30 de novembro de 2015

Deprimente

"Ricardo Barros (PP) reuniu ontem oito vereadores para pedir a aprovação do projeto que lhe dará controle total sobre os serviços públicos de Maringá e, de quebra, dispensará o fantoche de plantão de ficar dependendo de vereador para projetos relacionados à privatização de qualquer setor da cidade.
RB não admite a rejeição do projeto: o blog soube que chegou a dar um tapa na mesa e chamar o prefeito Carlos Roberto Pupin (PP), que estava presente, de “cagão” e “muxiba”.

   . Site do Rigon

A cena deve ter sido deprimente e reveladora do mal que o nível de desinformação e consciência do eleitorado tem feito a Maringá.

28 de novembro de 2015

Paulo Vidigal renuncia candidatura à presidência do SISMMAR


A eleição do Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá, que teria segundo turno entre Iraídes e Paulo mas foi "melada" por uma ação mal explicada da chapa que ficou fora, liderada pela Solange Marega, não voltará a ocorrer  com as tres chapas iniciais. A Chapa 2, que surpreendeu no primeiro turno foi desfeita com a renúncia do seu titular, Paulo Vidigal. Os motivos que levou Paulo a renunciar são de ordem interna,parece que houve traição no próprio seio da chapa que ele liderava. Vejam a íntegra da nota:

NOTA PÚBLICA SOBRE MINHA RENÚNCIA A CANDIDATURA NA ELEIÇÃO DO SISMMAR:
.
Servidoras e servidores,
Na tarde dessa sexta feira protocolei junto a comissão eleitoral minha renúncia a candidatura à presidência do SISMMAR pela Chapa 2. 
.
Pergunta-se por que renunciar após um resultado tão positivo no primeiro turno? Após tanta luta? Por que renunciar se eram grandes as chances de vencer a eleição? Antes de responder gostaria de dizer algumas palavras. 
.
Dediquei-me a essa campanha desde o início do ano. Abri mão da minha vida pessoal em nome da construção de um projeto de um sindicato independente, classista e de luta. Minha casa se transformou num comitê de campanha, mas isso era menor diante desse projeto.
.
Durante a campanha os ataques pessoais foram fortes. Agüentei firme e com a consciência tranqüila porque meu desejo de construir um sindicato de luta, independente de governos e partidos era muito maior do que as pancadas que eu recebia.
.
Foi um primeiro turno duro, cheio de desigualdades de toda sorte: estruturais, financeiras. Participei da campanha sem me afastar do trabalho, continuava trabalhando a noite. Mas mesmo com essas e muitas outras dificuldades o projeto de um sindicato independente, classista e de luta continuava maior. Um projeto que foi reconhecido e aceito por um grande número de servidoras e servidores.
.
Volto ao motivo da minha renúncia. Lamentavelmente detectei dentro da chapa o que significava uma interferência partidária. Essa “movimentação” tentou criar um grupo majoritário dentro da chapa e possível futura direção. Para se criar esse pequeno grupo, foram praticadas várias atitudes que repudio. 
.
Essa interferência conflitava com aquilo que me comprometi com os servidores. Continuasse a frente da chapa e, caso fossemos eleitos, com essa interferência eu não conseguiria cumprir o compromisso de realizar uma direção sindical independente de interferência partidária. 
.
Tentei reverter essa situação para manter o projeto e evitar a renúncia, mas lamentavelmente isso não foi possível. Os responsáveis por essa interferência poderiam ter evitado a renúncia, mas não o fizeram. Terão sobre suas consciências esse fardo, eu não. 
.
A renúncia é uma decisão muito difícil. Envolve muitas situações, envolve nossos sonhos, pois trata-se de um projeto que muitas pessoas acreditaram, tenho total consciência disso. Mas para mim, não vale tudo para chegar ao poder. É preciso ter ética, ter moral e caráter. Tenho repetido que não jogarei meu nome e minha história de participação nas lutas dos servidores no lixo. 
.
Com a minha renúncia nove servidores decidiram espontaneamente deixar a chapa. São eles: Valdemir Pereira, Paulo de Castro Meyer, José Cecílio Neto, Almir Alves de Almeida, Vera Lucia da Silva, Nelma Alves Moreira, Pascoal Leite Albuquerque, Francisca Beatriz D. Meyer e Tiago Lopes Barcelos. Quanto aos demais que permaneceram na chapa, a absoluta maioria, repito, absoluta maioria, tem meu total respeito, pois são verdadeiros lutadores, que apesar de não terem saído da chapa também não concordam com essa interferência partidária. De boa fé, acreditavam que a interferência partidária poderia ser posteriomente revertida.
.
Agradeço a todos servidores e servidoras que votaram confiando no projeto de construir um sindicato independente, classista e de luta e que confiaram também em mim. Em respeito a essa confiança de vocês tomei essa decisão. Agradeço também a minha família pelo apoio durante todo esse processo. Aos servidores digo que dessa vez não me verão como presidente do sindicato, mas certamente me verão nas lutas, como tem sido até hoje.
.
Com tristeza, mas com a consciência tranqüila, me despeço com um abraço fraterno. 
.
Paulo Vidigal

