25 de junho de 2018

Conspiração e perseguição contra Lula



                                                    HELIO FERNANDES (Tribuna da Imprensa) 
                                                              

Começou na primeira instancia federal, passou para a segunda, TRF-4.
Foi percorrendo caminhos enrustidos, depois ostensivos, lastreados por
juristas, com aspas ou sem elas. O objetivo era a prisão, a
justificativa, torná-lo inelegível, impedir que se tornasse presidenciável
invencível, como informam e confirmam todas as pesquisas.

Para impedir que fosse candidato, e ao mesmo tempo, pudesse ser
condenado em segunda instancia, o expediente foi facílimo e cumprido
sem qualquer tropeço ou obstáculo. 9 anos de condenação antes,a
seguir, mais 3 anos, configurando a segunda condenação e a
possibilidade da sua prisão. Como este repórter escreveu desde o
primeiro momento, e como era conspiração, rigorosa unanimidade.

Os 3 desembargadores federais de Porto Alegre, sem o menor
constrangimento, emprestaram o mesmo discurso uns aos outros, de modo
que não houvesse a menor diferença no total das penas. Acrescentaram
mais 3 aos 9 da primeira instancia, como sabem somar, chegaram a 12.

Tanto faz 9 ou 12, como a condenação não é mesmo para cumprir e sim
para configurar a INELEGIBILIDADE, logo que houver o segundo turno e a
posse de alguém for "garantida", haverá alteração e a libertação do
ex-presidente.

Demorou, mas os advogados de Lula chegaram ao STF. Pediam apenas a
libertação do ex-presidente, enquanto ele ainda tivesse direito a
recursos, como esse. Condenado sem provas e sem qualquer ligação com a
Lava-Jato está sendo sacrificado, por dois motivos.

1- A convicção, que é publica, de que será eleito. 2 - O medo, perdão, pânico, de que
novamente no poder, se vingue de todos que montaram e estão executando
contra ele a conspiração judiciária com objetivos políticos e eleitorais.

A tramitação da defesa de Lula está percorrendo caminhos estranhos
no STF. Inicialmente foi para o relator Edson Fachin, que podia
recusá-la, arquivá-la. Não o fez, mandou para a Segunda Turma, que tem
um numero notável de absolvições. Fachin pertence a essa Turma,
considerou que manteria a recusa á libertação. Marcou o julgamento
para o dia 26.

Esse 26 é amanhã, terça feira. Mas esse "amanhã que não virá", cumpre
uma nova disposição, baseada na reviravolta do comportamento do
relator, Edson Fachin. Já estando na Segunda Turma e com julgamento
marcado, foi cancelado pelo próprio ministro Fachin.

PS- Até aqui, é tudo rigorosamente verdadeiro. Mas entre o tempo em que
escrevo, e a realidade do STF, nem apelando para a citação de
Shakespeare.
 

24 de junho de 2018

A pergunta que não quer calar


"Qual é a função pública ocupada no Paraná pelo deputado Ricardo Barros que o faz cumprir expediente no gabinete da governadora?"

    Ruth Bolognese (Blog Contraponto)

22 de junho de 2018

Lava Jato constrangeu testemunha


                                        . Luis Nassif  (Jornal GGN )

O escândalo não é exatamente uma novidade. Foi reportado pela primeira vez em furo jornalístico do Conjur. Em abril de 2016, o portal divulgou gravação em que agentes da Lava Jato em Curitiba aparecem constrangendo testemunhas para montar uma denúncia contra Lula envolvendo o sítio de Atibaia. Nesta semana, uma delas depôs diante do juiz Sergio Moro e confirmou os relatos de abusos praticados na origem da investigação.

A esposa e filho de 8 anos de Lietides Pereira Vieira foram retirados de sua residência e levados por policiais armados e procuradores de Curitiba, entre eles o doutor Januário Paludo, para o sítio de Atibaia. Detalhe: sem nenhuma ordem de condução coercitiva, nem outro tipo de mandado, nem "papel nenhum", segundo Leitides. No sítio, a mulher foi interrogada sobre as faxinas que fazia no espaço, pagas por Fernando Bittar, o proprietário. Quiseram saber o que ela poderia falar sobre Lula.

"Isso é sequestro. É coação de testemunha. Isto é o que nós temos denunciado nesta casa, o que acontece diariamente nesta ‘República de Curitiba’ por esses juízes e procuradores que rasgaram a Constituição e perderam o limite, perderam qualquer escrúpulo diante da sua sanha criminosa de perseguir a tudo e a todos em busca de seus objetivos", disparou o deputado federal Paulo Pimenta (PT) na Câmara, na quarta (20), após tomar conhecimento do relato.

Leitides - que é irmão do caseiro do sítio, Élcio Pereira Vieria, mais conhecido como Maradona - disse a Moro que os procuradores e policiais esperaram ele sair de casa para levar a esposa e filho. "Não é bem que ela concordou, eles levaram ela. Disseram: 'Você vai ter que ir depôr."

Ele citou a presença do "doutor Paludo", em referência a Januário Paludo, procurador da Lava Jato, e relatou ainda que o filho faz tratamento psicológico com a pediatra até hoje. "Ele ficou muito tenso. Ele adoeceu. Por 8 dias, ele dormiu atracado comigo no meu pescoço, com medo."

Paludo é o procurador que Moro usou para manter os bens de Lula bloqueados, conforme mostrou o GGN nesta matéria aqui. Ele também assinou o parecer do MPF que insistia em ouvir os grampos ilegais feitos no escritório da defesa de Lula. Junto com Paludo, foram atrás das testemunhas Athayde Ribeiro, Roberson Pozzobon e Julio Noronha.

Sergio Moro se disse "surpreso", mas não foi com só com o relato de possível abuso de autoridade, mas sim com o fato de que a testemunha revelou o episódio em audiência na Justiça Federal, enquanto era questionada pela defesa de Fernando Bittar. Moro deixou no ar a suspeita de que a defesa poderia ter preparado a testemunha.

O procurador de Curitiba que senta ao lado de Moro nas audiências demonstrou evidente incômodo com a "descoberta". Quando a defesa de Bittar relatou que tinha um e-mail com o nome dos procuradores e seus respectivos telefones - deixado pelos mesmos com outro irmão de Maradona, que também foi assediado - o procurador (não identificado) tentou abafar o microfone com a mão para soprar algo a Moro. Só é possível ouvir com clareza as palavras "pronta" e "testemunha".

Diante do grave relato, Moro suspendeu o depoimento e prometeu investigar o caso. Deu prazo de 5 dias para explicações do Ministério Público e PF.

Mas não é como se Moro não tivesse ouvido esses relatos de abuso antes. Ele só não "lembrava", mas a defesa de Bittar também destacou o depoimento em que Maradona, o caseiro, também detalhou a abordagem agressiva dos agentes da Lava Jato.

Seu outro irmão, Edivaldo Pereira Vieira, um "faz tudo" no sítio, apareceu sendo pressionado pelos procuradores em duas gravações que foram reveladas pelo Conjur em abril de 2016. A reportagem já foi citada pela defesa de Bittar nas audiências com Moro.

Segundo o UOL desta quarta (20), Edivaldo também relatou o "constrangimento" que sofreu pela pressão dos procuradores no depoimento que prestou na 13ª Vara de Curitiba, ocasião em que o advogado Alberto Toron ressaltou que ele fora interrogado em sua casa, "sem mandado, sem nada".

Moro, em defesa da Lava Jato, perguntou: "É ilegal, doutor, inquirir a testemunha na casa dela?" Toron respondeu que é o magistrado quem vai decidir. Resta saber como o fará em processo que envolve Lula. 

Na ação penal da Operação Integrada - que envolve propina a agentes do governo do Paraná - Moro mandou anular o depoimento do ex-assessor da Casa Civil de Beto Richa, que confessou que recebeu, por meio de suas empresas, recursos supostamente ilícitos para a campanha do tucano.

Ali, Moro argumentou que achou um erro que o depoimento tenha sido tomado na casa do ex-assessor de Richa sem que ele tivesse ouvido seus direitos sobre não ser obrigado a responder nada e sobre ter direito à presença de um advogado. 

Esses direitos foram mencionados às testemunhas do caso do sítio? Tudo indica que não.

Moro vai considerar que a investigação foi contaminada por ilegalidades? 



O chaveiro de Trump


Donald Trump, o ídolo de Bolsonaro, separou pais imigrantes de filhos, colocando as crianças em abrigos semelhantes a campos de concentração. Entre essas crianças, oito são brasileiras, com idades que variam de 6 a 17 anos.
Cadê o destaque que a nossa mídia deu ao fato? E onde está a diplomacia brasileira, que se encontra de braços cruzados quando deveria, isto sim, estar exigindo a repatriação das crianças?
Trump, todo mundo sabia, inclusive os norte-americanos que nele votaram, que a Casa Branca seria ocupada por um xenófobo, insensível e irresponsável. O Brasil corre risco semelhante, porque o chaveirinho de Donald Trump está saltitante e empolgando, perigosamente, uma crescente legião de desavisados.
Por mais que muitos brasileiros não se cansem de tomar os Estados Unidos como exemplo de democracia, importar o modelo Trump É cavar nossa sepultura.

15 de junho de 2018

Bondade de período eleitoral



A governadora Cida Borgheti anda generosa por demais. Mandou a Secretaria de Esportes oferecer telões a algumas prefeituras para que a população possa ver jogos da Copa do Mundo. Um dos prefeitos contemplados foi o parceiro Marcelo Belinati , do mesmo partido, que já oferece telões de  LED de 3 x 2 metros em um centro esportivo. Em Maringá a oferta chegou um pouco tarde porque o prefeito Ulisses Maia já havia mandado instalar um de igual tamanho na Vila Olímpica.
Fontes: blog do Rigon e site da prefeitura de Londrina


11 de junho de 2018

Servidores tiram a governadora da zona de conforto



O clima para a governadora Cida Borgheti tem sido de festa desde que assumiu a titularidade do cargo. Muitos cumprimentos, abraços e agradecimentos, sobretudo de prefeitos, pela dinheirama que Sua Excelência tem repassado aos municípios. E, surfando nessa onda de loas, ela percorre o Estado para inflar o balão da campanha pela reeleição.

A partir dessa semana, no entanto, a governadora começa a enfrentar alguns probleminhas que a obrigará a sair um pouco da zona de conforto. A pendenga que deverá enfrentar é a revolta do funcionalismo público que busca recomposição salarial e a volta da data base que o ex-governador Beto Richa alterou unilateralmente.

Liderados pelos professores, os servidores estaduais vão, primeiro, tentar negociar com a governadora a volta da data base e uma pauta de recomposição de perdas salariais, que chegam a 12% , só nos dois governos de Beto Richa, o último com participação direta de Cida, na condição de vice-governadora.

Portanto, a  governadora não pode dizer agora a defasagem não é problema seu. Se tentar lavar as mãos e não der solução para o problema, terá que conviver com greves e acampamentos no Centro Cívico, o que não é nada bom para quem disputa uma eleição para se manter no cargo. Alegar que o governo está sem caixa para atender a pauta de reivindicações dos servidores , não cola, porque as entidades representativas das diversas categorias profissionais do quadro próprio, tem levantamentos técnicos que provam o contrário. Além de que, a governadora tem se mostrado muito “generosa” com os prefeitos na distribuição  de verbas, com fins indisfarçavelmente eleitoreiros.



8 de junho de 2018

Marcelo Odebrecht na malha fina

 A fina ironia da professora Marta Bellini, da UEM:

"Saiu hoje o primeiro lote da restituição do IR. Ao contrário de muitos cidadãos que aproveitam essa data para tentar conseguir aquela graninha de volta, Marcelo Odebrecht teve mais uma decepção.
O ex presidente da empreiteira mais famosa do Brasil descobriu que caiu na malha fina. Alvo de vários escândalos, Marcelo preferiu não se pronunciar, mas fontes seguras afirmam que isso aconteceu porque ele esqueceu de declarar FHC como seu dependente. Como Fernando Henrique já está há bastante tempo recluso em seu apartamento em Higienópolis, Odebrecht esqueceu completamente que ele existia.
Após a correção, Marcelo será declarado o empresário com maior número de dependentes no país.
Marcelo Odebrecht cai na malha fina do IR porque esqueceu de declarar FHC como dependente".

28 de maio de 2018

Agora são os petroleiros que deverão parar



Por que os caminhoneiros resistem ao acordo do governo Temer e continuam com a paralização? Ocorre que os profissionais autônomos estão insatisfeitos com o acordo, que mexe momentaneamente no preço do diesel (só do diesel) mas não altera em absolutamente nada a política de preços. 

Os petroleiros estão mobilizados para a greve geral nas refinarias. A pauta da FUP (Federação Única dos Petroleiros) é pela mudança, não dos preços, mas da política de preços dos derivados de petróleo.  Além disso, luta é pela retomada dos investimentos nas refinarias, pelo fim da exportação do óleo cru, com a consequente importação do diesel e da gasolina e pela desativação do programa de vendas de ativos da Petrobras.
Para os petroleiros, nada disso será possível com Pedro Parente à frente da Petrobras. Não por outro motivo é que eles exigem também a imediata demissão do presidente da estatal.



18 de maio de 2018

Bancos e Petrobras patrocinam homenagem a Moro



De Bob Fernandes, comentarista da TV Gazeta de São Paulo revelou no seu comentário diário do telejornal da TV Gazeta que A Petrobras pagou cota de patrocínio de 26 mil dólares para a festa de homenagem ao juiz Sérgio Moro em Nova York. Houve também patrocínio de bancos privados, conquistados pela Lide Global, organização criada por João Doria, ex-prefeito de São Paulo e candidato ao governo estadual pelo PSDB. Bob lembra que só por coincidência , os bancos que financiaram a festa de homenagem a Moro querem ver Lula e o PT pelas costas.



17 de maio de 2018

Sérgio, o filho de Dalto


Eu e o jornalista Luis Carlos Rizzo fomos alunos do professor Dalto Moro (+) no curso de Estudos Sociais da UEM. Era rígido, metódico , bom professor de geografia, diga-se de passagem. Mas nutria um certo ódio dos movimentos estudantis que atuavam dentro da instituição, lutando, por exemplo, contra o ensino pago nas universidades públicas. 


Ele tinha urticária quando alguém lhe falava de PT, que estava surgindo naquela época. Lembro como torcia a cara para as estrelas que o Jairo de Carvalho (um dos fundadores do PT em Maringá) desenhava, inclusive na sua carteira. Mais tarde, o professor Dalto veio a ser um dos dirigentes do PSDB em Maringá. Suponho que na época em que ele foi professor da gente (final dos anos 70, início dos 80), Sérgio Moro era apenas um menino.

Só como registro , já que Sérgio Moro está na moda, reproduzo trecho de um interessante relato do Rizzo, espécie de testemunha ocular dessa história: “ Certa vez, ao perceber que o dono de uma locadora de vídeos (meu amigo Moisés Testi) era lulista, o pai de Moro, excessivamente irado, pediu para Moisés encerrar sua conta, praguejou contra o gente finíssima Moisés e nunca mais pisou na Video Inverso, a maior locadora de filmes de Maringá e que era localizada quase na área central. Moro, como se percebe, herdou essa obsessão política do pai em "exterminar" esquerdistas”.

9 de maio de 2018

Boullos e Manuela admitem renunciar pelo fortalecimento de Ciro Gomes


O ótimo governador do Maranhão Flávio Dino (juiz federal aposentado) vem há dias alertando a esquerda quanto aos riscos da direita chegar ao poder e acabar de vez com o país, Dino (PC do B) defende a união de todos os partidos do campo progressista em torno do nome de Ciro Gomes. Hoje, os presidenciáveis Manuela D´ávila (PC do B) e  Guilherme Boulos (PSOL)  admitiram pela primeira vez desistir das suas candidaturas.
Manuela  declarou:

“ O mais importante da declaração do Flávio Dino é o chamado à razão, ao diálogo. Ele falou isso depois de uma semana na qual PT e Ciro se atacaram de forma desnecessária, digo isso fraternalmente. E diria mais: nossas diferenças são pequenas diante dos desafios do nosso país e de nosso campo. Estou aberta e todos deveriam estar também para a construção de uma saída que una o conjunto da esquerda. Se não der certo, podem ter certeza, não terá sido por falta de iniciativa e boa vontade de nossa parte”.



A Copel está indo de embrulho





A Copel está sendo privatizada na calada da noite. É o que denunciam empregados da companhia de energia elétrica, um patrimônio dos paranaenses que, ao longos dos anos, tem se consolidado como uma das melhores empresas do país no ramo. Em manifesto lançado esta semana, funcionários da Copel Telecom informam que “ A atual administração da Copel pretende , já no mês de maio, transferir os empregados da companhia para um dos prédios atualmente ocupados pela BRF Brasil Foods S/A na BR-277, saída para Ponta Grossa. Feito isso, “iniciar-se-a a segregação dos ativos das outras subsidiárias e, o que é exatamente grave,  a desativação do Data Center da Copel Telecom na Rua Padre Agostinho, além da entrega de nossos dados para empresas da hosting multinacionais”.
Não esqueçamos que quem governa o Paraná neste momento é a maringaense Cida Borgheti, que continuo duvidando que levará sua candidatura à reeleição até o fim.
A propósito, li há pouco no facebook este comentário da professora Ana Lúcia Rodrigues, coordenadora do Observatório das Metrópoles da UEM:

“Cida Barros prepara a venda da COPEL. Ou seja, o objetivo não é se eleger governadora, mas aproveitar os 8 meses de caneta na mão e espoliar completamente o Estado, entregar todos os nossos bens públicos para a iniciativa privada.  DEPOIS DOS 8 MESES: se aposenta como governadora e... pronto.



2 de maio de 2018

O protegido é o patrão


Walmir Oliveira da Costa, presidente da Comissão de Jurisprudência e Precedentes Normativos do TST, sobre a reforma trabalhista, aprovada a toque de caixa pelo Congresso Nacional em 2017:
“Temos no Direito do Trabalho uma legislação especial feita para equilibrar uma relação desigual e que foi invertida. Ele protege  o empregador. Seria melhor revogar a CLT e mandar aplicar o Código Civil, que seria mais benéfico”,


30 de abril de 2018

Abre ou fecha? O sinônimo do atraso é abrir

NA UNIÃO EUROPÉIA O COMÉRCIO TEM REGRAS DE FUNCIONAMENTO E NA MAIORIA DAS CIDADES, FECHA AOS DOMINGOS.

Se você se inclui naquele time de maringaenses que repudiou a aprovação do projeto de lei dos supermercados pela Câmara de Vereadores de Maringá e comprou a ideia dos grandes supermercadistas de que isso foi um atraso, é bom que saiba:
Maringá não está na contramão da história. Aqui os supermercados já vinham fechando aos domingos, mas abriram por conta de liminares e mais recentemente, devido a segurança jurídica que lhe dava um decreto do presidente Temer, tornando supermercados e hipermercados em atividades essenciais. Isso sim é atraso.

Se você quer saber como o comércio funciona nos países da União Europeia pesquise no google e verá, por exemplo, que na Áustria, o comércio varejista abre entre 5 e 21 horas durante a semana, no sábado até às 18 horas e fecha domingos e feriados.

Na Itália, as lojas só podem abrir até às 22 horas durante a semana, até às 20 horas aos sábados e fecham aos domingos. O mesmo acontece na Alemanha, especialmente em Berlin, onde a maioria das lojas abre geralmente das 10:00 às 20:00 horas, de segunda a quinta; às sextas e sábados, ampliam um pouco seus horários e aos domingos costumam estar fechadas.
Grécia, Dinamarca, Holanda e Espanha têm uma flexibilidade maior de horário durante os dias úteis. Na Grécia, por exemplo, as lojas podem ficar abertas 24 horas de segunda a sábado. Na Dinamarca, devem fechar às 17 horas de sábado. Já na Holanda, o comércio pode abrir das 6 às 22 horas, mas em nenhum desses países abrem aos domingos.

Inglaterra e Irlanda permitem abertura do comércio 24 horas por dia, mas não permite que abra aos domingos, exatamente com o objetivo de proteger os pequenos comerciantes.

Em Portugal as lojas tem autorização para funcionar de dia e de noite, mas aos sábado fecham à meia noite para só reabrir na segunda-feira.

Observem que nesses países citados o IDH é alto. E quanto mais alto o Índice de Desenvolvimento Humano, maior é o respeito que o estado tem para com os trabalhadores.

Maringá, que por muito tempo caminhou nessa direção, começando a fechar o comércio nos finais de semana com a implantação da Semana Inglesa em 1960, via Lei Municipal 119 , tinha uma cultura de fechamento do comércio sábado a tarde e domingo, quando só funcionavam as atividades essenciais.

Essa regra veio a ser quebrada em 1991 por uma lei aprovada pela Câmara e sancionada pelo prefeito Ricardo Barros, que liberou geral a abertura do comércio.

Mas graça a atuação firme do Sindicato dos Empregados , a não utilização do trabalho dos comerciários, foi mantida por um longo período. 

Diante da enorme pressão do mercado, algumas concessões foram feitas, mas o fechamento dos supermercados aos domingos foi mantido, até a abertura por meio de liminares conquistadas na Justiça por grandes redes.

O projeto de lei aprovado semana passada pelos vereadores recoloca Maringá no patamar de grandes cidades europeias, lembrando que no Brasil os supermercados não abrem aos domingos em nenhuma cidade do Espírito Santo e nem na cidade carioca de Campos.

25 de abril de 2018

Foi há 44 anos


Lembro como se fosse hoje quando o grande repórter Francisco de Oliveira (Mini Chico), cuja família tinha vindo para o Brasil fugindo da ditadura salazarista, entrou chorando na sucursal da Folha de Londrina em Maringá, onde trabalhávamos. Chorava e cantava Girândola, Vila Morena , de alegria pela entrada em Lisboa das tropas do general Espíndola. Era a vitória dos revolucionários, que mudou definitivamente o futuro de Portugal. De lá pra cá, nunca deixei de ouvir, com muita emoção, esta linda música do compositor José Afonso (aqui na voz de Amália Rodrigues), que se tornou hino da Revolução dos Cravos.

https://youtu.be/ObL11AOeBhc

Amália Rodrigues - Grândola, Vila Morena

23 de abril de 2018

Candidatura Joaquim Barbosa com jeitão de ópera-bufa


A Folha de São Paulo publicou na sua edição de 16/11/2013 um artigo do cientista político André Singer sobre três prisões emblemáticas da véspera:

“No feriado de 15 de novembro de 2013 o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, mandou prender três figuras nacionais do PT: José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares. O fato de ser a data da comemoração da República completa o simbolismo ideal para um possível futuro candidato a chefe do Executivo”.

Quase 5 anos depois, eis que o vaticínio se confirma: aposentado, Joaquim Barbosa se lança na carreira política, já como pré-candidato a presidente, aproveitando que ainda surfa na onda do punitivismo redentor, transformado que foi pela mídia em celebridade.

Há quem estranhe ter o ex-ministro da Suprema Corte ingressado justamente no PSB, partido do lendário socialista Miguel Arraes. O mais correto, pensam alguns, seria ele ter trabalhado pela oficialização do PJ (Partido da Justiça), que poderia ser chamado, na avaliação do cientista Luiz Werneck Vianna de Partido do Tenentismo Togado”.

A conclusão de André Singer para esta ópera bufa, é brilhante: “O combate à corrupção é, sem dúvida, meritório, e merece aplausos. Mas transformá-lo em objetivo único constitui biombo para esconder conflitos de fundo.

Dado o arraso causado pela seqüência mensalão-Lava Jato, era provável que o PJ apresentasse um candidato para ocupar o vazio que ele mesmo criou.
Do ângulo estritamente eleitoral, pode dar certo.
Outra coisa é saber se será capaz de construir um rumo coletivo para nos tirar da crise”.

Requião vai alertar a caserna que Temer está matando a soberania nacional

Enquanto a Lava-Jato distrai o país, a pátria é subtraída em tenebrosas transações. O senador Roberto Requião vai terça-feira , em nome da Frente Ampla em Defesa da Soberania Nacional, conversar com os militares. O assunto é a privatização do Brasil, a enrega do patrimônio Nacional a grupos estrangeiros, caso do petróleo.Se depender do governo Temer, até a nossa água vai de embrulho. Ou será que vai continuar encoberta a venda do Aquífero Guarani para a Nestlée e a Coca-Cola?

O Power-Point de Temer


por Ruth Bolognese
Vamos lá, se o procurador–chefe da Lava Jato, Deltan Dallagnol, se dedicasse a montar um desenho didático das ligações do presidente Michel Temer com a distribuição de propinas, reveladas pela revista Época, ia deixar no chinelo aquele famoso Power-Point do ex-presidente Lula.
E o Procurador-jejuador não iria pedir a condenação de Michel Temer por convicção de que ele comandou uma quadrilha de propina, como fez com Lula, e, sim, por excesso de provas, malas e caixas de papelão com dinheiro em espécie que quase não cabia nem no porta-malas do Corolla usado pelos emissários das propinas.

Tal pai tal o filho? Nem sempre

Em seu livro “Sobreviver, Crescer e Perpetuar” o engenheiro civil Norberto Odebrecht (1920-2014) escreveu : “ O empresário autêntico tem que ter, antes de tudo , caráter. Ele precisa saber que seu papel é servir e não ser servido”.
Como na teoria a prática é outra, o seu filho Emílio e o neto Marcelo, fizeram tudo ao contrário.

20 de abril de 2018

A máquina, a todo vapor



     Do blogueiro Cícero Catani:
"Se a moda pega, cada ato oficial de Cida arrisca virar comício, mesmo ocorrendo em lugar proibido, isto é, repartições públicas. A conferir:
Em seu blog, Angelo Rigon, de Maringá, alerta para o que pode ser campanha eleitoral fora de época: Pré-candidata ao governo, Cida Borghetti aparece em pelo menos três outdoors com mensagens diferentes, distribuídos em Maringá e cidades de vários pontos do estado, o que muitos enxergam como campanha antecipada.
E registra o que foi a posse do secretário de Saúde de Cida:

– A posse de Antonio Carlos Nardi na Secretaria de Saúde do Paraná, cargo no qual está há 11 dias, foi transferida da Acim para a Câmara de Maringá – e virou um verdadeiro comício de campanha de Cida Borghetti.
Deputados, como Osmar Serraglio e Alex Canziani, e políticos que presidem ou integram siglas que pertencem ao condomínio partidário de Ricardo Barros (na última eleição foram 14) lotaram o local. Como se diz, tinha gente saindo pelo ladrão.
Nos discursos, muita ênfase em não deixar Cida Borghetti – que tem aparecido com 5% nas pesquisas – somente até o final do ano no Palácio Iguaçu, e sim reconduzí-la para mais quatro anos. Se isso não for campanha eleitoral antecipada, como diria Ruth Bolognese, o que será que é, Justiça Eleitoral? Se o ato foi gravado, pode-se acreditar que pode vir aí a primeira infração da pré-campanha, já que foram utilizados recursos públicos e o comício aconteceu dentro de um prédio público.
Ainda na quinta, Cida deu posse, em Cascavel,  ao novo secretário Chefe da Casa Civil, deputado federal Dilceu Sperafico. Outra ato oficial que mais parecia comício eleitoral. Sperafico não vai mais concorrer, depois de seis mandatos. Vai é mais cuidar da campanha de Cida, na poderosa Casa Civil".


https://www.facebook.com/sergiorlsouza/videos/1800211010046828/UzpfSTEwMDAwMDc1MTgyNTIxMjoxNjM1MjkyMzAzMTcyNDgx/

9 de abril de 2018

Carta para Lula

           . por Carol Vergolino 




Sou branca, filha de professores universitários. Sou privilegiada, estudei em escolas em que meus amigos tinham seus nomes nos livros de história pernambucana. No fim dos anos 90, fiz pesquisa de opinião e vi muita coisa. Entrei na casa de muitas famílias em Pernambuco, antes e depois de Lula.
Não sou boa de nomes, mas sou boa de cheiro. Entrei na casa de um senhor. Ele e a casa cheiravam a fumo de rolo. Era em Afogados da Ingazeira, Sertão. Não tinha água. Não tinha nenhuma água. A pele dele era seca igualzinha ao chão da casa. De alento, ele tocava uma sanfona. Me respondeu a pesquisa inteira em poesia.
Entrei no sítio de uma moça, que não sabia a idade dela. Estava suja de sangue de apanhar do marido que bebia do lado. Ela me trouxe o saco de documento, fiz as contas, 35 anos. Formou-se uma fila. Fiz as contas da idade de vinte pessoas, crianças e adultos. A casa cheirava a álcool e à falta de identidade.
Entrei na casa de uma senhora que não tinha nada. Nem cheiro. Só tinha ela mesma e uma fome. Se o cheiro chegasse ali era de ausência.
Entrei numa casa que não tinha luz elétrica e perguntei o que ela compraria quando chegasse luz. Ela falou que já tinha e me trouxe uma lâmpada dentro de uma caixa de sapato. Essa casa cheirava à minha avó. O cheiro igual aos das bolinhas de naftalina.
Filmei em Recife pessoas que moravam dentro de uma ponte. Sim, dentro do concreto. Tinha uma escada do rio para o buraco que se chamava porta de casa e que cheirava a mofo. De vez em quando se perdia um menino mais afoito que caía no Rio Capibaribe. Chamava Vila dos Morcegos. Afinal, morar ali não era coisa de gente.
Morava no Engenho do Meio. Vi amigos de infância serem assassinados. Vi a favela de Roda de Fogo crescer e com ela a violência dos corpos no sinal. A gente ia lá ver o corpo pra saber se tínhamos estado com ele no dia anterior.
Tive mãe sequestrada. Passei horas negociando seu sequestro. Aí o cheiro do Brasil chegou pra mim. A iminência da morte cortando na minha carne. Cheiro de flores de funeral. Graças, no fim deu tudo certo e Dona Teca esta aí pra cheirar à lavanda.
Passei anos sem fazer pesquisa e depois volto a andar pelo estado pra filmar. O cenário e o cheiro são outros.
Depois do governo Lula, as coisas mudaram. E, no sertão, chegaram as cisternas. Pareciam discos voadores ao lado da casa do povo. Agora todo mundo tinha água pra beber. E pra ajeitar um roçado miúdo. As casas cheiravam à terra molhada.
Chegou o bolsa família e toda e qualquer casa agora tinha cheiro. De pelo menos um feijão cozinhando na lenha.
Começou a brotar Instituto Técnico Federal e as pessoas voltaram a estudar pra contar muito mais do que a própria idade.
Os morcegos que viviam pendurados na ponte, construíram suas próprias casas. E aprenderam a usar banheiro.
Chegou a luz elétrica. Chegou Avon, chegou moto-taxi, chegou biscoito recheado, iogurte. Chegou possibilidade, universidade, chegou ousar sonhar. Chegou tanto cheiro junto, que não dá pra diferenciar.
Seu Ze de Severino juntou três comunidades, conseguiu verba num projeto do governo Lula e fez uma rede de encanamento pra todo mundo ter água na torneira. Seu Zé nunca esperou que fizessem por ele, mas nunca seria capaz de fazer antes de Lula.
Com essas mudanças e tantas outras, aqui se viu menos corpos estirados no chão. Virou mar de rosas? Não, claro que não. Lula não fez as reformas estruturais que deveria ter feito. Isso é fato. Mas de fato mudou a vida das pessoas mais pobres que chegaram a entrar na universidade e viajar de avião. Veja que absurdo. Desde que o golpe começou, muitos desses direitos foram tirados. O retrocesso é claro. Um golpe claro de classe. Pobre não pode.
No último mês executaram Marielle e prenderam Lula. Sinto cheiro de sangue. Sinto cheiro de ternos muito bem engomados dizendo quem agora pode cheirar a qualquer coisa. Sinto também muito cheiro de desodorante vencido da luta. Sinto cheiro de pneu queimando e sinto ardor de spray de pimenta.
Já estamos sem um Estado democrático há alguns anos. Vai ter muito cheiro de luta pra voltarmos a viver numa democracia. Mas aviso aos navegantes que vou colocar meu corpo nesse cheiro de luta aí. Sou Marielle, sou Lula, sou todas essas pessoas que não lembro o nome, mas seu cheiro tá entranhado em mim.
*Produtora de cinema e membra da partidA


5 de abril de 2018

É caso de polícia



Circula desde  ontem à noite na internet  o vídeo de um dono de boate de São Paulo, oferecendo prêmios a quem matar o ex-presidente Lula na cadeia. Nome do imbecil: Oscar Maroni. Ele diz: ““Se o Lula for preso, a cerveja é de graça até a meia noite. Agora, se matarem ele na prisão, a cerveja vai ser de graça durante o mês inteiro”. Um dos amigos que bebe na mesa com Maroni pergunta com ar de deboche:“E se a morte for com requintes de crueldade?”. O empresário responde: “Aí eu dou meu rabo”.
Em 2016 quando Lula foi conduzido coercitivamente para depor, Maroni ofereceu acesso vitalício à sua boate ao juiz Sérgio Moro.
Fonte: site Pragmatismo

Foi uma indignidade


O ministro Barroso comparar Lula a estupradores e assassinos durante o julgamento do HC do ex-presidente, foi um momento de indignidade que , por sua tradição, o STF não merecia. Resta saber se Lula vai entrar com ação de danos morais contra o ministro. É o mínimo que , senão ele pessoalmente, o PT deve fazer.

19 de março de 2018

Péssima notícia para Lula



A presidente do STF, Carmem Lúcia disse hoje que o habeas corpus preventivo a Lula está nas mão do ministro Edson Fachin, a quem caberá a iniciativa de levar ao plenário da suprema corte. A julgar por declarações recentes do relator, a situação de Lula é muito complicada. Fachin não dá nenhum indicativo de que possa retroagir na sua posição a favor do encarceramento do réu condenado em segunda instância.


13 de março de 2018

O que estão fazendo com a Venezuela?



Os Estados Unidos lideram uma política criminosa de isolamento da Venezuela, mesmo sendo a Venezuela o maior fornecedor de petróleo do mundo para os norte-americanos, mais até do que a Arábia Saudita. O Brasil foi um dos países sul-americanos que entrou na cantilena do Tio San e que , ao invés de atuar como mediador, decidiu partir para a hostilização ao país vizinho.
Tudo bem que Nicolás Maduro é um tosco, que conduz muito mal a política e a economia venezuelanas. Mas isso por si só não explica o clima de guerra que no Brasil se fomenta  contra aquele país, que até pouco tempo era o nosso maior parceiro comercial (superavit na balança comercial de cerca de  U$ 5 bilhões a favor do Brasil).
A Venezuela nadava de braçada na era Chaves quando o petróleo estava em alta. O preço do barril despencou e o incompetente Maduro não conseguiu segurar a onda. Para se segurar no poder, começou a brincar de ditador, sendo que nem qualidades para isso ele possui.
Mas a rigor, o povo venezuelano não pode ser massacrado pelos países vizinhos como está sendo atualmente. A economia, centrada apenas no petróleo, fica fragilizada quando os preços do produto no mercado internacional caem. Os últimos governos venezuelanos, principalmente Chaves, jamais se preocuparam em desenvolver a indústria e o setor de prestação de serviços , certamente acomodados pelo poderio econômico das suas gigantescas reservas petrolíferas.
O petróleo é um fóssil que ainda gera muita cobiça. E isso fragiliza os países produtores que não se prepararam para o jogo duro do mercado. Os árabes sempre souberam lidar com isso e pelo menos no auge da OPEP, permitiam no máximo que os grandes compradores cortassem o baralho, mas eram eles que davam as cartas.
O problema maior da Venezuela é sua proximidade com os Estados Unidos e o fato de depender quase 100% da venda do petróleo que extrai do seu subsolo. Os americanos tentaram privatizar a estatal do petróleo venezuelano num processo em que estavam mancomunados  multinacionais e grandes empresários nativos, inclusive barões da comunicação, os Marinho de lá. Mas aí surgiu um calo chamado Hugo Chaves no caminho dos entreguistas e o jogo virou. Chaves sentou em cima do petróleo nacional e gritou: “Aqui não, violão”.
Enquanto viveu, Hugo Chaves se manteve no poder, diga-se de passagem, por via direta (eleições populares) e conseguiu se impor no mercado, sem medo de enfrentar o seu poderoso comprador. Chaves chegou a esculhambar o presidente Bush numa assembleia geral da ONU.
Mas Chaves era Chaves. Maduro não é Chaves, e de tão verde chega a ser pândego. Disso se aproveitam os americanos e lhe apertam o torniquete do bloqueio econômico . O resultado é o desastre social que a sociedade venezuelana vive, sem que o governo do seu maior parceiro comercial no continente tenha a dignidade de colocar sua diplomacia a serviço do entendimento, e não do acirramento das tensões.
Em tempo: não nos iludamos: o Brasil é um grande fornecedor de matéria prima para os norte-americanos, que não estão se contentando apenas em comprar o nosso petróleo , mas querem dele se apoderar, como mostra o desmonte do regime de partilha do pre-sal, feito a partir de uma lei de autoria do senador tucano José Serra.
Aliás, foi Serra, enquanto Ministro das Relações Exteriores que pilotou a política externa brasileira de criminalização do governo venezuelano, contribuindo para piorar ainda mais a situação daquele povo

