Pular para o conteúdo principal

Cadê o governo?


O governo Bolsonaro está atoa na vida vendo a banda passar. Não tem uma única ação no sentido de chamar governadores, prefeitos e parlamento para pensar o Brasil da pós-pandemia. Vai esperar voltar a onda de saques  e explodir a violência urbana para depois tentar encontrar uma saída para a tragédia social que se avizinha?


Comentários

Anônimo disse…
Pior será a edição "especial" do Jornal Nacional para anunciar os 100 mil. As caras de desolação do Bonner e demais jornalistas globais. Como se não tivessem sido fundamentais para que se chegasse a isso, construindo, com mais de dez anos de lavagem cerebral antipetista nos brasileiros, a aberração Bolsonaro.
Irineu disse…
por Dr. Rosinha*

Nasci e fui criado no interior do Paraná.
Sou de uma família que trabalhava muito e ganhava pouquíssimo.Dependendo da época, não tinha nenhum tostão.
Na década de 1950, médico nas cidades do interior era raridade.
Já nas áreas rurais delas, com estradas ausentes ou precárias, como a minha família, médico só em sonho.
Assim, quando alguém ficava doente em casa, a solução era fazer chá, ir à vizinha benzedeira ou rezar e fazer promessas para os mais variados santos e santas.
Na nossa região, os pedidos, na maioria das vezes, era para Nossa Senhora Aparecida.

E se o “milagre” se concretizasse, mesmo com parcos recursos, a família tinha que viajar até a cidade de Aparecida do Norte (SP), para pagar a promessa.
Na nossa região, ir ao médico só em ultimíssimo caso.
Afinal, significava levar embora todas as economias. Ou pedir fiado (favor, que vergonha!) para pagar depois da venda de parte da safra, alguns porcos, galinhas ou boi. Mas pagava.

O pobre sempre foi muito honesto.

No Brasil, estruturalmente, sempre houve — e há até hoje! — déficit de médicos e de serviços públicos, o que levava a população a buscar outros recursos para a cura de suas doenças.

Apesar da falta de serviços públicos de saúde e médicos, essa carência gritante nunca mobilizou a sociedade em geral para um debate relevante, de peso.

Por que esse assunto nunca “ganha” a sociedade?!
Bem, acho que a “sociedade” é constituída predominantemente por uma classe média que se mais preocupa com bens materiais e questões supérfluas, na maioria das vezes, individuais e pessoais.

Essa classe média não tem consciência do coletivo e de direitos, como saúde e escola pública de qualidades para toda a população.

Irineu disse…
Voltando à questão do déficit estrutural de médicos no Brasil.

Isso ficou muito presente nas cidades dos anos 1960 a 1980.

Nesse período, ocorreram grandes migrações da zona rural para as periferias das cidades. Uma verdadeira avalanche de migrantes pobres.

Estimam-se que, nas décadas de 1960-1980 — 43 mihões de pessoas saíram do campo para a cidade.

Nesse período, não havia serviços de saúde pública nem médicos disponíveis para atender todas as necessidades dessa população.

O SUS não existia e o serviço de saúde pública era escasso e precário.

Assim, mesmo nas grandes cidades, se o pobre precisasse de médico, ele não tinha dinheiro para pagar as consultas.

A alternativa então continuava sendo procurar ajuda dos benzedeiros e benzedeiras, os chás e as rezas, que passaram a ganhar visibilidade.

Só que, aí, como eles estavam mais próximos dos grandes centros médicos e da zelosa “sociedade”, eles passaram a combatidos e excrecados publicamente pelos “doutores da ciência”.

Doutores representados por entidades — associações médicas, conselhos, sindicatos — que nunca se preocuparam com a defesa do direito à saúde para toda a população.

Parêntese: Não me refiro aqui aos médicos e médicas que trabalham com dedicação em defesa da ciência, da saúde pública e da ética médica. Fechando parêntese.

Os benzedeiros e benzedeiras, os curandeiros e as curandeiras, passaram a ser vistos e tratados como charlatães.

Tanto que a questão ganhou artigos especiais no Código Penal, que estabelece que o charlatanismo e curandeirismo são crimes contra a Saúde Pública.

Mas, como toda a lei no Brasil, o nosso Código Penal também não é pra todos.

Bolsonaro é a maior prova.

Ao apregoar o uso da cloroquina, ele se comporta como vendedor de drogas milagrosas.

É, portanto, um charlatão.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Estaduais sempre muito cientes em denunciar as pessoas pobres que benziam, o que fizeram até agora em relação à conduta do charlatão Bolsonaro?

NADA!

Repito: NADA!

Como a maioria dos membros do CFM votou em Bolsonaro, não dá para esperar que faça alguma coisa.

