Pular para o conteúdo principal

A mídia ignora o Paraguai

O Paraguai vai ter uma eleição apática em abril para presidente da república. Procuro nos jornais do vizinho país alguma coisa sobre o processo e quase não encontro nada. A não ser que Luis Castiglioni renunciou a vice-presidência para disputar." O candidato colorado enfrentará nas eleições do ano que vem uma oposição dividida entre três pré-candidatos a Presidência: o ex-bispo católico Fernando Lugo, o ex-general golpista Lino Oviedo (recém saído da prisão) e o empresário Pedro Fadul".
Estranho como a imprensa brasileira ignora as eleições paraguaias, que terão como grande novidade a participação do bispo, que tenta viabilizar uma frente oposicionista chamada CONCERTACIÓN NACIONAL.Dom Fernando renunciou a prelazia para encarar o desafio de tentar dar um novo rumo ao país vizinho, vítima maior do colonialismo no século XIX.
Dom Fernando é dos candidatos, o que mais se identifica com as aspirações legítimas dos mais de dois milhões de trabalhadores rurais do país. Por meio de uma entidade chamada Organizações Camponesas, eles enviaram mensagem aos presidenciáveis. Reproduzo aqui um pequenoi trecho ca mensagem:

"Os camponeses e as camponesas (trabalhadoras rurais) exigimos a plena e íntegra oficialidade do guarani em todo e para todo o Paraguai.Queremos que a justiça, a verdade, a eqüidade e a prosperidade cheguem com o guarani! Basta de mentiras, enganos e promessas falsas durante as eleições! Queremos justiça!
Os abaixo-assinados, ORGANIZAÇÕES CAMPONESAS (TRABALHADORES RURAIS) de todo o Paraguai que representamos de forma direta ou indireta a 2.234.761 pessoas que vivem nas áreas rurais (ou 43,28 % de toda a população nacional, dados de 2002) e a centenas de milhares de cidadãos que também têm suas origens e suas famílias em áreas rurais (Assunção, por exemplo, em 2002 tinha aproximadamente 40% da população nascida na cidade), nos dirigimos aos candidatos às Eleições Presidenciais de 2008, quaisquer que sejam, para que ouçam nossa voz.Temos sede e fome infinitas de Justiça".

Comentários

Anônimo disse…
MEssias, em 1981 fiquei o ano todo vendendo ração em Assunção. Ia e voltava toda semana. Coisa de louco. No dia que mataram Somoza eu estava lá na capital. UM sucofo, viu?

A convivência diuturna com os amigos paraguaios naquele tempo me fez ver um Paraguai (ainda no Tempo de Strosner) muito diferente do que imaginávamos. BOm até para morar, naquele tempo. Hoje não posso dizer mais nada. MAs a questão política lá é muito, mas muito séria mesmo. Coisa de louco. Valei-me meu São Sarapião! abs
Humberto Boaventura disse…
Bem lembrado! Esperamos que o povo Paraguay siga a tendencia progressista da América Latina e elega Fernando Lugo presidente.

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…