinatários das chamadas pode se tornar uma prova cabal de envolvimento dos parlamentares investigados.


Como em todo folhetim policial, a logística para o transporte de dinheiro envolvia um estratagema curioso. Quantias de até 800 mil reais eram sacadas na boca do caixa e levadas para a sede da construtora. Lá, a propina era separada em caixas de vinho e redistribuída no meio das garrafas como presente aos destinatários da propina.


Para esclarecer várias dúvidas da investigação será necessário despertar o interesse do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Os autos que citam o nome de Richa e de Durval Amaral, ex-chefe da Casa Civil e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, estão em poder da PGR. Os trechos em que são citados o presidente da Assembleia, Ademar Traiano (PSDB), e o deputado Plauto Miró (DEM) foram enviados para o procurador-geral do Paraná.


Sobre o envolvimento de Amaral, há outras perguntas sem respostas. Segundo as testemunhas, o empresário teria tentado, ainda antes do início da operação, firmar um Termo de Ajustamento de Conduta com o estado e o TCE. A iniciativa permitiria à Valor concluir as obras em atraso. O relatório, a respeito da lisura do acordo, segundo a advogada das delatoras, teria ficado, curiosamente, a cargo do conselheiro acusado de participar do esquema.

13 de janeiro de 2016

Atenção, o defeito pode estar na vista

É nome do PT, do PP, do PMDB, do DEM, do PSDB e por aí vai. É nome que não acaba mais, citados nas delações premiadas dos presos da Lava-Jato. Com tantos nomes de peso em xeque, está claro que a corrupção no Brasil é um mal quase sem cura. Disse quase porque a cura passa, necessariamente, por reforma política profunda e um processo didático-pedagógico revolucionário, que contemple principalmente a base da formação da cidadania, ou seja, a escola. Implica também na atuação firme de instituições respeitáveis, como a CNBB, na conscientização do eleitorado, disponibilizando informações claras e confiáveis sobre os atores diretamente envolvidos no processo eleitoral. Isso não é tudo, mas é um bom começo, já que, sendo a corrupção endêmica, necessário se faz que a sociedade crie mecanismos de repulsa não apenas contra pessoas desonestas, mas também contra a desonestidade. No dia que o cidadão comum entender que ao votar num político que lhe fez um favor, este político está lhe dando algo com uma mão e mais na frente lhe tomando com as duas, talvez ele compreenda a necessidade de observar mais que o defeito do improbo está na vista. É algo mais ou menos parecido como a história do cavalo comprado de um cigano por um homem simples, que não via defeito no animal mas o vendedor chamava à sua atenção que o defeito estava na vista. O cavalo era cego de um olho.

12 de janeiro de 2016

"Vamos celebrar nossa miséria!"


     


   .  Letícia Sabatella (atriz)
"O problema é que os "fascistas" são cidadãos "de bem" pra quem os outros são os maus: os maus elementos, os drogados, os doentes mentais, os de raça inferior, de sexo inferior, de conduta escandalosa, que devem ser isolados, humilhados, estigmatizados, ridicularizados,usados, abusados, oprimidos, assediados, explorados,escravizados, encarcerados, queimados vivos, expulsos de suas terras, enforcados, asfixiados, eliminados, "mandados matar", extintos.
Os fascistas controlam a lógica da sociedade estão no comando; são chefes de família, são presidentes de instituições, são amigos do poder, são bajuladores, são ingratos, injustos, agressivos, covardes, manipuladores, intrigueiros.
Não aceitam limites, não favorecem a compaixão, falam de lucros imediatistas, não bastasse quererem ganhar de todo mundo, ser o The Best, o Top, o Rei, querem se tornar O Único, O Absoluto !
O problema é que o Autoritário ainda impera em uma sociedade que se crê inferior, que não se valoriza com toda a sua vasta cultura popular , que não valoriza a sabedoria de suas tribos originárias, que permite sua degradação sem o exercício pleno de compreendê-las, que não defende na íntegra as suas florestas, seus rios, seu Patrimônio Ambiental corroborando a lógica devastadora do mercado!
Que perpetua políticas de coronéis e não fortalece o trabalhador, o lavrador, o cidadão.
Esta lógica institucionalizada no Estado, invade a vida privada, doméstica, as famílias se oprimem, nascemos gerações de neuróticos, depressivos, bipolares, borderlines, psicopatas, dependentes químicos. Doenças deste sistema.
Em sociedades igualtárias, em tribos indígenas saudáveis, sem contato com atrocidades de "homens ditos civilizados" ( como se não fosse a tribo uma civilização), essas doenças não aparecem.
A ganância mata o amor, o respeito, a compaixão, a alma. Viramos sombras sem sentido!
A vida perde sentido!
Banalidade matar uma etnia, acabar com um ecossistema, secar nascentes e rios, envenenar o mar, o ar, os alimentos, deixar pessoas morrendo em filas de hospitais, bombardear países, explodir crianças, deixar morrer sem culpa!
Vamos nos distrair com a nova sensação forjada pra nos alegrar, vamos nos entupir de guloseimas açucaradas , hiper-processadas, engorduradas , sustentar a indústria farmacêutica das doenças crônicas, ou vamos as compras , transcender nossas mazelas nos últimos lançamentos da praça.
Como disse o Renato Russo : Vamos celebrar nossa miséria!"