25 de novembro de 2015

O que há de errado seu Téo?

Aécio Neves teria ido a Nova York palestrar para um grupo de investidores, a convite do BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, preso hoje na Lava-Jato pela Polícia Federal. Apenas por coincidência ele estava em lua de mel e teve paga a sua e a passagem da esposa Letícia Weber, além da hospedagem no Hotel Waldorf Astoria. O que tem de mais nisso, ehim  seu Téo Pereira?

24 de novembro de 2015

Bem aventurado o Velho Chico





O Eixo Norte do projeto de integração do Rio São Francisco com bacias hidrográficas do Nordeste Setentrional está praticamente pronto. As águas do Velho Chico vão, logo, logo, beneficiar 12 milhões de nordestinos até 2017. A transposição era inimaginável até alguns anos atrás , embora este fosse um sonho antigo, sonhado já no século XIX.
Orçado  em R$ 8,5 bilhões, o projeto de transposição vai irrigar o semiárido , segundo os técnicos sem prejudicar o curso do rio. Apesar das muitas contestações (houve até greve de fome de um bispo no início das obras durante o primeiro governo Lula), o projeto traz benefícios que jamais a sofrida população nordestina sonhou . O relatório de impacto ambiental concluído em 2007 apresentou dados muito positivos, inquestionáveis sob o ponto de vista técnico.

Gostem ou não, falem o diabo dos governos Lula e Dilma, ninguém vai poder subestimar a importância da transposição, que deverá libertar uma área gigantesca do semiárido da seca inclemente, levando água a 12 milhões de brasileiros. Por maior que seja o desgaste do governo petista e sobretudo de Lula quando 2018 chegar, não será nada fácil para a oposição, liderada pelo PSDB, voltar ao Palácio do Planalto. Talvez isso explique tanta ira.

