Pular para o conteúdo principal

Briga de egos

É assim que o jornal Paraná Shimbun define os motivos que levaram o prefeito de Maringá a cancelar a Feira Internacional Brasil-Japão. Em matéria de página inteira o semanário da colônia japonesa no Paraná repercute a decisão inesperada de Silvio Barros II, que trará prejuízos financeiros incalculáveis para os organizadores e empresas que já tinham adquirido espaços no Parque de Exposições Francisco Feio Ribeiro. O evento estava sendo considerado como um dos mais importantes das comemorações de 100 anos da imigração japonesa no Brasil.
O anúncio do cancelamento foi feito numa reunião entre o prefeito e os organizadores em Curitiba. Segundo o jornal "o prefeito citou uma carta da Sociedade Rural de Maringá, em que os comerciantes da cidade teriam declarado ter dinheiro suficiente para participar de apenas um dos eventos". Quer dizer, houve receio de que a Feira Brasil-Japão atrapalhasse a Expoingá, embora a Feira Agropecuária esteja programada para maio, um mês antes.
A reunião foi tensa, Silvio se irritou com os questionamentos da comissão. Diz o Shimbun:"Ele rasgou as folhas do flipchart em que estava escrevendo, atirou-as em cima da mesa e abandonou a sala".
O piti do prefeito deixou os japoneses boqueabertos. Ao tentar se explicar depois, Silvio Barros II disse através do seu secretário Shudo Yasunaga, que o consul geral do Japão no Paraná teria manifestado contrariedade à realização da feira em Maringá. O consul Soichi Sato desmentiu categoricamente a informação. A decisão do prefeite de Maringá, que chegou a citar a ressureição de Lázaro (personagem bíblico) para justificar o cancelamento, irritou a colônia japonesa no Estado. Deixou decepcionado até o eterno presidente da Câmara do Comércio Brasil-Japão, ex-deputado Antônio Ueno. Ele já tinha visitado cerca de 80 empresas japonesas instaladas no Brasil e dado seu aval de que a feira seria um sucesso.
Enfim, o prefeito de Maringá acaba de, por conta do seu desmedido ego , da sua falta de visão e da arrogância que traz no DNA,provocar um grande prejuízo político e econômico para a cidade.

Comentários

Anônimo disse…
Aos poucos as pessoas vão se revelando e essa atitude de nosso fraco prefeito pode realmente atrapalhar uma série de empresas que se programaram para esse evento. Não vejo o prejuízo pelo lado financeiro, vejo sim um descompasso na coordenação desse evento desde o início. Decepcionante a atitude de um líder eleito, pessoas nessa posição precisam deixar seu SUPER EGO em casa.

Postagens mais visitadas deste blog

Eudes venceu a Covid e está em casa. Parabéns, grande santista!

O Eudes Januário, ex-secretário municipal do Meio Ambiente (gestão Zé Cláudio/João Ivo) ficou 51 dias na UTI do Hospital Municipal com a Covid 19. Foi entubado e passou por momentos difíceis. Hoje de manhã ele recebeu alta e já está em casa com a família. Venceu o coronavírus, o grande santista Eudes.

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?