. Ruth Bolognese, no Blog Contraponto 
Como dizia Oscar Wilde, “só os tolos não se deixam levar pelas aparências” e o eleitor, em muitos e muitos casos, se deixa levar sim, mais pela aparência do que pelas ideias e propostas dos candidatos. Não fosse assim, e muita gente bonita, e digamos assim, desfalcada de um pensamento mais profundo, jamais chegaria lá. Mas vamos às particularidades essenciais de cada um deles:
Ratinho Jr. – é bonitinho, tipo rapaz alegre, com chance de sucesso em qualquer festa do Laço pelo Interior do Paraná. Se usar camisa xadrez, jeans e botas e cantar “ Largado às traças” vira um agroboy genuíno. Se fizer um cursinho rápido sobre a combinação do verbo com o sujeito (menos com o juiz Sérgio Moro, claro), colocar gel no cabelos e um terno da C&A, vira um típico advogado curitibano. A dualidade mais ajuda do que atrapalha o candidato.
João Arruda – A estampa é herança dos Requiões e do pai, apresentador de TV, João José Arruda, o JJ, já falecido. Tem olhos azuis, altura mediana e se emagrecer um pouco com as agruras da campanha, ficará bem melhor na fita. João Arruda é muito mais curitibano do que interiorano e, para reconhecer, precisa ser apresentado duas vezes para um pé de soja. Mas pode fazer muito sucesso com o eleitorado feminino, também pela dedicação à Lei Maria da Penha Virtual.
Cida Borghetti – Mistura da italiana Sofia Loren com a norte americana Raquel Welch, Cida Borghetti conserva sua beleza na maturidade. Tem presença e sabe ser simpática, principalmente com adversários. Só precisa resolver um pequeno problema: aparecer algum dia, em algum local público, sem a presença do marido, deputado federal Ricardo Barros. Aí, é quase certo que convença o Paraná que é mesmo Cida Borghetti e não uma projeção dele pra melhorar a própria imagem.