Corrupção regada a Whisky 12 anos




E A LAVANDERIA CC5, VAI FICAR POR ISSO MESMO? OU O MEIO TRILHÃO DE REAIS QUE LAVARAM NA AGENCIA BANESTADO DE NOVA YORK NÃO CAUSA INDIGNAÇÃO AO RESPEITÁVEL PÚBLICO?
“Alexandrino de Alencar, ex-executivo da Odebrecht preso por quatro meses na 14a fase da operação Lava Jato e libertado há cerca de um mês, tem confidenciado a amigos que, em seus depoimentos na prisão, propôs contar tudo o que sabia sobre as relações da companhia com os governos brasileiros ao longo de mais de 20 anos como funcionário de carreira do grupo. “Mas não se interessaram em saber tudo. Só quiseram informações dos últimos 12 anos”, assim Alexandrino tem dito”.
. Do site DCM (Diáio do Centro do Mundo)
Meu comentário: alguém adivinha porque nunca se quis investigar a corrupção anterior ao governo Lula? A roubalheira anterior não vale, o país tem que esquecer. Tem que esquecer, por exemplo, o escândalo das contas CC5 (caso Banestado), tem que esquecer que o mensalão começou lá atrás,com Eduardo Azeredo, no governo tucano de Minas; tem que esquecer o escândalo das privatizações, principalmente a privatização da Vale do Rio Doce. E por que alguém haveria de lembrar a compra de votos para a emenda da reeleição, quando segundo o repórter da Folha de São Paulo, Fernando Rodrigues, teve deputado que recebeu R$ 200 mil para votar com o governo FHC? E por que não retroagir as investigações do propinoduto implantado na Petrobras a 1996, quando Paulo Francis denunciou a roubalheira na estatal?
Não dá pra imaginar que a Operação Lava-Jato prossiga sem que se reabra, ou nela se inclua, o desvio de quase meio trilhão de reais via contas CC5 para a agencia do Banestado em Nova York. Por isso é que as denúncias seletivas via Lava Jato são uma grande demonstração do elevado grau da hipocrisia nacional.
Perguntaram a um advogado amigo meu porque ele não foi na palestra do juiz Sérgio Moro. A resposta foi sintomática: “Tenho respeito por ele, porém, nenhum apreço”.

20 de novembro de 2015

O que inspira Moro trás-nos os riscos de um Berlusconi




Sérgio Moro se inspirou na Operação Mãos Limpas da Itália para conduzir o processo da Lava-Jato. A obsessão dele pela prisão de Lula, segundo deduz o jornalista Rodrigo Viana , tem a ver com o fato de Bettino Craxi, líder do Partido Socialista Italiano ter se tornado o grande alvo da Mãos Limpas. Lula, para Moro, é uma espécie de Craxi brasileiro.
A decisão do STF, de negar habeas corpus a Marcelo Odebrecht, enche o juiz federal de esperança, porque se a suprema corte se recusou a soltar o megaempresário, certamente pode se negar também a soltar Lula, caso o mesmo venha a ser condenado por Moro. A dedução é que o magistrado da Lava-Jato quer por que quer colocar o ex-presidente atrás das grades mas teme ser desmoralizado por uma decisão contrária do Supremo Tribunal Federal.
A prisão de Lula seria pra o juiz maringaense (formado na UEM) um verdadeiro troféu, que o colocaria para sempre na história do judiciário brasileiro, exatamente por ter prendido um grande líder político, ainda mais sendo ex-presidente da república. E mais: identificado com a esquerda. Sua sentença o tornaria celebridade, como ocorreu, por exemplo, com o juiz James Wilkerson, que condenou Al Caponi por lesar o fisco norte-americano.
Vale lembrar que Sérgio Moro publicou artigo certa feita dizendo que o caso italiano poderia vir a ter uma versão brasileira. Desde então passou a atuar nos moldes da Operação Mãos Limpas (Mani Pulite), deflagrada no início dos anos 90 contra poderosos políticos (e partidos) italianos. Mas é preciso lembrar que esta operação teve um preço alto para a Itália: gerou o populista Silvio Berlusconi, que acabou primeiro ministro, O resto da história todo mundo sabe.
Fico pensando, então, se a Lava-Jato coloca grandões na cadeia e pode prender também um ex-presidente, mesmo que seus métodos sejam contestados por diversos juristas , o que viria depois? Quem seria o nosso Berlusconi?

17 de novembro de 2015

Requião chega a borduna na Executiva Nacional do PMDB





O senador Roberto Requião (PR) discursou na manhã desta terça-feira (17), em Brasília, no congresso da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), braço político do PMDB nacional.
Ele disse  disse que o evento  é uma clara tentativa de adesão à tese do golpismo e do neoliberalismo econômico:"Estão esperando que a presidente Dilma Rousseff seja cassada e o vice Michel Temer assuma o governo com uma pauta muito pior que atual. As propostas são “apócrifas”, porque ninguém assina, e,“nem o PSDB nem a antiga Arena tiveram coragem de defender”.
  . Blog  do Esmael
Pesquisa de uma tal  Visão Intelligence, de Londrina, publicada pelo site do Rigon aponta o Dr Batista liderando, com folga, a disputa para a Prefeitura de Maringá. Lembremos: Batista sempre começa bem e termina mal. Tem se revelado um verdadeiro cavalo paraguaio. Vamos ver dessa vez.

13 de novembro de 2015

Sem um estado palestino não há chance de paz no Oriente Médio, diz o especialista Georges Bourdoukan

“Quem tem medo dos palestinos?

Ou alguém acha que a efervescência nos países árabes nada tem a ver com a Palestina?


A comunidade Europeia que não consegue andar com as próprias pernas, segue o Império sejam quais forem as circunstâncias.

O que me assusta é que certos segmentos que se dizem de esquerda continuam sendo pautados pela mídia corporativa.

Essa tal mídia faz um esforço homérico para ignorar que o fundamental no Oriente Médio é a Questão Palestina.

Até outro dia a mídia corporativa estava preocupada com a Tunísia.

Depois foi a vez do Líbano.

Tanto a Tunísia quanto o Líbano já foram esquecidos.

E sobre a Palestina nenhuma linha.

Por que será?

Alguém explica?

E o que dizer então de Israel?

Haverá ditadura pior do que a israelense?

Um estado racista, laico e construtor de muros segregacionistas.

Comparada a Israel a ditadura egípcia é um refresco.

Perguntem aos palestinos.

Mas a mídia controlada pelo império está sempre grasnando que o estado teocrático de Israel( que sequer reconhece o casamento civil) é uma democracia.

Lembram da África do Sul na época do apartheid?

Pois é, diziam que era a única democracia africana.

Lembram do Iran antes da Revolução Islâmica?

Quando o xá Reza Pahlevi prendia e arrebentava?

Pois é, era também um exemplo de democracia segundo o Ocidente.

O que dizer da Arábia Saudita?

Não sem razão que Israel e Iran eram os únicos países daquela região que mantinham relações plenas com o apartheid da África do Sul.

Perguntem ao Nelson Mandela o que os instrutores de tortura israelenses faziam com os prisioneiros africanos que lutavam pelo fim do apartheid.

A tortura faz parte do DNA dos euro-sionistas e dos askeNAZIS.

É lamentável isso tudo, mas precisava ser dito.

E para aqueles que veem mas não enxergam, que fique claro que nada mudará na região se os palestinos continuarem sofrendo com a apartheid israelense.

Somente um Estado Palestino trará a paz e harmonia na região.

E isso será apenas o início de uma longa jornada.

Administração predadora


Site do Rigon

A administração Pupin/Barros fez a limpa: não resta mais nenhum flamboyant no canteiro central da avenida 19 de Dezembro, no trecho de três quadras, entre as avenidas Guaíra e a Colombo. Ontem o blog publicou algo a respeito.
Não é preciso dizer que, com a importância que árvores adultas têm na redução da temperatura, e no verdadeiro forno que se transformou Maringá, há muita gente lamentando que a prioridade nesta cidade não seja o ser humano. De 2011 até esta manhã foram cortadas 17 árvores naquele trecho.

Meu comentário: esta tem sido uma prática comum em Maringá nos últimos 11 anos, desde que Silvio Barros II, o comentarista de sustentabilidade da CBN, assumiu , junto com Pupin, o comando (formal) da cidade.

