2 de março de 2017

Nóis é nóis...


Quando se fala em governo federal e presidência da república, R$ 24.15,68 é nada. Menos até que dinheiro de pinga como se diz nos botecos da vida. Mas esse gasto absolutamente desnecessário para fazer uma reforma descabida no Palácio da Alvorada, soa como afronta à situação de calamidade financeira que vive a esmagadora maioria das famílias brasileiras.
Até que se o casal Temer-Marcela fosse mesmo morar na residência oficial do presidente, tudo bem, seria compreensível a exigência da primeira dama. Mas a esposa de Michel Temer reformou, fez do jeito que queria, sob alegação que era para proteger Michelzinho dos riscos de acidentes domésticos. Bem, também compreensível até essa altura.

O que caracteriza a afronta, o desrespeito com o dinheiro do contribuinte, foi o fato de em poucos dias, a primeira dama dizer que não lhe agradara aquele palácio e que preferia voltar para o da vice, o Jaburu. Dizia a minha avó que dinheiro faz cócegas, dinheiro dos outros, quando os outros não se importam que gastemos, nos provoca gargalhadas de satisfação.Temer e Marcela gargalharam, certamente. Na nossa cara e bem ao estilo "nóis é nóis, o resto é bosta".

Nenhum comentário: