Pular para o conteúdo principal

Êpa, temos um dia! Valeu pela lembrança, Dani

"Parabéns pelo seu dia, o meu só um pouco - Jornalista!".

Recebo esta mensagem logo cedo da minha filha Danielle, formada em jornalismo pelo Cesumar,mas que não exerce, pois optou pela área da publicidade.

Na verdade, eu acho que todo dia é dia do jornalista, todo dia é dia da mãe,do pai,do trablhador, etc,etc,etc. Mas se há um dia específico, ressaltado às vezes com emoção por quem cultua efemérides, então que seja assim: viva nosso dia, o dia do jornalista. Valeu, Dani, pela lembrança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?

A Ford fordeu o Brasil. Mas o presidente estava ocupado, tuitando

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica. Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego. Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer. Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro. O presidente está ocupado, tuitando.
. Fernando Brito (Blog Tijo…