9 de novembro de 2015

A greve, que cheira a golpe, está a caminho do fracasso




A greve dos caminhoneiros autônomos iniciada hoje está fracassando mais cedo do que imaginavam seus organizadores que ninguém sabe quem são, de onde vêm e a que propósito servem. Aliás, sabe-se sim: o propósito é enfraquecer ainda mais o governo e facilitar o caminho do impeachment . Quem acha que estou exagerando ou defendendo o governo Dilma , que não é verdade, leia esta nota emitida pela Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, a CNTA:
“Diante de mais uma pretensa paralisação de caminhoneiros convocada por grupos de internet, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) comunica que:
1 – sempre manifestamos nosso apoio a movimentos de interesse específico da categoria dos caminhoneiros autônomos, organizados ou não, desde que haja representantes que respondam pelos atos que praticam;
2 – consideramos imoral e repudiamos qualquer mobilização que se utilize da boa-fé dos caminhoneiros autônomos para promover o caos no país e pressionar o Governo em prol de interesses políticos ou particulares, que nada têm a ver com os problemas da categoria;
3 – paralisações, greves e protestos são legítimos em um regime democrático, mas assim como acontece com outras categorias profissionais, as entidades sindicais que têm a prerrogativa legal de deflagrar uma greve, passam obrigatoriamente pela elaboração de uma pauta de reivindicação específica da categoria que representam, para ser aprovada em assembleia geral, que é quem tem, ao final, a legitimidade de deflagrar uma greve;
4 – Os caminhoneiros há muito vêm construindo a sua organização de representação sindical. Não podemos admitir agora que pessoas estranhas, sem histórico algum de representação da categoria, utilizem-se do respeito que o caminhoneiro conquistou junto à opinião pública pela força e importância que exercem na economia do país. Força essa reconhecida pelo governo sobre a necessidade de suas reivindicações serem discutidas mais abertamente;
5 – hoje podemos contar com o Fórum Permanente do Transporte Rodoviário de Cargas que foi criado para ser um canal aberto e direto do setor de transportes com a inovação de estar conjuntamente sendo representado por caminhoneiros autônomos, empresas de transporte de cargas, embarcadores e Governo;
6 – a CNTA se constitui hoje em seis federações e mais de cem sindicatos de caminhoneiros autônomos de todo o país. Por isso, respeitamos qualquer manifestação de interesse público de forma organizada. A rodovia é o escritório de trabalho dos caminhoneiros, assim como o mecânico tem a oficina, o bancário trabalha na agência. Portanto, o direito de manifestação e participação espontânea não deve ser confundido com a interrupção de rodovias obrigando a paralisação de quem precisa trabalhar ou não concorda com a manifestação;
7 – é importante registrar as graves consequências que um bloqueio de rodovias traz tanto para os transportadores que delas se utilizam, como para a sociedade em geral. É incalculável o prejuízo econômico, social e pessoal que esse tipo de atitude traz. Neste momento, consultada a categoria, ela manifesta sua necessidade de trabalhar e não de paralisar. Até porque a dificuldade econômica por que passamos, não é exclusividade dos transportadores rodoviários, e sim de todo o país;
7 – entendemos e reconhecemos a frustração tanto dos caminhoneiros como da população com a situação econômica do Brasil. No entanto, a CNTA acredita em uma guinada, a exemplo de outros países considerados potências econômicas, que também passaram recentemente por crise financeira, mas com a luta e apoio da população, de forma inteligente e organizada, viraram o jogo e estão novamente em crescimento;
8 – Ao consultar a sua base de representação, a CNTA e as entidades que a compõe, federações e sindicatos, optam pela defesa dos interesses dos caminhoneiros, por meio do diálogo e negociação com o Governo Federal e setor privado.
A CNTA alerta ainda que antes de qualquer pessoa se intitular uma liderança e promover uma paralisação nacional é preciso partir da premissa que uma crítica deve vir acompanhada de uma sugestão. Gritos de ordem incitando protestos podem conseguir apoio e simpatia, mas sem propostas concretas de nada adiantam.
Curitiba, 04 de novembro de 2015”


