29 de dezembro de 2016

Uma reflexão importante e necessária


Combater a corrupção é fundamental, embora em outros tempos essa era uma disposição que não existia, nem por parte da Justiça e nem do Ministério Público. O experiente jornalista Mauro Santayana analisa o outro lado da moeda da operação lava-jato. É o lado do desmonte de grandes empresas brasileiras da área da construção civil, que sucumbem ante a transformação de doações de campanha e caixa 2 em propina, sem levar em conta que o problema não está na empresa A ou B, no político B ou C, mas em todo um sistema corrompido, este sim, a ser alterado com a máxima urgência.
O combate a corrupção, da forma seletiva e de potencialização do ódio como fazem os procuradores e o juiz Moro, já provocou , segundo Santayana, “um prejuízo ao país de R$ 140 bilhões, demissão de milhares de trabalhadores, interrupção de dezenas de projetos na área de energia, indústria naval, infra-estrutura e defesa, quebra de milhares de acionistas, investidores e fornecedores”.
Não se trata de aliviar a barra dos executivos e mega empresários presos, mas de discutir mecanismos que não ocasionem a morte de  gigantes da engenharia, que ergueram grandes obras não só no Brasil mas em vários outros países. “ A engenharia nacional está perecendo. Foi ferida de morte por um sistema judiciário que pretende condenar, a priori, qualquer contato entre empresas privadas e o setor público, e desenvolveu uma Jurisprudência da Destruição de caráter descaradamente político, que não concebe punir corruptos sem destruir grandes empresas, desempregar milhares de pais de família, interromper e destroçar dezenas de projetos estratégicos”, diz Mauro Santayana, que sentencia:
“A engenharia brasileira faleceu, com seus escritórios de detalhamento de projetos, suas fábricas de bens de capital, seus estaleiros de montagem de navios e plataformas de petróleo fechados, suas linhas de crédito encarecidas ou cortadas, seus ativos vendidos na bacia das almas e seus canteiros de obras abandonados.E o seu sepultamento está marcado para algum momento de 2017.
Será sacrificada no altar da estúpida manipulação midiática de factóides econômicos, com atitudes desastrosas como a antecipação suicida pelo BNDES – em plena recessão – do pagamento de R$ 100 bilhões ao Tesouro”.
Esse dinheiro colocado no tesouro, certamente para pagar juros da dívida pública é um dinheiro que poderia ser imediatamente aplicado em infra-estrutura e que “ vai em troca de uma insignificante, irrelevante, pouco mais que simbólica redução de 1% na dívida pública, quando, sem fazer alarde, os dois últimos governos reduziram a Dívida Nacional Bruta de 80% em 2002 para 67% em 2015, e a Dívida Líquida de 60% para 35% no mesmo período, pagando US$ 40 bilhões devidos ao FMI, e economizando mais de US$ 370 bilhões em reservas internacionais nos anos seguintes”.

Lendo esse texto maravilhoso do Santayana, aciono minha santa ignorância para perguntar: por que a grande imprensa e as redes nacionais de televisão não recuperam o mínimo de senso ético que tinham no passado e passam a divulgar os fatos como eles realmente são? Por que o noticiário econômico distorce tanto a realidade fiscal brasileira, defendendo crimes de lesa pátria como a PEC 55 e a reforma da previdência proposta pelo governo TEMERário? Por que apóiam o desmonte criminoso do estado social que está sendo feito ao mesmo tempo em que o governo impostor fatia a Petrobras e entrega de mão beijada as nossas reservas de petróleo a multinacionais?

Nenhum comentário: