Pular para o conteúdo principal

Vítima do próprio temperamento

Gosto de vê-lo na tribuna do Senado, aonde é um leão.Bom de discurso, Requião empolga, pelas suas´idéias firmes, pelo conhecimento que tem do estado, pela abordagem dos problemas sociais. Mas hoje, seu discurso foi patético. Ao tentar se defender das críticas que atrairam seu gesto truculento contra um repórter de rádio, confundiu democracia com autocracia, deselegância e falta de educação com firmeza. Se fez vítima quando vítima não foi; socou um inimigo que jamais esteve à sua frente; retrucou uma agressão verbal que não sofrera, mostrou destempero diante de uma pergunta desconfortável, sem se dar conta de que perguntar não ofende, ainda mais quando o perguntado é um homem público, que deve estar sempre prestando contas de seu comportamento e de suas ações.
Ao desenvolver sua atividade parlamentar impulsionado pela bilis e não pela cabeça pensante que, inquestionavelmente é, Requião frustra seus eleitores, embota o conceito de brilhante tribuno que sempre teve. Uma pena.

Comentários

Messias, burro chucro mal quebrado no bridão pelo domador enquanto novo fica assim mesmo, traiçoeiro.

Espero que esse seja o derradeiro mandato desse sujeito, pra que o povo paranaense se redima da “asnice” que fizera na última eleição, fechando ouvidos para o discurso dum motivado Fruet pelo de um mola-presa de jeans, degustador de mamonas.

Desculpe, mas nunca vi qualidades nesse tipo que não respeita sequer a si mesmo. É um inimigo da humanidade. Espero que o sindicato dos jornalistas não venda pelo preço vil duma desculpa pública a honra e a liberdade profissional do repórter agredido.

De relembrar que em Paranavaí, POR DUAS VEZES, esse sujeito fizera o mesmo com os repórteres Pedro Arthur em 2008 e Pedro Machado em 2010. Veja aqui: http://joaquimdepaula.com.br/index.php/2010/10/requiao-tenta-tomar-gravador-do-reporter-pedro-machado/
Anônimo disse…
Requião é um Hugo Chaves que não deu certo. Fazia e desfazia aqui no Paraná e foi pra Brasilia achando que o Brasil era sua rinha. Agora descobriu que fora do Paraná e ninguém o teme. É um choque, coitado!

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

O mundo não aprendeu a lição da tragedia que foi a II Guerra

Vi hoje na TV Cultura de São Paulo (Fundação Anchieta) um documentário muito interessante sobre o fim da II Guerra Mundial, mais especificamente sobre a derrotadas tropas de Hitler na Rússia e a teimosia do Japão para se render,o que só aconteceu após a segunda bomba atômica jogada no país, em Hiroshima e Nagazaki , respectivamente. Foi muito bom o editorial da emissora, que fecha o documentário. Fala da intolerância e da incoompreensão de elites políticas de alguns países, inclusive o Brasil, de não terem aprendido nada com a história.Diz o editorial que tem chefes de estado que se elegem com o voto popular e chegam ao poder pensando que o poder lhe pertence, E, em cima dessa conclusão estúpida, atropelam os princípios básicos da democracia, que é o respeito às opiniões contrárias. Não coloco issoentre aspas, porque é uma interpretação e não o texto literal. Mas uma coisa fica clara: o documentário lança uma carapuça que se encaixa direitinho na cabeça do atual presidente do Brasil, …