Locaute para alimentar o golpe



São José do Cedro, Santa Catarina. Este é um dos pontos de concentração do locaute de empresas de transporte, cacifada não se sabe por quem, par forçar uma greve de caminhoneiros que pare o país, cria uma situação de caos e injete oxigênio no cilindro do golpe.
A esmagadora maioria dos motoristas está presa em bloqueio diversos e sendo ameaçada, inclusive com a morte de um deles, que recebeu uma pedrada no pescoço quando tentou passar. A Polícia Rodoviária Federal está sendo acionada em todo o país, mas parece não estar dando conta de liberar as estradas.
O que falta e a Polícia Federal, com seu poder de investigação, ir ao cerne da questão: descobrir de onde parte a mobilização, que não é de trabalhadores, mas pelo que se percebe, de empresas de transporte, incentivada por lideranças políticas interessadas em desgastar ainda mais o governo, para facilitar o caminho do impeachment. 




4 de novembro de 2015

Nada de semântico nesse "pedala Robinho"




A Lei de Responsabilidade Fiscal é, teoricamente, uma barreira à improbidade no setor público. Mas só teoricamente, porque se há uma coisa que o brasileiro sabe fazer muito bem é driblar. O drible é uma arte do futebol, celebrizada pela dupla Pelé e Garrincha, mas que na política tem vários adeptos e hábeis dribladores. Uma das saídas para auferir vantagens é pelas laterais do campo, com dribles chamados aditivos em contratos de execução de obras licitadas. Outra, que pode ser chamada também de “pedala Rodinho” é a colocação de venda nos olhos da fiscalização  de prédios públicos, para evitar obras de boa qualidade, o que impede reformas em curto espaço de tempo. Talvez fosse o caso do Ministério Público ser melhor instrumentalizado ou, quem sabe, dos observatórios dito sociais usarem lentes “olho de peixe” no seu trabalho de vigilância e proteção do erário.


3 de novembro de 2015

Feiura dá trova



Um homem muito esquisito com cara de azarado
Dizia aos quatro ventos estar da feiura curado
Mas na fila da beleza andou chegando atrasado

EU

Silvio e Pupin tem bens bloqueados pela justiça

 
                       

                    . Site do Rigon
O Tribunal de Justiça do Paraná determinou liminarmente a indisponibilidade de bens do prefeito de
Maringá, Carlos Roberto Pupin (PP), do ex-prefeito Silvio Barros II (PP), atual secretário de Planejamento de Beto Richa (PSDB),de um secretário e um ex-secretário municipal, um ex-procurador geral e uma empresa de engenharia, cujos nomes não foram divulgados, por prática de atos de improbidade administrativa.
Todos são réus em ação civil pública ajuizada pela 20ª Promotoria de Justiça de Maringá. 

De acordo com a ação, os réus foram responsáveis pela assinatura de três contratos irregulares com a empresa de engenharia para prestação de serviços de fiscalização de obras. Segundo investigações do Ministério Público, a contratação da empresa apresentou diversas ilegalidades: terceirização de atividade-fim, ausência de situação que exigisse conhecimento técnico especializado, burla ao sistema constitucional de concurso público, ausência de situação de urgência, valores pagos totalmente desproporcionais à remuneração dos servidores com a mesma atribuição (quase 20 vezes o valor da remuneração), não correspondência entre os objetivos do termo referencial da licitação e o conteúdo contratual, dentre outras.
O MP-PR apurou ainda que a empresa contratada, com sede na capital paulista, havia feito doação para a campanha eleitoral do atual prefeito. A esse respeito, argumenta a Promotoria na ação: “Soa absolutamente estranho acreditar que uma empresa sediada em São Paulo-SP, sem vínculos com Maringá que não fossem os contratos mencionados nesta ação, tivesse algum interesse legítimo em doação deste naipe”.
Além do pedido liminar de indisponibilidade dos bens dos envolvidos, até o montante estimado do prejuízo ao erário, de aproximadamente R$ 3 milhões, a ação requer a condenação dos réus por ato de improbidade administrativa.

