Pular para o conteúdo principal

DRU, que bicho é esse?



-----------------------------------
É um bicho feio, criado há 25 anos e que passou pelos governos FHC, Lula, Dilma, Temer e chega a Bolsonaro com status de " chupa cabra".
-----------------------------------

Pouca gente sabe o que é como ela é usada para o governo desviar verbas de um canto pro outro sem que a tungagem incida em improbidade administrativa por parte do gestor. Criada em 1994 permite ao governo federal usar livremente parte de todos os tributos federais vinculados por lei a fundos e despesas. O percentual era até o governo Temer, de 20%. Foi elevado pra 30% num momento em que se iniciava uma discussão para acabar com ela.
Um dos alvos prediletos dos governantes, de FHC a Dilma e de forma mais deletéria, de Temer a Bolsonaro, é a Seguridade Social. O montante de R$ 1 trilhão que o ministro Paulo Guedes quer economizar em 10 anos cortando aposentadorias e benefícios, é fichinha perto do que foi tirado da Seguridade por meio da Desvinculação de Receitas da União nos últimos 25 anos.
Essa garfada que o governo dá no orçamento da Seguridade é prova de que , apesar de tudo, o tripé saúde/previdência/assistência social continua saudável. Economistas e grandes especialistas em contas públicas sustentam que mesmo com os 30% da DRU a Seguridade ainda é superavitária. Portanto o rombo da previdência, que o governo usa como argumento para justificar a reforma “mata o véio” é pura falácia, um discurso maroto , e sobretudo sacana, para justificar o projeto neoliberal do “Posto Ipiranga” Paulo Guedes, de acabar com a previdência pública.
O mais grave dessa PEC 6/19 é que ela não só acaba com a Previdência Pública e cria um horizonte sombrio para os trabalhadores, como embute penduricalhos que não tem nada, absolutamente nada a ver com a questão previdenciária. Trás em seu bojo, mecanismos que viabilizam o fim do abono do Pis para quem recebe mais de um salário mínimo, trás mais insegurança jurídica para o empregado e incentivos absurdos, defendidos pelo presidente Bolsonaro, à aproximação cada vez maior do mercado de trabalho da informalidade.
Com suas abordagens parciais e jornalisticamente incorretas do tema, a mídia tradicional vai ajudando a anestesiar a população, que absorve com incrível facilidade o mantra do caos anunciado, caso o Congresso Nacional não aprove a reforma da previdência. Claro que vai aprovar, ainda mais depois que o presidente Bolsonaro , que da boca pra fora repudia a velha política, decidiu acenar com generosas liberação de verbas , via principalmente a emendas parlamentares, para deputados e senadores que votarem a favor da PEC 6/19.
É UMA VERGONHA!!!

Comentários

Messias Mendes disse…
Aos que dizem que censuro comentário, como um anônimo aí (pode se identificar, meu caro, sem nenhum problema): não censuro e não censurarei comentário nenhum, mas desde que o comentário não contenha acusações levianas (ou insinuações maldosas). Se quiser pegar um processo por danos morais fiquem a vontade, mas o façam por outros meios, não no meu blog.
Anônimo disse…
Caro blogueiro. O unico interesse deste governo cheio de lunaticos, e a transferencia da arrecadaçao para os bancos, que ninguem fala e a midia bandida esconde. A conta e simples. A previdencia nao recebe 0,01 centavo a partir da reforma. O fundo da previdencia vai ficar sem dinheiro para pagar os aposentados. Dizem que e direito adquirido. Sem dinheiro nao ha direito adquirido. Ou alguem acha que os bancos vao assumir o pagamento, se nao receberam contribuiçao. Aposentados simplesmente nao vao a cor do din din.
Ass: JM Lampiao.

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…