Pular para o conteúdo principal

Aleluia, fui pesquisado!



Fui pesquisado hoje pela primeira vez na vida. Nunca um instituto de pesquisa me abordou em período eleitoral. Mas hoje foi um grande dia pra mim. Estava eu na casa de uma cunhada no Jardim Industrial quando ao sair, me parou uma moça com uma prancheta e o crachá do Data Vox.
Ela fez inicialmente as perguntas de praxe: idade, faixa de renda, nível de instrução, essas coisas. Em seguida perguntou em quem eu votava nesse segundo turno."Voto no 12", disse. Meio incomodada, talvez porque parecia ser sua chefe que estava por perto, ela insistiu: "O senhor admitiria votar no 11?". Eu disse: "Em hipótese nenhuma". Recorrendo a uma lista de perguntas, emendou essa: "O que o senhor achou das duas administrações do Silvio, foram boas?". Respondi que não. Percebi que a jovem estava incomodada com as respostas. Mas continuava forçando a barra para eu responder alguma coisa positiva sobre o candidato da coligação A Mudança que Dá Certo .
Ao final, ela quis saber meu nome, meu endereço e meu telefone. "Sem problemas, dou meu primeiro nome e o telefone, pode ser?" , indaguei. Ela então anotou e seguiu seu caminho se desculpando: "Olha, senhor, eu estou fazendo as perguntas que me mandaram fazer, estou nada mais nada menos do que fazendo meu trabalho, ganhando meu dinheiro". Eu também me desculpei com ela pela minha sinceridade que a desapontara e desejei-lhe um bom trabalho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …