Pular para o conteúdo principal

Um homem pra lá de formal


Trabalhei 15 anos na TV Cultura de Maringá, fui várias vezes a Curitiba cobrir férias no jornalismo do Canal 12, onde a gente sentia a presença do Dr. Francisco em cada canto do Palácio do Batel. Mas nunca o tinha visto pessoalmente. A primeira vez que estive frente a frente com ele foi no começo de 2004, numa visita que lhe fez o prefeito de Maringá, João Ivo Caleffi. A Telminha, secretária do gabinete, foi quem agendou a visita. Teve que enviar até os números das carteiras de identidade das pessoas que o dono da Rede Paranaense de Comunicação receberia em sua sala, no caso o prefeito e eu, na condição de assessor. Fomos muito bem recebidos.
Sobre a mesa do empresário, um papel com a nossa identificação. Muito formal, ele se dirigia ao prefeito chamando-o pelo nome completo. Quando se dirigiu a mim, chamou-me também pelo nome completo. E só nos tratava de senhores.
Sem dúvida, um homem refinado, mas que me pareceu ser de outro planeta, tal o nível de formalidade que imprimia ao seu trabalho , e dizem os mais próximos, à sua vida cotidiana. O que circulava na época pelos corredores do Canal 12 é que só tinha um funcionário que chamava o patrão de Chico, sem o Dr. Era o jornalista Luiz Geraldo Mazza, chefe de redção à época e por quem o empresário tinha um respeito muito grande e uma admiração profunda, embora o tenha demitido depois de muitos anos sem mais e nem porque.
Dr. Francisco Cuna Pereira Filho, cuja grande paixão era a Gazeta do Povo e não TV, morreu ontem aos 82 anos de idade.
O grupo empresarial já vinha há tempo sendo dirigido pelos seus filhos, que o governador Requião chama ironicamente de "os dois filhos de Francisco".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eudes venceu a Covid e está em casa. Parabéns, grande santista!

O Eudes Januário, ex-secretário municipal do Meio Ambiente (gestão Zé Cláudio/João Ivo) ficou 51 dias na UTI do Hospital Municipal com a Covid 19. Foi entubado e passou por momentos difíceis. Hoje de manhã ele recebeu alta e já está em casa com a família. Venceu o coronavírus, o grande santista Eudes.

Tal pai, tal filho?

Mera coincidência ?
--------- Um professor da UEM ia todo sábado pegar filmes em uma locadora da Avenida Morangueira. Certo dia, durante um período eleitoral, ele chegou no balcão e escolheu um monte de fitas. Quando o funcionário relacionava os filmes que seriam levados pelo professor para devolução na segunda-feira , chegou o dono da locadora, vestindo uma camiseta com a sigla PT em vermelho no peito. Enfurecido, o professor deixou as fitas no balcão, saiu bravo e mandou que cancelassem sua ficha que ali não voltaria mais. Acreditem, a história é verídica. Nome do professor: Dalto Moro (+), que aliás foi meu professor de Geografia no curso de Estudos Sociais na UEM. Dalto, muito bom na matéria que lecionava, diga-se de passagem, nutria um ódio inexplicável do PT e seu líder máximo. Aliás , o mesmo ódio que nutre seu filho Sérgio, que anos mais tarde acabou colocando Lula na cadeia.

Coisa de governador cagão

Incluir os estados na reforma da previdência é um esforço que só governadores medrosos fazem. Se o Brasil é uma federação e cada estado tem seu parlamento, qual o problema dos governadores proporem reformas próprias para as previdências estaduais e submeter seus projetos ao debate com os deputados estaduais?