Pular para o conteúdo principal

O Brasil prende, prende, prende. Mas e daí?

PRENDER O BRASIL PRENDE MUITO. MAS QUANTO MAIS PRENDE MAIS A VIOLÊNCIA CRESCE

Sentenciados são mortos por seus próprios companheiros de cela; agentes penitenciários, policiais e familiares são mortos ou transformados em reféns nos presídios; fugas espetaculares, criminosos aos montes ganhando as ruas e colocando em risco a sociedade. Esta é a realidade do sistema prisional brasileiro, que abriga, praticamente como animais, quase um milhão de presos, capturados (ou recapturados) nas periferias das grandes cidades e a maioria envolvida com o tráfico de drogas.
Não é nenhuma novidade dizer que o Brasil é um dos países do mundo que mais prende. E que, quanto mais prisões são efetuadas, mais aumenta a violência nas ruas, mais à mercê da bandidagem fica a população. Não é preciso ser especialista na área para saber que só prender não é solução e que o endurecimento das penas não terá reflexo positivo na questão da violência, cujos índices são assustadores.
Qualquer estudante de Psicologia, Sociologia ou mesmo Antropologia percebe que mecanismos como aumentar a pena máxima e reduzir a maioridade penal, por exemplo, não terão qualquer impacto na redução da criminalidade. Prender, prender e prender, está provado que é jogar gasolina na fogueira. Um delinquente que é jogado numa cela apinhada de marginais perigosos vai, das duas uma: morrer lá dentro ou tornar-se tão perigoso quanto.
O projeto do ministro Sérgio Moro endurece a legislação penal, mas dizem especialistas que não levará o país a lugar nenhum, se não houver investimentos pesados no sistema carcerário, para que seja ressocializador e não multiplicador de bandidos. Se o Brasil entrar nessa, de que preso tem que ser mesmo amontoado nas celas frias para pagar pelos crimes que cometeu, como pretende o presidente Jair Bolsonaro, aí então é bom que rezemos, porque desse jeito, vamos assistir a situação que já está caótica, piorar cada vez mais.

Comentários

Anônimo disse…
As facções começaram dentro das cadeias. Se o Estado não se organiza o crime se organizou. A cada dia o Estado manda jovens pobres , sem estudo e e com penas altas para para o cárcere. Neste caso o jovem ou entra para a facção ou será perseguido por ela. Complicada a situação. Somente investimento em educação de qualidade, pública, gratuíta e por longa data para resolver o problema das cadeias.
Zé disse…
Com o BOzo/Moro a situação piorou, gente inocente estão sendo assassinadas pelo estado.
Renato disse…
Estamos marchando para o estado autoritário policialesco, implantado graças ao desejo da elite econômica nacional, que não tem condições de filosofar sobre o país e a Humanidade. Virá o momento no qual ninguém mais terá coragem de sair às ruas, a não ser em carros super-blindados, que trafeguem de uma toca para outra em alta velocidade, sujeito a saraivadas de projéteis de todo tipo. O povo pobre não vai morrer, vai se espremer como puder, nos guetos das periferias, contidos por muros. Terá armas, porque a corrupção vai aumentar e muito, já sem freios morais para ser contida. O capitalismo avançado nada mais é do que uma espécie de pirataria. Ele transforma as próprias igrejas em pirataria. A falência da Democracia é a mais terrível doença social, porque é uma doença mater. Diz Hannah Arendt: "A dominação total não permite a livre iniciativa em nenhum campo da vida, em nenhuma atividade que não seja inteiramente previsível". "O totalitarismo no poder substitui invariavelmente a todos os talentos da primeira fila, sejam quais forem suas simpatias, por aqueles fanáticos e lunáticos cuja falta de inteligência e de criatividade segue sendo a melhor garantia de sua lealdade". (Hannah Arendt, Origens do Totalismo".

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro pisa na bola com o mundo árabe e deixa o agronegócio com a pulga atrás da orelha

O QUE BOLSONARO QUER DE ISRAEL, UMA FÁBRICA DA GLOCK OU OS DRONES ASSASSINOS?

O presidente eleito vive cheio de mesuras para o lado de Israel, mas deixa transparecer um certo ar de provocação ao mundo árabe. O anúncio que fez de levar a embaixada brasileira de Telavive para Jerusalém,  pode criar sérias consequências para o agronegócio brasileiro, que tem nos países árabes seus grandes compradores, principalmente de  frangos e derivados.

Os empresários catarinenses desse setor apoiaram Bolsonaro com todo entusiasmo , mas se a mudança da embaixada se concretizar,  terão muitos contratos cancelados.

Mas afinal, que interesses o Brasil pode ter mais em  Israel do que nos países árabes? E o que o Brasil compra de Israel? Compra quase nada. Talvez Bolsonaro esteja agora interessado nos drones que matam e na vinda pra cá de uma fábrica da Glock. Era dessa marca a pistola que os assaltantes tomaram dele no Rio, onde levaram também a moto e o capacete do  deputado.

Não me recordo de nenhum pr…

Democraticídio

. Tereza Cruvinel (Jornal do Brasil)


As advertências sobre o risco Bolsonaro para a democracia não são choro antecipado de perdedor, artifício de petistas desesperados para virar o jogo. O democraticídio virá, não apenas porque condiz com a natureza autoritária do deputado-capitão, mas porque, se eleito, não será capaz de dar outra resposta aos impasses que enfrentará. Os avisos vêm até dos que ajudaram a semear o antipetismo, um dos mais fortes nutrientes da candidatura favorita.
Outros, que poderiam falar mais alto, justificam a omissão com a bazófia de que, ainda que ele tente, nossas instituições terão força para evitar qualquer ruptura. Em 1964 também tínhamos instituições que pareciam funcionar, mas elas não apenas cederam ao primeiro movimento de tanques.
Elas ajudaram a executar a parte civil do golpe. Bolsonaro e seu entorno, a começar do vice troglodita, nunca esconderam o pendor autoritário e a saudade da ditadura, nos elogios da tortura e nas homenagens…

Deixem Deus fora disso

Seja o que Deus quiser? Não, não podemos invocar o nome de Deus para nos conformar com essa sujeirada toda. Depois de apoiar ostensivamente a campanha "tudo, menos o PT", a Globo chega ao final da campanha vendo o provável eleito de braços dados com sua maior concorrente, a Rede Record do bispo Macedo. E vislumbrando um acordo mais ali na frente, para minimizar o impacto da divisão das verbas publicitárias que sempre concentrou, a Globo minimizou a ausência de Bolsonaro no debate de quinta-feira. O mediador Willian Bonner limitou-se a informar, candidamente, que Bolsonaro não compareceu por ordem médica, sem questionar o circo armado em torno dessa ordem para poupar o mesmo do confronto , tete-a-tete , com seus concorrentes. Enquanto os demais candidatos debatiam, discutiam propostas ou simplesmente colocavam suas ideias e confrontavam suas biografias, Bolsonaro ganhava 27 minutos de propaganda na Rede Record, ferindo de morte a legislação eleitoral que naquele momento já n…