Pular para o conteúdo principal

O calcanhar de Aquiles de Moro interceptado pelo The Intercept



   Vamos lembrar aqui que quando se viu em dificuldades extremas no seu relacionamento com o Congresso Nacional, Dilma decidiu recorrer à experiência e à habilidade de Lula para que, na Casa Civil, o ex-presidente pudesse atuar como interlocutor e assim, politicamente, tentar  barrar o impeachment em andamento. Dilma estava no seu direito de nomear Lula, então sem condenação, o que naquele momento era recomendável, não só para o bem dela, mas do país.
     Mas aí entrou uma dupla sediada em Curitiba , que tinha o telefone da presidente grampeado, o que numa democracia, daria cadeia para o grampeador, fosse ele quem fosse. O grampo interceptou uma conversa entre Dilma e Lula. A presidente dizia ao ex: "O Bessias está indo aí levar o termo de posse pra você assinar”. Moro interveio , mexeu os pauzinhos e impediu a posse. Feito isso, Dilma ficou ainda mais vulnerável, e sem a presença de Lula em seu governo, foi empurrada com extrema rapidez para o cadafalso.
   A reportagem do site Intercept Brasil mostra de maneira muito clara, como a força tarefa, liderada por Moro e Dalagnol , agiu, naturalmente em desacordo com os preceitos constitucionais. Não sou advogado, mas ouso traduzir para alguns amigos leigos que não estão entendendo direito a gravidade da revelação desse fim de semana.
   Seguinte: geralmente um processo envolve duas partes, o acusado e o acusador. O acusador, no caso é o Ministério Público e o acusado, Lula, o alvo principal da Lava-Jato. Ao juiz, cabe a neutralidade, porque é ele que vai analisar e julgar conforme as provas existentes nos autos. Se o juiz faz tabelinha com uma das partes, seja com o acusado ou o acusador, ele está extrapolando das suas funções e tomando partido. Fazendo isso, ele agride a liturgia do cargo e qualquer que seja a sua sentença ela já vem contaminada pelo vírus da parcialidade. 
  Parece que é isso que está em questão nesse momento.Em estando contaminada, a sentença de primeira instância que condenou Lula no caso do tríplex teria que ser revista e, republicanamente anulada. Acho que não precisa ser operador do direito para entender isso. Ou precisa?


Comentários

Anônimo disse…
Ha muita coisa nebulosa no roteiro da rouba a jato 2.5 bilhoes e a midia bandida escondeu. Exemplo: Advogado Tacla Duran. Blogueiro, nao gosto de citar nomes de outros, por respeito ao seu, mas o desespero de 02 jornais da Capital, é de lavar a alma. A casa caiu. Dia 14 eu VOU.

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…