Como pode uma cidade plana,sem rios (a não ser alguns córregos) viver alagada em períodos de chuva?


9 de janeiro de 2016

Os tai vazamentos seletivos


Associação Nacional dos Procuradores da República  repudia vazamentos da Lava-Jato
A nota teve como motivação principal o vazamento de informações que comprometiam o senador Randolfo Rodrigues :

“É notório que a sociedade possui direito à informação e que a liberdade de imprensa é um pilar da democracia, bem como a verdade. No entanto a veiculação de fatos desabonadores sem a devida informação, que usam o Ministério Público Federal para atingir pessoas públicas, presta um desserviço à população no intuito de prejudicar o trabalho dos procuradores da República.  
Ou seja, a ANPR admite que os vazamentos (acompanhados de interpretações maliciosas) são práticas espúrias. Mas rejeita como espúria a interpretação de que procuradores vazam. Rejeitando, admite que essas práticas podem comprometer a imagem do MPF. 
Conforme já explicitado em trabalho de 2004, sobre a Operação Mãos Limpas, a estratégia de Sérgio Moro é o vazamento amplo e diuturno de notícias, para controlar o noticiário. E, na outra ponta, parceria com editores sem discernimento, dispostos a aceitar qualquer fato manchetável.
 
Quando ambos – Operação e imprensa – compactuam do mesmo objetivo – adotar viés partidário – o jogo fica perfeito. Tome-se o Estadão de hoje. As três manchetes principais são um primor de vazamentos maliciosos de informação. 
A primeira tenta incriminar o Ministro-Chefe da Casa Civil Jacques Wagner quando governador da Bahia. A matéria menciona conversas entre Wagner e dirigentes da OAS. O primeiro tentaria liberar recursos em Brasília, os segundos liberariam apoio para a campanha. Segundo o próprio jornal, é material mantido sob sigilo em Brasília e em Curitiba. Provavelmente o vazamento foi feito pelo rapaz do cafézinho.
  
O segundo vazamento diz que empreiteiro fez lobby com Cunha para Haddad. O lobby visava aprovar a rolagem de dívida de municípios. O relator do projeto era Eduardo Cunha e o homem que influenciava Eduardo Cunha era o presidente da OAS. Obviamente, sem a rolagem as capitais não teriam recursos para obras. E quem faz obras são empreiteiros. Provavelmente o vazamento da conversa entre o presidente da OAS e Eduardo Cunha foi da faxineira do prédio da Lava Jato.
  
O terceiro é a tentativa de incriminar o ex-presidente do Banco do Brasil – e atual presidente da Petrobras – Aldemir Bendine, em operação de compra de debêntures da OAS. A operação não saiu. Ou seja, não havia o mote do crime. Mas, segundo o jornal, a PGR (Procuradoria Geral da República) viu “indícios” de crime no fato de Bendine pedir para conversar pelo telefone fixo.
 