       Site do Rigon

Silvio pode ser barrado no baile

“O deputado federal Ricardo Barros (PP) considera a situação do irmão mais velho, Silvio Barros II (PHS), “difícil”, por causa dos muitos processos que este responde na justiça; em alguns ele foi condenado por improbidade administrativa.
Numa das mais recentes ele foi condenado a devolver cerca de R$ 1 milhão por causa da nomeação irregular de um apaniguado político. Ou seja, o primeiro obstáculo a vencer está no Judiciário”.
     . Do site do Ângelo Rigon

Se a Lei da Ficha Limpa de fato pegou (porque há lei que pega e lei que não pega), Silvio fatalmente será barrado no baile em 2016. Se isso acontecer, será inevitável uma alteração do quadro, embora o  irmão reiCARDO fará o diabo para manter a correlação de forças para continuar no comando da cidade. Com Silvio fora da parada crescem as chances de Ulysses Maia, uma espécie de terceira via , já que desde 2004 PT e PP (Barros e Verris) polarizam a disputa em Maringá.

2 de novembro de 2015

Eis aí de novo, o roto falando do esfarrapado





Fernando Henrique Cardoso agora é colunista do  Estadão, de onde lança ideias que nunca executou enquanto presidente; dita regras e prega, sem nenhum pudor, o estado mínimo, tão obcecadamente defendido por liberais “probos” como Bornhausen, Agripino, Eduardo Cunha e outros menos notáveis.
Na última coluna, FHC gaba-se de estar retornando da Alemanha onde foi especialmente para assistir a duas sinfonias de Beethoven , algo que lhe confortou muito.
Reconfortado, de alma lavada e coração leve, voltou ao Brasil para pregar a derrubada da presidente Dilma , que para o ídolo do meu preclaro amigo Edmundo, devia  ter a “grandeza” de renunciar .O governo tucano de Fernando Henrique, todos sabem, foi uma lástima do ponto de vista econômico e ético. Surfou com o sucesso do Plano Real,  criado na gestão Itamar Franco, que morreu magoado com o fato de FHC assumir a paternidade de um plano que ele não fez, apenas pilotou . Franco não admitiu , mas ficou claro que cedeu a pressão das elites  para que ajudasse a viabilizar um presidenciável capaz de derrotar o fenômeno Lula em 1994.
Quem se lembra da enxurrada de manchetes dos grandes jornais sobre a crise econômica e de credibilidade do governo Fernando Henrique? Quem haverá de ter esquecido o escândalo da compra de deputados para aprovar a emenda da reeleição? E do escândalo das contas CC5 do Banestado? E da quase doação da Vale para um grupo privado liderado pela Vicunha do megaempresário Benjamin Steinbruch? E a roubalheira na Petrobras denunciada em 1996 por Paulo Francis?
O Brasil vive sim uma grave crise econômica, mas uma crise agravada pela movimentação golpista que a oposição faz no Congresso e que , de certa forma, afeta a governabilidade. Negar que Dilma vai mal não tem como. O governo dela é ruim mesmo. Mas , lembrando o que disse Ciro Gomes, governo ruim se tira no voto. Como a reeleição é recente, vão ter que esperar até 2018 para tentar derrotar o PT. Lulaa já é , declaradamente, pré-candidato, e a perspectiva de nova derrota para o PT, deixa o tucanato em polvorosa. Isso explica quase tudo. Explica, por exemplo, porque o glamoroso ex-presidente Fernando Henrique se entrega de forma tão ridícula  (e desesperada) à sanha golpista.