Pular para o conteúdo principal

Suspenso aumento de custas judiciais no Paraná

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concedeu liminar a pedido formulado pelo deputado estadual Tadeu Veneri (PT) suspendendo o decreto 48 do Tribunal de Justiça, que reajustou as custas judiciais e extrajudiciais em 50%., no início deste ano. A lei aprovada pela Assembleia Legislativa, em dezembro do ano passado, previa que o VRC (Valor de Referencia das Custas) teria aumento de 17% e não de 34% como requeria o anteprojeto do TJ. A lei 16.741/2010, estabeleceu um redutor de 50% sobre o VRC, que não foi aplicado pelo TJ no decreto.
A relatora do processo no CNJ, Morgana Richa, concluiu que o TJ extrapolou sua competência constitucional ao fixar o índice de reajuste das custas por meio de decreto judiciário, além do montante autorizado pela Assembleia Legislativa.
De acordo com o advogado Ludimar Rafanhin, que formulou o pedido, a relatora reconheceu a ilegalidade do ato do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Paraná Celso Rotoli de Macedo. "É inegável a importância que o CNJ tem para a sociedade jurisdicionada. É o tão esperado controle do Poder Judiciário. É preciso ter alguém que controle o cumprimento das leis por aqueles que são os responsáveis pela efetivação da normas jurídicas.O importante é que o CNJ foi provocado por um deputado que votou a lei. Isso releva a autonomia e independência dos Poderes", comentou Rafanhin.
No despacho, a relatora também rejeitou o argumento do TJ sobre a necessidade de reajustar as custas para dar continuidade à estatização dos cartórios. No tocante à alegada necessidade de utilização dos valores para continuidade à estatização das serventias judiciais, releva a imoralidade do TJ em invocar as estatizações como fundamento para o aumento das custas judiciais", escreveu a relatora.
O CNJ também determinou a realização de uma audiência no dia 11 de março, na sede do Tribunal de Justiça, entre todos os interessados para debater o tema. O pedido de providências feito por Veneri foi apresentado no dia 8 de fevereiro. No dia 17 de fevereiro, a OAB protocolou pedido semelhante que foi anexado ao de Veneri.

. A nota me foi enviada por email pelo amigo Zezinho, ex-vice prefeito de Sarandi
(2a. gestão Cido Spada)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro antecipou a cirurgia porque não queria abrir a Assembléia Geral da ONU

ONU? BOLSONARO ANTECIPOU UMA CIRURGIA QUE NÃO TINHA URGÊNCIA PORQUE FICOU COM MEDO DE IR À ASSEMBLEIA GERAL, ONDE CHEGARIA E SAIRIA DEBAIXO DE VAIAS. Comenta Jânio de Freitas (Folha\UOL) que a cirurgia de Bolsonaro não tinha nenhuma urgência e que poderia perfeitamente esperar a sua ida à ONU. È tradição os presidentes do Brasil abrirem a Assembleia Geral, em homenagem justamente a um dos seus fundadores e primeiro secretário geral, o brasileiro Osvaldo Aranha.
Mas apesar defazer aquela encenação toda de que iria nem que fosse de cadeira de rodas ou de maca, o fato é que o mito amarelou. E amarelou porque está mais sujo que pau de galinheiro na Organização das Nações Unidas, ainda mais depois de destratar Michele Bachelet, muito respeitada na diplomacia internacional e brigar com chefes de estado de vários países europeus.
Se for lá, mesmo de maca, Bolsonaro chegará e sairá debaixo de vaia. Acha que a equipe médica estará autorizada a dizer que ele estará liberado até lá?

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…