Provavelmente Bendine fez o pedido com receio de que o motorista do PGR pudesse vazar a conversa para a imprensa, com ilações só possíveis para um motorista de procurador, não para um procurador. Pelo menos a manifestação da ANPR ajudará a conter o ativismo de alguns procuradores avulsos, em busca de notoriedade, abrindo representações a torto e a direito em cima de qualquer factoide.
 
Fica claro que, agindo como agiram, comprometeram a imagem do Ministério Público Federal.

8 de janeiro de 2016

Batom na cuéca







"Vice-líder da presidente Dilma Rousseff e tesoureiro nacional do Partido Progressista, o deputado federal Ricardo Barros será ouvido pela Polícia Federal no inquérito presidido pelo procurador-geral da República. Barros é investigado por suposta fraude em licitação para publicidade realizada em 2011, no segundo mandato de seu irmão-fantoche, Silvio Barros II (PHS), como prefeito de Maringá.
A determinação para ouvir o parlamentar foi comunicada ao delegado-chefe da delegacia da PF em Maringá, Ronaldo de Góes Carrer; o depoimento deve acontecer na próxima semana".
. Blog do Rigon

6 de janeiro de 2016

A que ponto chega a irresponsabilidade política




 

  . Do Blog do Cícero Catani


A Prefeitura de Paranacity, pequeno município com 10 mil habitantes no Noroeste do Estado, começou o ano com um sério problema: não tem orçamento para executar em 2016. É que a Câmara Municipal, alegando interferência entre poderes, reprovou tanto a proposta de lei orçamentária como a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) enviada pelo Executivo.

Sem orçamento, a prefeitura, segundo o advogado Maurício Carneiro, contratado para prestar consultaria ao município, fica impedida de fazer qualquer gasto, ainda que essencial, gerando prejuízos à população. “Não temos dinheiro sequer para o combustível das ambulâncias. É uma situação inédita no País, que causa sérios problemas à população”, afirmou. “Juridicamente, os vereadores são responsáveis por esse caos.” Para ele, mesmo discordando dos projetos, a Câmara não poderia tê-los reprovado, mas, sim, deveria fazer as alterações necessárias e aprovar a LDO e o orçamento.

Carneiro atribuiu a decisão da Câmara ao fato de que a maioria dos vereadores faz oposição à prefeita Ednea Buchi Batista (PSDB), eleita em 2012. “Desde o começo do governo, a Câmara tem reprovado projetos importantes para a cidade”, comentou. Afirmou ainda que um grupo de técnicos tentava convencer os vereadores a reverem a posição, aprovando nova proposta orçamentária.

O presidente da Câmara, Rodolfo Vismara (PV), disse que os vereadores, por unanimidade, reprovaram o orçamento “por ter havido interferência entre poderes”: o Executivo teria alterado a rubrica orçamentária da Câmara, reduzindo o montante destinado ao Legislativo em 50%. Vismara afirmou também que a Câmara não poderia ter alterado a proposta orçamentária em vez de reprovar o projeto porque “matérias orçamentárias são exclusivas do Executivo”. “Em alguns casos até poderia fazer algumas emendas, porém não resolveria totalmente o problema e também correria o risco de ser vetado pela chefe do Executivo.”

Sobre o caos supostamente gerado pela falta de orçamento, o vereador disse que “os únicos culpados são os líderes do Executivo, visto que de diversas formas tentamos resolver o problema, porém sem sucesso”. Porém, também disse que a Câmara está disposta a apreciar novos projetos orçamentários desde que o Executivo os envie corrigidos e sem interferência no orçamento do Legislativo.

Em nota, o Tribunal de Contas (TC) do Paraná informou que a ausência de orçamento se trata de uma situação incomum e que, neste caso, o prefeito deve aplicar o que estabelece o parágrafo único do artigo 57 da Constituição Federal: é válido o orçamento do ano anterior, que deve ser utilizado até o limite de um doze avos a cada mês.