9 de março de 2018

Se as pessoas que pensam pensarem bem, Ciro é a bola da vez


Ciro Gomes não é um homem de esquerda, é um progressista e antes de tudo nacionalista, que tal qual o fundador do seu partido, Leonel Brizola, vê o neoliberalismo com maus bofes. “Ninguém sério no mundo defende essa perversão”, resume, deixando claro que vai bater pesado nos predadores do futuro do Brasil, que a tudo querem privatizar e a todas as políticas públicas de proteção social buscam desqualificar e desmontar.
Com uma biografia invejável, inclusive no campo acadêmico, da pesquisa científica (fez mestrado em Harvard e escreveu um livro sobre economia em parceria com o intelectual brasileiro Roberto Mangabeira Unger ), Ciro é ficha limpa e desafia a quem quer que seja a provar que ele tenha sido processado por improbidade, mesmo tendo exercido os cargos de prefeito de Fortaleza, governador do Ceará e Ministro da Fazenda de Itamar Franco e da Integração Nacional, no primeiro governo Lula. Só para lembrar , foi ele que deu início às tratativas para viabilizar a transposição do Velho Chico.
Bem, quem fala o que ele fala, quem detona os políticos sabidamente corruptos como ele detona, é prova cabal de que não em rabo de palha. O que falam dele, e isso ele admite, é que o cearense de Pindamonhangaba (nasceu em São Paulo e foi menino para o Ceará) tem pavio curto. Às vezes, quando irritado, ele parte pra porrada verbal, bem ao estilo Requião. Mas não pode ser chamado de desequilibrado, porque nunca perdeu a linha enquanto exercia os elevados cargos já citados.
Mas o que mais impressiona em Ciro Gomes é sua capacidade de verbalização, o preparo e a cultura que demonstra possuir e a visão de futuro de que tanto o Brasil precisa nesse momento.
Ao ser lançado pré-candidato pelo PDT, foi claro sobre seu projeto de Brasil: combater a desigualdade social e incrementar a industrialização do país são suas prioridades. Para os trabalhadores, um alento: “é preciso evitar que a massa salarial dos brasileiros se transforme, relativamente, na pior do mundo”.
Lembra sempre em suas palestras e entrevistas que “ nos anos 80 a produção industrial brasileira superava as da China, Malásia, Vietnã, Cingapura e Coreia do Sul somadas. Hoje, a China tem uma produção seis vezes e meia a do Brasil. Desde então, a relação entre produção capital e PIB caiu de 30% para menos de 10%.Por isso, defendo que é preciso retomar a industrialização com base em vários eixos”.
Exemplos? “No agronegócio 40% de todos os insumos utilizados na principal atividade da economia brasileira são importados. O Brasil não fabrica defensivos ou implementos agrícolas. Precisa voltar a fabricar”.
Critica duramente a entrega do patrimônio nacional pelo atual governo ao capital estrangeiro, lembrando Brizola quando se indignava com “as perdas nacionais”. Cita, por exemplo, o caso recente do cargueiro KC-390: “ Fabricado pela Embraer, este avião poderia dominar o mercado mundial. Faltavam R$ 700 milhões para homologar o cargueiro, mas o dinheiro não foi liberado e optou-se por entregar a Embraer à Boeing, uma fusão fictícia”.
Quando o assunto é petróleo lembra “a cadeia do petróleo e gás, colocada pelo governo Temer a serviço das grandes transnacionais. O Brasil agora enfatiza a exportação de petróleo bruto, aumentou a importação de derivados dos Estados Unidos e subutiliza seu próprio parque de refino. Um absurdo sem tamanho”.
De uma coisa não tenho dúvida: sem Lula na parada Ciro Gomes torna-se o cara. O PT deveria, desde já, lançar mão de um plano B e com humildade franciscana (o que parece muito difícil) abrir mão do protagonismo, para fortalecer o campo progressista, de preferência dando Fernando Haddad como vice. Haddad é um dos melhores quadros da política brasileira no momento e qualificaria de maneira extraordinária a chapa presidencial liderada por Ciro Gomes.
A direita vem babando, com Geraldo (opus dei) Alckmin, Jair (gatilho) Bolsonaro e Rodrigo (Nhonho) Maia. Que Deus tenha piedade de nós.

8 de março de 2018

Sinal amarelo

.
Você não precisa ser um revolucionário, não precisa ser um socialista e nem sequer ter afinidades com a esquerda. Basta ser um democrata, um nacionalista e ter sensibilidade social para saber que se os partidos que habitam o campo progressista não se unirem agora, a direita leva, ou com Bolsonaro ou com Alckmin. E aí, o golpe contra o estado do bem-estar social sacramentado na Constituição de 1988 irá definitivamente para o vina

Deus livre os aposentados


Rodrigo Maia será candidato a presidente da república pelo DEM. Deixou claro que se chegar lá colocará um freio nas despesas correntes do governo, principalmente dos benefícios previdenciários. Coitados dos pensionistas e daqueles que estiverem sobrevivendo com auxilio doença. Esse consegue ser mais perverso de que "Bento Carneiro", o vampiro brasileiro.
Ele cutucou Ciro Gomes, dizendo que o ex-governador do Ceará tem visão atrasada de economia. Num debate , Ciro Gomes trucida Maia.

Joguem fora as ilusões


         .  por Rodrigo Vianna, no Escrevinhador
Não é possível ter mais qualquer ilusão: o jogo institucional conduzirá Lula para a cadeia.
A lógica do golpe – iniciado nas ruas em 2013, interrompido nas urnas em 2014, e retomado com total apoio midiático após as passeatas amarelas (2015) que levaram à derrubada de Dilma (2016) – é a interdição de Lula e do PT.
Dias antes do STJ reunir-se para negar (nesta terça-feira, 6 de março) o habeas corpus pedido por Lula, li análises de advogados de esquerda que (mesmo em privado) ainda faziam apostas ilusórias, contando com votos e decisões que contrariassem a Lava-Jato – reversões todas baseadas em sólidos argumentos jurídicos.
Ilusão. A ordem jurídica de 1988 desmoronou. A hora é de jogar fora as ilusões.