Na época em que Dilma era presidenta da República, os membros do CFM sempre estavam no Congresso Nacional fazendo lobby contra o Programa Mais Médicos.
O Mais Médicos era para atender os pobres, aquelas pessoas que têm como referência benzedeiros, curandeiros, xamãs e pajés para atender os seus enfermos.
Sem médicos, essas populações continuam recorrendo a benzimentos, chás e rezas.
Caso tenha a suspeita de covid, recorre à cloroquina receitada por Bolsonaro e “abençoada” pelo CFM.
Carlos disse…
Desmonte, destruição das instituições, perseguição aos pobres e aos trabalhadores, entrega do Brasil ao capital externo, especialmente aos USA, de quem o Brasil se tornou um lacaio, párias do mundo e sobretudo ter na figura abjeta de um bolsonaro o presidente de um país que até pouco tempo era o ai Jesus do mundo, gozando de respeito e admiração pela virtual extinção da miséria e por seus programas de inserção. Não é de graça que o Lula é tido como uma das maiores lideranças do planeta por figuras como Domenico de Masi, Chomsky e outros
João Carlos disse…
Eu não tô gostando nada disso. É claro que a preocupação social do Bozo é fake, como tudo no governo miliciano, mas o tratamento de marketing que está sendo utilizado investe com fakes sobre o povo simples e indefeso. Precisava uma reação da esquerda para que seus fundamentos não sejam roubados de forma falsa e ardilosa para possibilitar a impunidade do gado bandido e a continuidade da retirada de direitos dos trabalhadores. Tá difícil.
Anônimo disse…
Capitão Corona! Piada do mundo . Caiu de paraquedas na presidência do Brasil sem preparo ,sem competência sem conhecimento do que significa comandar um país . O que fico mais triste não e com ele e sim saber que 30% dos meus irmãos brasileiros continuam apoiando essa figura. O que Bolsonaro fez em toda sua vida pública para merecer ser nosso presidente 20 anos como deputado e não apresentou um projeto que mudasse nossa vida. O que esse cara fez colocar bomba no banheiro do exército foi isso. Alguém me explica por favor?
Esse cara parece que não nasceu de uma mãe e sim foi chocado cuspido. E impressionante a incompetência .
Sandro Silva disse…
MAIOR COVAR5DIA QUE UM DESGOVERNO ANT. CRISTO PANDEMONIO GENOCIDA SEM MORAL SEM PREPARO SEM VERGONHA MAU EDUCADO E FALSO ATE O FIO DOS CABELOS. FORA BOLSONARO!!!!
Agora o bozo só quer Inaugurar obras que o PT deixou em andamento QUASE COM 100% COMPLETA, COMO A OBRA DO RIO SÃO FRANCISCO QUE O PT DEIXOU COM 95% FEITO.
Hudson disse…
O governo do Bozo não tem projeto nenhum para o pais e seus 30% de apoiadores são em grande maioria evangélicos, são pessoas raivosas feito cão que babam ódio, estes evangélicos apoiadores do Bozo são do demônio como o Bozo, são psicopatas do diabo, fique longe deles pois são perigosos.
Lucio Roberto disse…
— Não concordo com a homossexualidade.
— Mas você é gay???
— Não.
— Então o que você tem a ver com a sexualidade dos outros???
— Ah, é que vai destruir a família!!!
— A sua família???
— Não, a minha não.
— Então o que você tem a ver com a sexualidade dos outros???
— É que não é natural!!!
— Hum... Você é Biólogo???
— Não.
— Então você é Antropólogo???
— Também não!!!
— Astrólogo???
— Não!!!
— Então o que você tem a ver com a sexualidade dos outros???
— É que Jesus disse que é uma aberração!!!
— Na verdade, não disse não, nem uma única palavra a respeito!!!
— Não. Mas tá escrito na Bíblia.
— Tá sim, lá no Velho Testamento, que também proíbe comer porco e camarão, sentar em uma cadeira que foi usada por uma mulher menstruada, acender a luz no sábado. Você evita tudo isso???
— Não.
— Então o que você tem a ver com a sexualidade dos outros???
— EU NÃO GOSTO!!!
— Ah, então o problema não é família, nem a natureza das coisas, nem os astros, nem a descendência, nem a suposta "opinião" de Jesus... O problema é que você não gosta, certo???
— É!!! Não gosto!!!
— Ok, MAS ENTÃO, MEU ANJO, O QUE VOCÊ TEM A VER COM A SEXUALIDADE DOS OUTROS?"
Anônimo disse…
Rompi relações com todos evangélicos bolsonarianos, o motivo é que são em sua grande maioria pedófilos, prostitutas, desonestos, psicopatas, ladrões, milicianos, traficantes e coisas piores, não misturo com gentalhas.

Postagens mais visitadas deste blog

Eudes venceu a Covid e está em casa. Parabéns, grande santista!

O Eudes Januário, ex-secretário municipal do Meio Ambiente (gestão Zé Cláudio/João Ivo) ficou 51 dias na UTI do Hospital Municipal com a Covid 19. Foi entubado e passou por momentos difíceis. Hoje de manhã ele recebeu alta e já está em casa com a família. Venceu o coronavírus, o grande santista Eudes.

Eu e meu porque

De um amigo bolsonarista, que hoje me considera ex-amigo:"Por que você bate tanto no Bolsonaro?". Respondo: quem sou eu? Minhas críticas não exercem nenhuma influência sobre ninguém, a não ser sobre mim mesmo. Porém, me sinto no dever de exercitar minha consciência crítica, porque tudo o que não quero é cometer o pecado da omissão.

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.