3 de janeiro de 2016




Está cansando essa conversa de que comunistas ameaçam o Brasil e a relação que se faz nas redes sociais do governo petista com o comunismo. Quando esses inocentes úteis vão se convencer que o comunismo acabou no mundo e não ressuscita mais? O que existem são arremedos de repúblicas comunistas, já agonizantes. As duas maiores referências comunistas que existiam até pouco tempo era a URSS, que se desfez e a China, que há tempo se distanciou do marxismo-maoista. Claro, não quero aqui ficar polemizando sobre assunto tão complexo com gente que não se dá ao trabalho de se informar melhor. Mas pelo amor de Deus, párem com essa bobagem, porque isso não faz nenhum sentido. Quando se fala em corrupção e se critica o PT por estar envolvido até a medula nos escândalos vários, como estão PSDB, DEM, etc, isso não tem nada a ver com a questão ideológica.
Aliás, a corrupção não está na esquerda, nem na direita, está em todo canto, está no caráter das pessoas, está na cultura do levar vantagem que contamina a sociedade como um todo, infeliz e desgraçadamente. O que precisa é que o país tenha instituições fortes, funcionando bem, para combater a corrupção em todos os níveis, mas sem a distorção de foco que se vê hoje. Sinceramente, esse papo de que comunistas ameaçam o Brasil está me deixando de bagos plenos. Quando será que vamos conseguir dar um xeque mate  corrupção e também na cultura da idiotia?

2 de janeiro de 2016

A nova gramática do golpe, segundo o presidente do Ipea





Aos que clamam pela intervenção militar no Brasil,  pensamento que expressa a suprema idiotia, um lembrete muito interessante do presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), sociólogo Jessé Souza:

“Existe uma  gramática do golpe no Brasil, que mudou, modernizou-se, mas mantém a mesma estrutura. O golpe precisa do “bumbo” tocado pela imprensa conservadora, do suporte da classe média e de um elemento constitucional para dar a aparência de legalidade à captura da soberania popular. Nos governos democráticos de Getúlio Vargas e João Goulart, esse elemento eram os militares, pois a Constituição previa a intervenção das Forças Armadas em caso de desordem. Essa gramática  não está ancorada mais na botina do general, mas na toga da lei. O elemento constitucional atual são as agências de controle, a Polícia Federal, os juízes justiceiros, postos para além do bem e do mal”. 


Macri cagooon





O povo argentino anda inconformado com o antiperonismo do novo presidente, apesar de posar ao lado da estátua do grande líder durante a campanha eleitoral. Nas ruas, o povo entoa:
“Macri cagoooon! Macri cagoooon!
Hay un gorila suelto en la Rosada,
Piensa que este pueblo no va hacer nada,
Nosotros militamos con el alma y el corazón
Che gorila, esa casa es de Peron!”

1 de janeiro de 2016

Natalie foi pra junto de Nat


Morreu hoje a cantora Natalie Cole, filha do grande Nat Kin Cole. Ela ficou muito conhecida quando gravou este clip , onde a tecnologia permitiu que o pai já falecido dividisse o palco com ela na célebre intepretação de "Unforgettable". 

Emendas que alimentam a perpetuação da mediocridade política


A presidente Dilma vai liberar em 2016 mais de R$ 7 bilhões em emendas parlamentares. Não que ela queira ou seja a favor dessa excrescência, mas se não fizer isso apressa o seu processo de cassação, principalmente por conta do vergonhoso “Orçamento Impositivo” que os deputados aprovaram em 2015. Emenda parlamentar é aquele instrumento que os deputados usam para arrancar dinheiro do tesouro e repassar para suas bases eleitorais, geralmente em forma de obras nem sempre necessárias, nas cidades cujos prefeitos são do seu grupo político.
Por meio das famigeradas emendas parlamentares é que deputados fisiologistas se reelegem quantas vezes quiserem. Esses estão mais para despachantes de que para parlamentares que têm o dever constitucional de bem representar a população no parlamento brasileiro.
Quando surgem as crises políticas oriundas de escândalos de corrupção como agora, o foco da mídia e da sociedade fica todo em cima do governo, como se o Congresso Nacional não tivesse nada a ver com a paçoca.
Se o governo é ruim, se a representação parlamentar é péssima, a culpa não é só dos detentores de mandato. A culpa é de todos nós, que votamos neles. Ou, como diria Bob Fernandes, será que  alguém imagina que parlamentares do nível   moral de um Eduardo Cunha, por exemplo, são  eleitos por marcianos?