Pular para o conteúdo principal

Acorda, Maringá!

É muito cruel o que estão fazendo com os moradores do Santa Felicidade. Querem tirá-los de lá e distribuí-los por casinhas do PAC em áreas de equipamentos urbanos. Há uma visível revolta nos bairros para onde famílias do Santa Felicidade serão levadas. Na verdade, a "Administração Cidadã" semeia vento e não está nem aí se mais adiante colher tempestade.
É inacreditável o silêncio quase sepulcral dos meios de comunicação, da Câmara de Vereadores, dos partidos políticos, das associações de bairros, da Ser, do Observatório Social.
Reproduzo aqui o que postou em seu blog hoje a tarde o Ângelo Rigon:
"Na região do Batel, onde o prefeito quer construir 16 casas para agregados que residem no Conjunto Santa Felicidade, contra a vontade daquela população (e o mesmo se repete em outros bairros da periferia maringaense), a prefeitura começou a fazer terraplenagem e nesta madrugada a casa que guarda materiais e ferramentas foi queimada.
Os moradores deste e de outros bairros que enfrentam o mesmo problema - o Ministério das Cidades, que liberou a verba do PAC não realizou audiência pública, como manda a legislação - e vão se organizar num movimento para se fazer ouvir, coisa que os irmãos Barros simplesmente não admitem. Seria interessante que as autoridades ouvissem o povo para evitar uma encrenca maior. A principal bronca é que as casas estão sendo construídas em áreas destinadas a equipamentops urbanos, como escolas, creches e praças de lazer".

Com excessão de alguns blogs, este inclusive, só o Observatório das Metrópoles tem colocado o dedo na ferida. O caso é grave, a sociedade local não pode fechar os olhos para o problema. É preciso que se comece já uma ampla discussão sobre este apartheid social. Até quando esta cidade universitária, a terceira mais importante do Paraná e uma das mais importantes do Sul do país, vai conviver com retrocessos e crimes de lesa pátria desse tipo? Acorda, Maringá!

Comentários

chrystian gardin disse…
grande messias mendes,td bem com vc?quem me passou seu blog foi o edson lima.
um grande abraço a vc.
tempo bom quando trabalhei com vc na tv tibagi lembra?
chrystian gardin disse…
o messias meu e-mail é chrystiangardin@hotmail.com
Anônimo disse…
Messias, o fato é um só, ninguem que comprou seus terrenos superfaturados e construiu casas padronizadas, vai querer que seu patrimonio se desvalorize com construções de pombal por perto.Seria até falta de respeito.Por outro lado o prefeito precisa resolver as questões dos moradores do Santa felicidade,eles foram usados para que a verba viesse pros cofres do prefeito, agora ele tem que resolver, porem não é pegando areas destinadas a bemfeitorias do bairro e causando desconforto para ambas as partes que ele vai ter sucesso. Eu penso que ele deva adquirir um novo lote e construir todas as casas, porque não compra terrenos nesses loteamentos novos que está surgindo?agora pegar areas de bairros que já está formado não vai dar certo, isso vai virar um inhaca do tamanho gigantesco.

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro pisa na bola com o mundo árabe e deixa o agronegócio com a pulga atrás da orelha

O QUE BOLSONARO QUER DE ISRAEL, UMA FÁBRICA DA GLOCK OU OS DRONES ASSASSINOS?

O presidente eleito vive cheio de mesuras para o lado de Israel, mas deixa transparecer um certo ar de provocação ao mundo árabe. O anúncio que fez de levar a embaixada brasileira de Telavive para Jerusalém,  pode criar sérias consequências para o agronegócio brasileiro, que tem nos países árabes seus grandes compradores, principalmente de  frangos e derivados.

Os empresários catarinenses desse setor apoiaram Bolsonaro com todo entusiasmo , mas se a mudança da embaixada se concretizar,  terão muitos contratos cancelados.

Mas afinal, que interesses o Brasil pode ter mais em  Israel do que nos países árabes? E o que o Brasil compra de Israel? Compra quase nada. Talvez Bolsonaro esteja agora interessado nos drones que matam e na vinda pra cá de uma fábrica da Glock. Era dessa marca a pistola que os assaltantes tomaram dele no Rio, onde levaram também a moto e o capacete do  deputado.

Não me recordo de nenhum pr…

Democraticídio

. Tereza Cruvinel (Jornal do Brasil)


As advertências sobre o risco Bolsonaro para a democracia não são choro antecipado de perdedor, artifício de petistas desesperados para virar o jogo. O democraticídio virá, não apenas porque condiz com a natureza autoritária do deputado-capitão, mas porque, se eleito, não será capaz de dar outra resposta aos impasses que enfrentará. Os avisos vêm até dos que ajudaram a semear o antipetismo, um dos mais fortes nutrientes da candidatura favorita.
Outros, que poderiam falar mais alto, justificam a omissão com a bazófia de que, ainda que ele tente, nossas instituições terão força para evitar qualquer ruptura. Em 1964 também tínhamos instituições que pareciam funcionar, mas elas não apenas cederam ao primeiro movimento de tanques.
Elas ajudaram a executar a parte civil do golpe. Bolsonaro e seu entorno, a começar do vice troglodita, nunca esconderam o pendor autoritário e a saudade da ditadura, nos elogios da tortura e nas homenagens…

Deixem Deus fora disso

Seja o que Deus quiser? Não, não podemos invocar o nome de Deus para nos conformar com essa sujeirada toda. Depois de apoiar ostensivamente a campanha "tudo, menos o PT", a Globo chega ao final da campanha vendo o provável eleito de braços dados com sua maior concorrente, a Rede Record do bispo Macedo. E vislumbrando um acordo mais ali na frente, para minimizar o impacto da divisão das verbas publicitárias que sempre concentrou, a Globo minimizou a ausência de Bolsonaro no debate de quinta-feira. O mediador Willian Bonner limitou-se a informar, candidamente, que Bolsonaro não compareceu por ordem médica, sem questionar o circo armado em torno dessa ordem para poupar o mesmo do confronto , tete-a-tete , com seus concorrentes. Enquanto os demais candidatos debatiam, discutiam propostas ou simplesmente colocavam suas ideias e confrontavam suas biografias, Bolsonaro ganhava 27 minutos de propaganda na Rede Record, ferindo de morte a legislação eleitoral que naquele momento já n…